Como Saber O Dia Exato Que Engravidei Pela Ultrassom?

Tem como saber o dia que engravidei pela ultrassom?

Como descobrir a data da concepção pelo ultrassom? – Sabendo a idade gestacional, basta subtrair duas semanas e você terá o número de semanas em que ocorreu a concepção. Para não precisar fazer os cálculos de cabeça coloque apenas a data em que o exame foi realizado e a idade gestacional estimada em nossa calculadora. Recomendamos que leia também nosso post sobre,

Como saber o dia exato da gravidez?

Como calcular a data estimada do parto: Regra de Mittendorf-Williams – Uma teoria sobre como calcular a data estimada do parto, também usando a DUM, é a regra de Mittendorf-Williams. Baseada em um estudo antigo de 1990, não há estudos mais recentes que sugiram que ela seja precisa.

  • Por isso, a regra não é muito usada por profissionais de saúde para prever a DPP.
  • Essa regra é baseada em um estudo de muitas décadas atrás que mostrou que as primeiras gestações tendem a ser um pouco mais longas (em média 288 dias a partir da DUM) e, nas gestações subsequentes, o parto acontece em média 283 dias a partir da DUM.

Então.

  • Primeiro, determine o primeiro dia do seu último período menstrual.
  • Depois, conte três meses para trás a partir dessa data.
  • Por último, acrescente a essa data 15 dias se for sua primeira gravidez ou 10 dias se não for a primeira gestação.

Qual seguir a dum ou ultrassom?

O que fazer se as datas do ultrassom são diferentes da DUM? – É muito comum esse tipo de situação ocorrer. As semanas calculadas pelo ultrassom não coincidem com os cálculos baseados na DUM. Desse modo, os médicos obstetras orientam 4 a seguir uma ordem de escolha, que pode ser:

  1. Ultrassom realizado nos primeiros três meses de gestação;
  2. Data da última menstruação (DUM);
  3. Ultrassom realizado entre o 4º e 6º mês de gestação.

A divergência ocorre pois o corpo da mulher, assim como qualquer organismo vivo, não é um sistema fixo, que não atrasa ou varia suas situações. Assim, as datas calculadas por essas medidas serão próximas, mas variações são possíveis.

Quanto tempo depois da fecundação aparece na ultrassom?

A ultrassonografia transvaginal é capaz de detectar o embrião a partir da 4ª ou 5ª semana de gravidez, o que significa que com uma ou duas semana de atraso menstrual já pode ser possível identificar uma gestação inicial em curso.

Como calcular a idade gestacional sem saber a data da última menstruação?

Calculadora Idade Gestacional Nossa calculadora online de idade gestacional permite que você calcule de quantas semanas o seu bebê está de três maneiras diferentes. A forma mais fácil de usar a calculadora gestacional é simplesmente colocando o primeiro dia da sua última menstruação.

  1. Por convenção o o primeiro dia da data da última menstruação é utilizado como sendo o primeiro dia da sua gestação.
  2. Sim, você não está grávida neste dia, mas a maneira tecnicamente correta para calcular a idade gestacional é esta.
  3. A data da concepção irá ocorrer cerca de duas semanas após a data da última menstruação, ou seja, quando a idade gestacional é 2 semanas.

Se você não souber quando foi o primeiro dia da sua última menstruação, nossa calculadora online de idade gestacional permite que você calcule de quantas semanas o seu bebê está de três maneiras diferentes :

Data Provável do Parto (ou DPP) : sabendo quando é sua data prevista do nascimento do bebê basta colocar esse dia na calculadora. Ela irá informar para você a sua idade gestacional atual, a provável data da concepção e tudo mais que é importante na sua gestação. Mas atenção, a data provavel do parto não é o dia em que você está programando o parto! A data prevista do parto é o dia em que você completa 40 semanas, Data da Última Menstruação (ou DUM) : esse é o parâmetro mais comumente utilizado, o primeiro dia da última menstruação. Com informação podemos compreender o seu ciclo menstrual e determinar todos os eventos importantes da sua gravidez. Data de um exame anterior : usar se você não sabe quando foi a data da sua última menstruação nem quando é a sua data provável do parto. Dessa forma não é possível calcular usando o seu ciclo menstrual, então precisamos usar o ultrassom. Mas atenção você deve sempre utilizar o primeiro exame que foi realizado nesta gravidez para que o cálculo seja exato. Essa recomendação se deve ao fato de que a margem de erro do ultrassom é menor quanto mais precoce ele for. Caso você escolha utilizar este parâmetro para o cálculo precisará entrar, além da data em que o exame foi realizado a idade gestacional que foi estimada naquele exame. Por exemplo, se você fez um exame no dia 10/05 que estimou a idade gestacional e 8 semanas e 3 dias. Neste caso você deverá utilizar para cálculo no campo “Data de um exame anterior” o valor de 10/05 e na idade gestacional você deverá entrar 8 semanas e 3 dias. Essa é a maneira de usar a calculadora gestacional pela ultrassom.

Se você estiver completamente perdida com essas datas da sua gestação consulte a sua carteira de pré-natal. Nela estas informações deverão estar anotadas todas informações sobre sua gravidez e devem ser facilmente encontradas. Após entrar estas informações o sistema irá calcular sua idade gestacional e montar um Calendário Gestacional exclusivo pra você com as datas mais importantes da sua gestação.

Quanto tempo após a relação ocorre a concepção?

Qual a diferença entre fecundação e nidação? – A fecundação acontece após uma relação sexual sem contraceptivos durante o período fértil da mulher, cujo pico, ou o dia mais fértil, ocorre aproximadamente no 14 o dia após o primeiro da menstruação, em ciclos regulares com intervalos médios de 28 dias entre eles.

A fecundação é o momento em que um espermatozoide encontra um óvulo, normalmente nas tubas uterinas, e penetra nele. É importante lembrar que a partir da ovulação os gametas femininos permanecem viáveis por até 24h nas tubas uterinas, e os espermatozoides sobrevivem até 72h dentro do corpo da mulher.

Portanto, a fecundação pode acontecer em até 3-4 dias depois da relação sexual.

  1. A união entre os gametas masculino e feminino gera uma célula primordial (zigoto), cujo núcleo é formado pela fusão dos pronúcleos do óvulo e do espermatozoide, que contêm, cada um, metade do material genético de um ser humano.
  2. Assim, a primeira célula do embrião, composta por essa fusão, contém o material genético de um ser humano completo e começa a se dividir algum tempo depois da fecundação, enquanto se movimenta em direção ao útero, onde deve se fixar no endométrio.
  3. Nesse momento, as primeiras células ainda estão envoltas pela zona pelúcida, uma camada externa que vem da estrutura do óvulo e impede a entrada de mais de um espermatozoide durante a fecundação.

A zona pelúcida permanece no embrião e funciona para manter as suas células unidas. O primeiro acontecimento do processo de implantação do embrião é a eclosão da zona pelúcida, conhecida com hatching, seguida da fixação no endométrio, a camada que reveste a cavidade uterina. Isso ocorre por volta do 5 o ao 7 o dia após a fecundação e pode provocar sinais e sintomas em algumas mulheres.

Porque a idade gestacional é contada a partir da data da última menstruação?

DUM – o que é e sua importância na gravidez – A DUM é, como explica o próprio nome, a data aproximada em que iniciou o último ciclo menstrual da mulher antes da gestação. Através dela será possível estimar quando o bebê irá nascer e preparar todos os exames baseando-se nesta data.

  1. O primeiro médico a utilizar a data da última menstruação com intuito de monitorar a gestação foi o alemão Franz Naegele, ainda no século XVIII, que estimou a DPP em 9 meses e 7 dias depois da Data da Última Menstruação.
  2. Por isso, este cálculo recebe o nome de ¹.
  3. Atualmente, este método é ² pelo Ministério da Saúde por ser financeiramente acessível e muito confiável, com margem de erro relativamente estreita.

A DUM será determinante na gravidez, pois não é comum que as mulheres saibam exatamente qual foi a relação sexual que originou a gestação, muito menos em que dia aconteceu. Dessa forma, estima-se as datas pela última menstruação, considerando que a mulher possua um ciclo menstrual regular.

Qual ultrassom que vale a primeira ou a última?

Através do Ultrassom – O exame de ultrassom realizado no primeiro trimestre da gestação é o melhor para se definir a DPP. O ideal é utilizar o primeiro ultrassom da gestação, quanto mais cedo for feito, melhor. Para que o cálculo da DPP seja realizado, o próprio computador se utiliza de certos paramêtros, sendo o mais fidedigno para este cálculo o CCN (comprimento cabeça-nádega), que é a medida do comprimento do embrião todo, quando ainda não se é possível medir separadamente a circunferência da cabeça, do abdome e do fêmur do bebê.

  1. No final do primeiro trimestre e início do segundo utiliza-se outros parâmetro como da circunferência do crânio, circunferência abdominal, comprimento do fêmur, dentre outras.
  2. Entretanto perde-se a exatidão da idade fetal quando o primeiro exame é realizado nesta fase.
  3. A DPP fornecida através desse exame é a mais aproximada, porém é importante que seja feito no primeiro trimestre.

Esse mesmo exame, feito no segundo ou terceiro trimestre, não apresentará uma data provável do parto muito confiável. Nesses casos, é melhor utilizar a data obtida através da Regra de Naegele. Independente do método utilizado é sempre um momento muito emocionante saber qual a data do nascimento do bebê.

  1. As expectativas aumentam, a euforia também.
  2. Hoje em dia, está cada vez mais fácil acompanhar cada momento da gravidez.
  3. É possível encontrar sites e aplicativos de celular dedicados somente a calcular a DPP através da Regra da Naegele ou informar quantas semanas de gestação já se passaram e quantas ainda estão por vir.

É claro que esses sites não substituem de forma alguma uma consulta médica, porém são uma forma interessante de se manter sempre antenada no tempo da gravidez. Caso surja uma dúvida ou preocupação, não hesite em entrar em contato com seu médico. Clique no banner e acesse a agenda da gravidez. Entendeu como é feito o cálculo da data do nascimento do bebê? Gostaria de aprender mais sobre isso? Assine nossa newsletter e se mantenha em dia com as informações mais relevantes pra você! Categorias: Curiosidades da gravidez, Gravidez Tags: data de nascimento nascimento bebê,

Qual data seguir última menstruação ou ultrassom?

O que fazer se as datas do ultrassom são diferentes da DUM? – É muito comum esse tipo de situação ocorrer. As semanas calculadas pelo ultrassom não coincidem com os cálculos baseados na DUM. Desse modo, os médicos obstetras orientam 4 a seguir uma ordem de escolha, que pode ser:

  1. Ultrassom realizado nos primeiros três meses de gestação;
  2. Data da última menstruação (DUM);
  3. Ultrassom realizado entre o 4º e 6º mês de gestação.

A divergência ocorre pois o corpo da mulher, assim como qualquer organismo vivo, não é um sistema fixo, que não atrasa ou varia suas situações. Assim, as datas calculadas por essas medidas serão próximas, mas variações são possíveis.

O que fazer quando a data do ultrassom da diferente da data da menstruação?

E se seu Ultrassom não for compatível com a data da última menstruação? – Se a diferença entre a idade gestacional calculada pela DUM e pelo ultrassom for menor que o limite estipulado (Tabela 1) considera-se a idade gestacional calculada pela DUM, mas se a diferença for maior considera-se o cálculo pelo USG e caracteriza-se um erro de data da ultima menstruação.

É possível ver o feto com 3 semanas?

Mudanças no corpo feminino durante a 3ª semana de gestação – É regular a afirmação de que não existem mudanças no corpo da grávida de 3 semanas, contudo, isso não é uma verdade. Com toda certeza o corpo passou por mudanças, mesmo que não perceptíveis aos olhos.

See also:  Quem Foi Para O ParedO?

Nessa fase, o corpo já está produzindo muito mais hormônios que transformam. Na terceira semana de gravidez, o organismo já está a todo vapor, dado que os hormônios já levaram informações novas ao cérebro para que os órgãos passem a trabalhar de forma diferente. Sendo assim, não há como afirmar que não há mudanças no corpo com 3 semanas de gravidez, elas podem não ser visíveis, mas existem! Dê sempre muita atenção às alterações que acontecem, sangramentos fora do período menstrual exigem atenção redobrada.

É essencial também prestar atenção em alguma mudança no corrimento, como de cor, cheiro ou textura. Eles podem ser indicativos de gravidez, principalmente se forem levemente rosados, ou problemas específicos que devem ser tratados com urgência.

Quanto tempo o ultrassom pode errar?

No primeiro trimestre, o desvio no cálculo é de três a sete dias; no segundo, já pula para de sete a dez dias; e, após a 30ª semana, salta para de duas a três semanas ‘, diz Sebastião Zanforlin Filho, professor do Centro de Ensino em Ultrassonografia, em São Paulo. Meu médico faz ultrassom em todas as consultas

Quanto tempo e 4 semanas de gravidez?

1 a 4 semanas de gestação: 1 mês.5 a 8 semanas de gestação: 2 meses.9 a 12 semanas de gestação: 3 meses.

Quantos dias a uma semana de gravidez?

Por que o cálculo do tempo de gestação é em semanas, e não em meses? – O desenvolvimento gestacional varia muito de uma semana para outra, e esse é o principal motivo da contagem não ser em meses. Se compararmos duas gestações do 7º mês, sendo que uma está na primeira semana e a outra na última, veremos muitas diferenças. Por exemplo: X

  • na 28ª semana de gestação (primeira semana do 7º mês), o bebê tem cerca de 1 kg, medindo cerca de 37,6 cm, e pode ter ainda o lanugo ou ter formado os cabelos;
  • na 31ª semana de gestação (última semana do 7º mês), o bebê tem cerca de 1,5 kg, medindo cerca de 41,1 cm, e já tem unhas formadas, podendo até fazer o movimento de sugar os dedinhos.

Você pode compreender melhor seu tempo de gravidez assim:

  • a cada 7 dias após sua DUM, você completa mais 1 semana de gestação;
  • a cada 4 semanas após sua DUM, você completa mais 1 mês de gestação.

Na tabela gestacional abaixo, você pode conferir as semanas de gestação em meses,

Pode haver fecundação no mesmo dia da relação?

Anticoncepção On-Line :::: Literatura Recomendada NOÇÕES BÁSICAS SOBRE A GERAÇÃO DE UM NOVO SER HUMANO E A AÇÃO DA ANTICONCEPÇÃO ORAL DE EMERGÊNCIA Autor: Dr. Horácio B. Croxatto A. Presidente Instituto Chileno de Medicina Reproductiva (ICMER)

Março, 2001 O começo de um novo indivíduo (ser humano).

Está bem estabelecido que na espécie humana, e em quase todas as espécies animais, cada novo indivíduo forma-se a partir da união de um espermatozóide com um ovócito, habitualmente referido como óvulo. Esta união de células denomina-se fecundação ou fertilização.

  1. O espermatozóide e o óvulo são células que estão vivas no momento da fertilização ou fecundação e sempre estiveram vivas porque foram originadas de outras células vivas.
  2. A união dá origem a uma nova célula, que contém material do óvulo e do espermatozóide, diferente das células de origem, e que também está viva.

Quando dois gametas humanos se unem (espermatozóide e óvulo) o zigoto, obviamente, também é humano. Portanto, a pergunta: quando começa a vida humana? não é pertinente, porque a vida humana não começa com cada indivíduo, apenas continua. Por outro lado, a pergunta: quando podemos dizer que há um novo indivíduo? é realmente pertinente.

A resposta mais simples é que o novo indivíduo já existe após completar-se a fecundação. Em que momento do ciclo menstrual ocorre a fecundação. O ciclo menstrual começa no primeiro dia da menstruação e termina com uma nova menstruação 24 a 35 dias depois, salvo se ocorrer uma gravidez nesse ciclo. Para que ocorra gravidez tem que haver fecundação, mas nem todas as fecundações resultam em gravidez.

Para que ocorra fecundação tem que ter havido ovulação e ocorrido um coito num dia próximo à ovulação, porque para haver fecundação é necessária a união de um óvulo com um espermatozóide, ambos em condições de efetuar a fecundação. Esta condição se cumpre somente quando o coito ocorre dentro dos cinco dias antes ou no mesmo dia da ovulação.

Mesmo quando se cumprem essas condições, a fecundação ocorre em não mais da metade dos casos, quer seja porque os gametas não se encontram, ou porque eles são defeituosos ou porque o encontro acontece num ambiente que impede que esta aconteça. Aproximadamente 90% dos ciclos menstruais são ovulatórios, e a ovulação pode ocorrer em qualquer dia entre o 10º e o 22º dia.

A ovulação é o processo no qual o óvulo termina o seu amadurecimento e é expelido do ovário. Uma vez ocorrida a ovulação, o óvulo tem que ser fecundado nas 24 horas seguintes. Se a fecundação não ocorrer, o óvulo inicialmente perde a capacidade de formar um novo indivíduo e depois se desintegra.

Portanto, estas características do óvulo determinam que a fecundação pode ocorrer apenas em um dos 13 dias entre o 10º e o 22º dia do ciclo menstrual. Quanto tempo depois de um coito ocorre a fecundação Muitas pessoas pensam ou acreditam que a fecundação acontece durante ou imediatamente após a relação sexual, mas não é assim.

Depois de um coito, os espermatozóides podem permanecer no aparelho genital da mulher, mantendo a sua capacidade fecundante, até seis dias. Se o coito ocorrer cinco dias antes do dia da ovulação, a fecundação ocorrerá seis dias após o coito. Se o coito ocorrer no mesmo dia da ovulação, a fecundação pode ocorrer dentro das próximas 24 horas.

  • Ou seja, a fecundação pode ocorrer em qualquer um dos seis dias seguintes ao coito.
  • Portanto, nem todos os indivíduos iniciam sua existência no dia seguinte ao dia do coito.
  • O desenvolvimento do zigoto desde a fecundação até a implantação A fecundação ocorre, habitualmente, na trompa de Falópio, que é o conduto que comunica o ovário com a cavidade uterina.

O zigoto resultante da fecundação é uma célula que tem o potencial de se desenvolver até o ser humano, constituído por bilhões de células, da mesma forma que uma semente pode chegar a ser uma árvore, através de um processo de crescimento e desenvolvimento.

  1. Contudo, a semente pode chegar a ser uma árvore, mas ainda não é árvore, da mesma forma que um ovo de galinha também pode chegar a ser uma galinha.
  2. O zigoto humano também pode chegar a ser um ser humano, mas para isso precisa crescer e se desenvolver.
  3. Aproximadamente três a quatro dias após a fecundação, se o zigoto desenvolve-se normalmente, está constituído por oito a dez células e alcança a cavidade uterina, onde continua a desenvolver-se, imerso no líquido da cavidade uterina.

Imediatamente antes da implantação o blastocisto tem aproximadamente 200 células, a maioria das quais formarão a placenta e outros anexos embrionários que serão posteriormente descartados. Apenas sete a dez por cento das células do blastocisto formarão o embrião.

Até este momento, não é possível a mulher reconhecer que tem um novo indivíduo no seu útero. No sétimo dia após a fecundação, o blastocisto humano implanta-se na camada celular que recobre a cavidade uterina, chamada endométrio. Para que isso ocorra, é preciso que o endométrio esteja num estado receptivo pela ação dos hormônios do ovário, que são o estradiol e a progesterona.

A implantação consiste no processo no qual o blastocisto perfura o endométrio, penetra-o e forma um ninho no seu interior. A implantação completa-se quando o endométrio recobre o embrião e envolve-o totalmente. A partir da implantação, o corpo materno reconhece que há um novo indivíduo em desenvolvimento e começa a reagir à sua presença.

Por essa razão, a Organização Mundial da Saúde (OMS), considera que a gravidez, que é uma condição da mãe, não do novo indivíduo em desenvolvimento, começa após completar-se a implantação. A reação do corpo materno deve-se, pelo menos em parte, à secreção de gonadotrofina coriônica, hormônio produzido pelas células que constituirão a placenta.

Este hormônio atinge a circulação sanguínea materna e age sobre o ovário impedindo que ocorra a menstruação. O desenvolvimento do embrião a partir da implantação. A menstruação é o desprendimento do endométrio, acompanhado de sangramento, que acontece por causa da falta de produção de progesterona por parte do ovário.

  • Quando não acontece uma gravidez, isso ocorre mais ou menos 14 dias depois da ovulação.
  • Se a menstruação ocorrer após a implantação do blastocisto, este é expulso junto com a menstruação.
  • Para evitar que isso ocorra, o blastocisto emite um sinal para o organismo materno, para que o ovário continue produzindo progesterona, hormônio indispensável para que o blastocisto possa se implantar e para a manutenção da gravidez.

Por isso, quando o blastocisto implantado continua seu desenvolvimento não se produz a menstruação. A falta da menstruação, o atraso menstrual, habitualmente é o primeiro indício de que a mulher está grávida. Nesta etapa o embrião está se formando. Do ponto de vista biológico, ainda é um indivíduo incipiente pois carece de cérebro, coração, e de outros órgãos que o feto, o recém-nascido e o adulto têm.

Seu desenvolvimento é mínimo e não possui o substrato biológico indispensável para ter sensações, emoções, pensamentos ou desejos. Entretanto, está dotado de uma grande capacidade para continuar se desenvolvendo e, eventualmente, chegar a ter os órgãos e funções que lhe permitirão existir como pessoa humana.

As falhas naturais ou espontâneas da procriação humana. Na mulher, aproximadamente 50% dos zigotos são eliminados espontaneamente, antes que haja atraso menstrual. Nesses casos, a mulher não chega a notar que teve um zigoto no seu interior. Se acompanharmos 100 casais que têm relações sexuais livremente e que não usam anticoncepção, poderemos detectar sinais de fecundação em mais de 50 das mulheres cada mês, mas apenas cerca de 20 estarão grávidas, proporção que será muito semelhante nos meses seguintes.

  • Isto significa que em 50% dos ciclos ocorre fecundação mas somente 20% resultam em gravidezes porque mais da metade dos zigotos se perdem espontaneamente antes do atraso menstrual e antes que a mulher possa ter noção do fato.
  • O que acontece com os espermatozóides depois de um coito normal.
  • Num coito depositam-se centenas de milhões de espermatozóides na vagina.

Nas melhores condições, milhares deles entram no colo uterino e permanecem neste local. Somente algumas centenas sobem rapidamente até a trompa de Falópio, mas estes não têm capacidade fecundante. Aqueles que ficaram no colo do útero deixam gradativamente o local em grupos e sobem até as trompas nos dias sucessivos.

Desses grupos, alguns espermatozóides aderem-se, durante horas, às células da mucosa tubária, onde adquirem a capacidade fecundante. Após adquirirem a capacidade fecundante liberam-se das células da trompa e mantêm a capacidade fecundante por poucas horas ou minutos, nos quais devem encontrar o óvulo e penetrá-lo.

Por isso é necessário que continuem chegando novos espermatozóides que os substituam até que aconteça a ovulação. A migração até o sítio da fecundação nunca pode durar mais de seis dias depois de um coito. Entretanto, a vitalidade do óvulo é muito mais curta, de algumas horas apenas.

Métodos anticoncepcionais de emergência. O termo anticoncepção hormonal oral de emergência (AE), engloba vários tipos de pílulas anticoncepcionais, que podem ser usadas até três dias depois de um coito desprotegido, para evitar a gravidez indesejada. Têm sido utilizadas pílulas contendo uma combinação de estradiol e levonorgestrel ou pílulas contendo apenas levonorgestrel.

Ambos os sistemas contêm os mesmos hormônios que são usados habitualmente para anticoncepção. A diferença reside no fato que a dose da AE deve ser tomada em um período curto de tempo e essa dose é maior que a dose diária dos anticoncepcionais orais que são tomados durante todo o ciclo.

As pílulas apenas de levonorgestrel, as únicas registradas no Brasil, são mais efetivas para prevenir a gravidez e apresentam menos efeitos secundários que as combinadas (o método de Yuzpe não é registrado no país). As pílulas para AE registradas no Brasil são inócuas e não têm contra-indicações médicas.

Estão aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e pelas agências reguladoras de medicamentos na Europa, nos Estados Unidos, em muitos países asiáticos, além de num número crescente de países latino-americanos. Essas agências exigem que os produtos sejam submetidos a rigorosa revisão da sua segurança e eficácia antes de serem aprovados.

  • A AE evita a gravidez nos casos em que não se utilizou nenhum método antes do ato sexual, quando há suspeita de falha do método usado (ruptura de condom), e nos casos de estupro.
  • Na maioria dos países, as normas do manejo dos casos de estupro ou violação incluem o uso da AE.
  • Nos países onde não é assim, as mulheres que sofreram violência sexual (estupro ou violação), estão condenadas a assumir o risco de ficarem grávidas.
See also:  Qual A Capital De Portugal?

Estima-se que após um coito único, a porcentagem de gravidez é de 8%. Se a mulher toma as pílulas de levonorgestrel na dose recomendada (750 mcg cada 12 horas, duas vezes), nas primeiras 72 horas após o coito, a possibilidade de engravidar é apenas 1%.

  1. Isso quer dizer que o levonorgestrel, nessas condições, evitará o 85% das gravidezes que teriam acontecido.
  2. Quando o levonorgestrel é tomado antes de completar 24 horas do coito evita quase 100% das gravidezes (99,5%).
  3. Quando o levonorgestrel é tomado às 72 horas, a taxa de gravidez aumenta 10 vezes.
  4. Portanto, a eficácia deste método é maior quanto menor seja o tempo entre o coito e a tomada da primeira dose de levonorgestrel, o que faz com que seja muito difícil ou impossível sustentar que o mecanismo de ação seja posterior à fecundação.

O que acontece depois de tomar a pílula de anticoncepção de emergência. Quando uma mulher toma a pílula de anticoncepção de emergência dentro das primeiras 72 horas após o coito, é possível que esta impeça a ovulação, que interfira com a migração dos espermatozóides do colo à trompa, ou que interfira com o processo de adesão e capacitação dos espermatozóides nas trompas.

  • É através destes mecanismos que a AE impede a fecundação.
  • Se a fecundação já ocorreu quando a mulher toma a pílula, tem 50% de probabilidade de que o zigoto se implante e a gravidez ocorra, já que essa é probabilidade espontânea de implantação.
  • Se o zigoto é normal e viável, a pílula não impedirá nem alterará seu desenvolvimento, já que o levonorgestrel é um progestogênio sintético que tem efeito protetor sobre a gravidez.

Isso explica porque o método é progressivamente menos eficaz quanto mais tarde seja utilizado, até 72 horas. Depois de cinco dias do coito, quando é provável que esteja acontecendo a implantação, o efeito da pílula é praticamente zero. Ou seja, a pílula de levonorgestrel não impede a implantação.

Os progestogênios sintéticos são moléculas muito semelhantes à progesterona e agem da mesma forma que ela. A administração de progesterona em certos momentos do ciclo menstrual inibe a ovulação e a migração espermática, mas a progesterona produzida pelo ovário, ou a que se administra depois da fecundação, favorece a implantação e a manutenção da gravidez.

Por este motivo são denominadas de progestogênios, que significa pró-gestação. O levonorgestrel, o progestagênio sintético da AE, protege a gravidez da mesma forma que a progesterona. A progesterona não é abortiva, mesmo se administrada em doses muito altas.

Pelo contrário, a progesterona é essencial para manter a gravidez. O mecanismo de ação das pílulas de AE não está ainda completamente esclarecido. Para tanto seriam necessárias pesquisas difíceis, longas e muito custosas, devido aos problemas éticos, logísticos e técnicos que teriam que ser superados.

Os dados disponíveis na literatura científica não oferecem nenhuma evidência de que o levonorgestrel evite a gravidez por um mecanismo que implique na eliminação do embrião, quer seja antes, durante ou depois da implantação. Também não existem evidências de que não o faça.

  1. A inibição da ovulação e a alteração da migração espermática são os únicos mecanismos até agora comprovados na mulher.
  2. Texto original do Dr.
  3. Horacio B.
  4. Croxatto A.
  5. Presidente Instituto Chileno de Medicina Reproductiva (ICMER) Marzo, 2001 Versão em Português por Dr.
  6. Juan Díaz e Dra.
  7. Magda Chinaglia, Population Council Brasil.

: Anticoncepção On-Line :::: Literatura Recomendada

Quantos dias o embrião se implanta no útero?

Implantação: o que acontece após a fertilização do óvulo – Demora cerca de 6-12 dias para o óvulo fecundado viajar até o útero e se prender na parede do útero no processo conhecido como implantação (1,8). O óvulo é empurrado em direção ao útero pelos cílios (1).

Quando é que começa a gravidez?

Do óvulo ao embrião – Uma vez por mês, um óvulo é liberado do ovário para uma das trompas de Falópio. Depois da relação sexual, os espermatozoides se deslocam da vagina através do colo do útero e do útero até as trompas de Falópio, onde um espermatozoide fecunda o óvulo.

  1. O óvulo fecundado (zigoto) se divide várias vezes enquanto se desloca através da trompa de Falópio para chegar ao útero.
  2. Primeiro, o zigoto se torna uma esfera sólida de células.
  3. Então se torna uma esfera oca de células, chamada blastocisto.
  4. Dentro do útero, o blastocisto implanta-se na parede uterina, onde se transforma em um embrião ligado a uma placenta e rodeado por membranas cheias de líquido.

Aproximadamente seis dias após a fecundação, o blastocisto se prende ao revestimento interno do útero, normalmente perto da parte superior. Esse processo, denominado implantação, termina por volta do 9º ou do 10º dia. A parede do blastocisto tem a espessura de uma célula, exceto em uma área, na qual a espessura equivale à de três ou quatro células.

As células internas nessa área espessada convertem-se no embrião, enquanto as células externas penetram na parede do útero e convertem-se na placenta. A placenta produz vários hormônios que ajudam a manter a gravidez. Por exemplo, a placenta produz a gonadotrofina coriônica humana, que impede os ovários de liberarem mais óvulos e os estimula a produzir estrogênio e progesterona continuamente.

A placenta também transporta oxigênio e nutrientes da mãe para o feto e resíduos do feto para a mãe. Algumas das células da placenta se transformam em uma camada externa de membranas (córion) ao redor do blastocisto em desenvolvimento. Outras células se transformam em uma camada interna de membranas (âmnio), que forma a bolsa amniótica.

  • Quando a bolsa é formada (por volta do 10º ao 12º dia), o blastocisto é considerado um embrião.
  • Essa bolsa se enche com um líquido transparente (líquido amniótico) e se expande para envolver o embrião em desenvolvimento, que flutua dentro dela.
  • O próximo estágio do desenvolvimento corresponde ao embrião, que se desenvolve dentro da bolsa amniótica, sob o revestimento do útero de um dos lados.

Esse estágio se caracteriza pela formação da maior parte dos órgãos internos e das estruturas externas do corpo. A maioria dos órgãos começa a se formar aproximadamente três semanas depois da fecundação, o que equivale a cinco semanas de gravidez (uma vez que o médico determina o início da gravidez a partir do primeiro dia da última menstruação da mulher, que normalmente ocorre duas semanas antes da fecundação).

  • Nessa época, o embrião se alonga, sugerindo pela primeira vez um formato humano.
  • Logo depois, tem início o desenvolvimento da área que se tornará o cérebro e a medula espinhal (tubo neural).
  • O coração e os principais vasos sanguíneos começam a se desenvolver mais cedo, por volta do 16º dia.
  • O coração começa a bombear líquido através dos vasos sanguíneos por volta do 20º dia, e os primeiros glóbulos vermelhos aparecem no dia seguinte.

Os vasos sanguíneos continuam a se desenvolver no embrião e na placenta.

Pode haver fecundação no mesmo dia da relação?

Anticoncepção On-Line :::: Literatura Recomendada NOÇÕES BÁSICAS SOBRE A GERAÇÃO DE UM NOVO SER HUMANO E A AÇÃO DA ANTICONCEPÇÃO ORAL DE EMERGÊNCIA Autor: Dr. Horácio B. Croxatto A. Presidente Instituto Chileno de Medicina Reproductiva (ICMER)

Março, 2001 O começo de um novo indivíduo (ser humano).

Está bem estabelecido que na espécie humana, e em quase todas as espécies animais, cada novo indivíduo forma-se a partir da união de um espermatozóide com um ovócito, habitualmente referido como óvulo. Esta união de células denomina-se fecundação ou fertilização.

O espermatozóide e o óvulo são células que estão vivas no momento da fertilização ou fecundação e sempre estiveram vivas porque foram originadas de outras células vivas. A união dá origem a uma nova célula, que contém material do óvulo e do espermatozóide, diferente das células de origem, e que também está viva.

Quando dois gametas humanos se unem (espermatozóide e óvulo) o zigoto, obviamente, também é humano. Portanto, a pergunta: quando começa a vida humana? não é pertinente, porque a vida humana não começa com cada indivíduo, apenas continua. Por outro lado, a pergunta: quando podemos dizer que há um novo indivíduo? é realmente pertinente.

A resposta mais simples é que o novo indivíduo já existe após completar-se a fecundação. Em que momento do ciclo menstrual ocorre a fecundação. O ciclo menstrual começa no primeiro dia da menstruação e termina com uma nova menstruação 24 a 35 dias depois, salvo se ocorrer uma gravidez nesse ciclo. Para que ocorra gravidez tem que haver fecundação, mas nem todas as fecundações resultam em gravidez.

Para que ocorra fecundação tem que ter havido ovulação e ocorrido um coito num dia próximo à ovulação, porque para haver fecundação é necessária a união de um óvulo com um espermatozóide, ambos em condições de efetuar a fecundação. Esta condição se cumpre somente quando o coito ocorre dentro dos cinco dias antes ou no mesmo dia da ovulação.

Mesmo quando se cumprem essas condições, a fecundação ocorre em não mais da metade dos casos, quer seja porque os gametas não se encontram, ou porque eles são defeituosos ou porque o encontro acontece num ambiente que impede que esta aconteça. Aproximadamente 90% dos ciclos menstruais são ovulatórios, e a ovulação pode ocorrer em qualquer dia entre o 10º e o 22º dia.

A ovulação é o processo no qual o óvulo termina o seu amadurecimento e é expelido do ovário. Uma vez ocorrida a ovulação, o óvulo tem que ser fecundado nas 24 horas seguintes. Se a fecundação não ocorrer, o óvulo inicialmente perde a capacidade de formar um novo indivíduo e depois se desintegra.

  1. Portanto, estas características do óvulo determinam que a fecundação pode ocorrer apenas em um dos 13 dias entre o 10º e o 22º dia do ciclo menstrual.
  2. Quanto tempo depois de um coito ocorre a fecundação Muitas pessoas pensam ou acreditam que a fecundação acontece durante ou imediatamente após a relação sexual, mas não é assim.

Depois de um coito, os espermatozóides podem permanecer no aparelho genital da mulher, mantendo a sua capacidade fecundante, até seis dias. Se o coito ocorrer cinco dias antes do dia da ovulação, a fecundação ocorrerá seis dias após o coito. Se o coito ocorrer no mesmo dia da ovulação, a fecundação pode ocorrer dentro das próximas 24 horas.

Ou seja, a fecundação pode ocorrer em qualquer um dos seis dias seguintes ao coito. Portanto, nem todos os indivíduos iniciam sua existência no dia seguinte ao dia do coito. O desenvolvimento do zigoto desde a fecundação até a implantação A fecundação ocorre, habitualmente, na trompa de Falópio, que é o conduto que comunica o ovário com a cavidade uterina.

O zigoto resultante da fecundação é uma célula que tem o potencial de se desenvolver até o ser humano, constituído por bilhões de células, da mesma forma que uma semente pode chegar a ser uma árvore, através de um processo de crescimento e desenvolvimento.

  1. Contudo, a semente pode chegar a ser uma árvore, mas ainda não é árvore, da mesma forma que um ovo de galinha também pode chegar a ser uma galinha.
  2. O zigoto humano também pode chegar a ser um ser humano, mas para isso precisa crescer e se desenvolver.
  3. Aproximadamente três a quatro dias após a fecundação, se o zigoto desenvolve-se normalmente, está constituído por oito a dez células e alcança a cavidade uterina, onde continua a desenvolver-se, imerso no líquido da cavidade uterina.

Imediatamente antes da implantação o blastocisto tem aproximadamente 200 células, a maioria das quais formarão a placenta e outros anexos embrionários que serão posteriormente descartados. Apenas sete a dez por cento das células do blastocisto formarão o embrião.

  • Até este momento, não é possível a mulher reconhecer que tem um novo indivíduo no seu útero.
  • No sétimo dia após a fecundação, o blastocisto humano implanta-se na camada celular que recobre a cavidade uterina, chamada endométrio.
  • Para que isso ocorra, é preciso que o endométrio esteja num estado receptivo pela ação dos hormônios do ovário, que são o estradiol e a progesterona.
See also:  Qual O Sonho Da Cobra?

A implantação consiste no processo no qual o blastocisto perfura o endométrio, penetra-o e forma um ninho no seu interior. A implantação completa-se quando o endométrio recobre o embrião e envolve-o totalmente. A partir da implantação, o corpo materno reconhece que há um novo indivíduo em desenvolvimento e começa a reagir à sua presença.

Por essa razão, a Organização Mundial da Saúde (OMS), considera que a gravidez, que é uma condição da mãe, não do novo indivíduo em desenvolvimento, começa após completar-se a implantação. A reação do corpo materno deve-se, pelo menos em parte, à secreção de gonadotrofina coriônica, hormônio produzido pelas células que constituirão a placenta.

Este hormônio atinge a circulação sanguínea materna e age sobre o ovário impedindo que ocorra a menstruação. O desenvolvimento do embrião a partir da implantação. A menstruação é o desprendimento do endométrio, acompanhado de sangramento, que acontece por causa da falta de produção de progesterona por parte do ovário.

  • Quando não acontece uma gravidez, isso ocorre mais ou menos 14 dias depois da ovulação.
  • Se a menstruação ocorrer após a implantação do blastocisto, este é expulso junto com a menstruação.
  • Para evitar que isso ocorra, o blastocisto emite um sinal para o organismo materno, para que o ovário continue produzindo progesterona, hormônio indispensável para que o blastocisto possa se implantar e para a manutenção da gravidez.

Por isso, quando o blastocisto implantado continua seu desenvolvimento não se produz a menstruação. A falta da menstruação, o atraso menstrual, habitualmente é o primeiro indício de que a mulher está grávida. Nesta etapa o embrião está se formando. Do ponto de vista biológico, ainda é um indivíduo incipiente pois carece de cérebro, coração, e de outros órgãos que o feto, o recém-nascido e o adulto têm.

Seu desenvolvimento é mínimo e não possui o substrato biológico indispensável para ter sensações, emoções, pensamentos ou desejos. Entretanto, está dotado de uma grande capacidade para continuar se desenvolvendo e, eventualmente, chegar a ter os órgãos e funções que lhe permitirão existir como pessoa humana.

As falhas naturais ou espontâneas da procriação humana. Na mulher, aproximadamente 50% dos zigotos são eliminados espontaneamente, antes que haja atraso menstrual. Nesses casos, a mulher não chega a notar que teve um zigoto no seu interior. Se acompanharmos 100 casais que têm relações sexuais livremente e que não usam anticoncepção, poderemos detectar sinais de fecundação em mais de 50 das mulheres cada mês, mas apenas cerca de 20 estarão grávidas, proporção que será muito semelhante nos meses seguintes.

Isto significa que em 50% dos ciclos ocorre fecundação mas somente 20% resultam em gravidezes porque mais da metade dos zigotos se perdem espontaneamente antes do atraso menstrual e antes que a mulher possa ter noção do fato. O que acontece com os espermatozóides depois de um coito normal. Num coito depositam-se centenas de milhões de espermatozóides na vagina.

Nas melhores condições, milhares deles entram no colo uterino e permanecem neste local. Somente algumas centenas sobem rapidamente até a trompa de Falópio, mas estes não têm capacidade fecundante. Aqueles que ficaram no colo do útero deixam gradativamente o local em grupos e sobem até as trompas nos dias sucessivos.

  • Desses grupos, alguns espermatozóides aderem-se, durante horas, às células da mucosa tubária, onde adquirem a capacidade fecundante.
  • Após adquirirem a capacidade fecundante liberam-se das células da trompa e mantêm a capacidade fecundante por poucas horas ou minutos, nos quais devem encontrar o óvulo e penetrá-lo.

Por isso é necessário que continuem chegando novos espermatozóides que os substituam até que aconteça a ovulação. A migração até o sítio da fecundação nunca pode durar mais de seis dias depois de um coito. Entretanto, a vitalidade do óvulo é muito mais curta, de algumas horas apenas.

Métodos anticoncepcionais de emergência. O termo anticoncepção hormonal oral de emergência (AE), engloba vários tipos de pílulas anticoncepcionais, que podem ser usadas até três dias depois de um coito desprotegido, para evitar a gravidez indesejada. Têm sido utilizadas pílulas contendo uma combinação de estradiol e levonorgestrel ou pílulas contendo apenas levonorgestrel.

Ambos os sistemas contêm os mesmos hormônios que são usados habitualmente para anticoncepção. A diferença reside no fato que a dose da AE deve ser tomada em um período curto de tempo e essa dose é maior que a dose diária dos anticoncepcionais orais que são tomados durante todo o ciclo.

As pílulas apenas de levonorgestrel, as únicas registradas no Brasil, são mais efetivas para prevenir a gravidez e apresentam menos efeitos secundários que as combinadas (o método de Yuzpe não é registrado no país). As pílulas para AE registradas no Brasil são inócuas e não têm contra-indicações médicas.

Estão aprovadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e pelas agências reguladoras de medicamentos na Europa, nos Estados Unidos, em muitos países asiáticos, além de num número crescente de países latino-americanos. Essas agências exigem que os produtos sejam submetidos a rigorosa revisão da sua segurança e eficácia antes de serem aprovados.

  1. A AE evita a gravidez nos casos em que não se utilizou nenhum método antes do ato sexual, quando há suspeita de falha do método usado (ruptura de condom), e nos casos de estupro.
  2. Na maioria dos países, as normas do manejo dos casos de estupro ou violação incluem o uso da AE.
  3. Nos países onde não é assim, as mulheres que sofreram violência sexual (estupro ou violação), estão condenadas a assumir o risco de ficarem grávidas.

Estima-se que após um coito único, a porcentagem de gravidez é de 8%. Se a mulher toma as pílulas de levonorgestrel na dose recomendada (750 mcg cada 12 horas, duas vezes), nas primeiras 72 horas após o coito, a possibilidade de engravidar é apenas 1%.

  1. Isso quer dizer que o levonorgestrel, nessas condições, evitará o 85% das gravidezes que teriam acontecido.
  2. Quando o levonorgestrel é tomado antes de completar 24 horas do coito evita quase 100% das gravidezes (99,5%).
  3. Quando o levonorgestrel é tomado às 72 horas, a taxa de gravidez aumenta 10 vezes.
  4. Portanto, a eficácia deste método é maior quanto menor seja o tempo entre o coito e a tomada da primeira dose de levonorgestrel, o que faz com que seja muito difícil ou impossível sustentar que o mecanismo de ação seja posterior à fecundação.

O que acontece depois de tomar a pílula de anticoncepção de emergência. Quando uma mulher toma a pílula de anticoncepção de emergência dentro das primeiras 72 horas após o coito, é possível que esta impeça a ovulação, que interfira com a migração dos espermatozóides do colo à trompa, ou que interfira com o processo de adesão e capacitação dos espermatozóides nas trompas.

  1. É através destes mecanismos que a AE impede a fecundação.
  2. Se a fecundação já ocorreu quando a mulher toma a pílula, tem 50% de probabilidade de que o zigoto se implante e a gravidez ocorra, já que essa é probabilidade espontânea de implantação.
  3. Se o zigoto é normal e viável, a pílula não impedirá nem alterará seu desenvolvimento, já que o levonorgestrel é um progestogênio sintético que tem efeito protetor sobre a gravidez.

Isso explica porque o método é progressivamente menos eficaz quanto mais tarde seja utilizado, até 72 horas. Depois de cinco dias do coito, quando é provável que esteja acontecendo a implantação, o efeito da pílula é praticamente zero. Ou seja, a pílula de levonorgestrel não impede a implantação.

Os progestogênios sintéticos são moléculas muito semelhantes à progesterona e agem da mesma forma que ela. A administração de progesterona em certos momentos do ciclo menstrual inibe a ovulação e a migração espermática, mas a progesterona produzida pelo ovário, ou a que se administra depois da fecundação, favorece a implantação e a manutenção da gravidez.

Por este motivo são denominadas de progestogênios, que significa pró-gestação. O levonorgestrel, o progestagênio sintético da AE, protege a gravidez da mesma forma que a progesterona. A progesterona não é abortiva, mesmo se administrada em doses muito altas.

Pelo contrário, a progesterona é essencial para manter a gravidez. O mecanismo de ação das pílulas de AE não está ainda completamente esclarecido. Para tanto seriam necessárias pesquisas difíceis, longas e muito custosas, devido aos problemas éticos, logísticos e técnicos que teriam que ser superados.

Os dados disponíveis na literatura científica não oferecem nenhuma evidência de que o levonorgestrel evite a gravidez por um mecanismo que implique na eliminação do embrião, quer seja antes, durante ou depois da implantação. Também não existem evidências de que não o faça.

  1. A inibição da ovulação e a alteração da migração espermática são os únicos mecanismos até agora comprovados na mulher.
  2. Texto original do Dr.
  3. Horacio B.
  4. Croxatto A.
  5. Presidente Instituto Chileno de Medicina Reproductiva (ICMER) Marzo, 2001 Versão em Português por Dr.
  6. Juan Díaz e Dra.
  7. Magda Chinaglia, Population Council Brasil.

: Anticoncepção On-Line :::: Literatura Recomendada

Quanto tempo demora para engravidar depois de uma relação?

Qual a diferença entre fecundação e nidação? – A fecundação acontece após uma relação sexual sem contraceptivos durante o período fértil da mulher, cujo pico, ou o dia mais fértil, ocorre aproximadamente no 14 o dia após o primeiro da menstruação, em ciclos regulares com intervalos médios de 28 dias entre eles.

A fecundação é o momento em que um espermatozoide encontra um óvulo, normalmente nas tubas uterinas, e penetra nele. É importante lembrar que a partir da ovulação os gametas femininos permanecem viáveis por até 24h nas tubas uterinas, e os espermatozoides sobrevivem até 72h dentro do corpo da mulher.

Portanto, a fecundação pode acontecer em até 3-4 dias depois da relação sexual.

  1. A união entre os gametas masculino e feminino gera uma célula primordial (zigoto), cujo núcleo é formado pela fusão dos pronúcleos do óvulo e do espermatozoide, que contêm, cada um, metade do material genético de um ser humano.
  2. Assim, a primeira célula do embrião, composta por essa fusão, contém o material genético de um ser humano completo e começa a se dividir algum tempo depois da fecundação, enquanto se movimenta em direção ao útero, onde deve se fixar no endométrio.
  3. Nesse momento, as primeiras células ainda estão envoltas pela zona pelúcida, uma camada externa que vem da estrutura do óvulo e impede a entrada de mais de um espermatozoide durante a fecundação.

A zona pelúcida permanece no embrião e funciona para manter as suas células unidas. O primeiro acontecimento do processo de implantação do embrião é a eclosão da zona pelúcida, conhecida com hatching, seguida da fixação no endométrio, a camada que reveste a cavidade uterina. Isso ocorre por volta do 5 o ao 7 o dia após a fecundação e pode provocar sinais e sintomas em algumas mulheres.

Porque a data do ultrassom é diferente?

O que fazer se as datas do ultrassom são diferentes da DUM? – É muito comum esse tipo de situação ocorrer. As semanas calculadas pelo ultrassom não coincidem com os cálculos baseados na DUM. Desse modo, os médicos obstetras 4 a seguir uma ordem de escolha, que pode ser:

  1. Ultrassom realizado nos primeiros três meses de gestação;
  2. Data da última menstruação (DUM);
  3. Ultrassom realizado entre o 4º e 6º mês de gestação.

A divergência ocorre pois o corpo da mulher, assim como qualquer organismo vivo, não é um sistema fixo, que não atrasa ou varia suas situações. Assim, as datas calculadas por essas medidas serão próximas, mas variações são possíveis.

É possível saber quem é o pai antes de nascer?

Resposta: Sim, é possível realizar o exame de paternidade antes mesmo do nascimento do bebê. O teste pode ser feito de duas maneiras, a invasiva e a não invasiva.