O Que Acontece Com O Nariz De Quem Cheira P Fotos?

Como fica o nariz de quem cheira muito pó?

Nariz e boca – Cheirar cocaína danifica as membranas mucosas do nariz, criando um ambiente seco com menos fluxo sanguíneo. Isso pode danificar seriamente os tecidos moles e a cartilagem, e o uso pesado pode fazer com que uma pessoa perfure o septo, levando ao colapso da estrutura nasal.

Como saber se a pessoa está cheirando pó?

Alterações na rotina – Um dependente químico pode apresentar alterações também em seu metabolismo. Assim, sinais do abuso de drogas podem aparecer na alimentação: os mais evidentes são a falta ou o excesso de apetite. O semblante de um dependente químico também costuma refletir o abuso de drogas.

Como fica os lábios de quem usa cocaína?

Problemas na dentição – Ao entrar em contato com os dentes e a gengiva, a cocaína se transforma em uma solução ácida, que provoca a erosão do esmalte dental. Isso quer dizer que o tecido duro que protege os dentes é prejudicado, o que pode causar dor e sensibilidade, além de comprometer a aparência.

Segundo estudos, as principais alterações bucais dos usuários de cocaína são gengivite necrosante aguda, laceração gengival, graves problemas periodontais e até a perda dos dentes. O palato, popularmente conhecido como céu da boca, também tem chances de sofrer alterações como perfurações e fístulas.

Esses problemas prejudicam tanto a articulação da fala quanto o regime alimentar do paciente. O consumo da droga causa, ainda, um descontrole da musculatura mandibular, o que leva o usuário a ter o impulso de morder — como consequência, há o surgimento de pequenas rachaduras nos dentes, que podem se intensificar e resultar na perda deles.

O que a cocaína faz com o olfato?

Cocana O que a cocana? A cocana uma substncia que estimula fortemente o sistema nervoso central e extrada de uma planta chamada Erytroxylon coca ou simplesmente coca. Topo A cocana, o crack, a pasta da coca, a merla (ou mela), a farinha ou p, so todos a mesma coisa? Todos estes nomes indicam diferentes preparaes obtidas da planta coca ; portanto todos estes produtos da coca contem cocana. A pasta de coca e a merla, so produtos com muitas impurezas e a cocana que neles existe est sob uma forma que chamamos de base (cocana bsica) insolvel na gua, mas que pode ser fumada. Topo Como usada a cocana? A cocana em p (ou “farinha”), em geral, utilizada por via intranasal, ou seja, por aspirao nasal, ou ainda por via intravenosa, quando dissolvida na gua. No muito comum, mas tambm pode ser usada oralmente. possvel, tambm, fumar ( via pulmonar ) a cocana, mas no na forma de p e sim de pedra, o crack. Topo Por que usam a cocana? A cocana usada por seus efeitos prazerosos. Ela provoca grande euforia e um prazer de difcil descrio. Alm disso, seu uso atrativo visto levar as pessoas a “perderem” medos e proporcionar sensaes de poder. Mas estes efeitos permanecem por um curto perodo. Aps isso a pessoa entra em contato com a realidade, o que pode gerar depresso e nsia por nova dose da droga. Topo Quem so as pessoas que usam a cocana? Os indivduos que usam ou abusam da cocana podem ser encontrados em todos os grupos raciais, geogrficos e profissionais. No passado, o uso de cocana costumava ser associado a certos profissionais como executivos, artistas e atletas. Topo Quantos usam a cocana? Em se tratando de uma droga ilegal, torna-se difcil especificar um nmero correto de usurio de cocana. Em levantamento sobre o uso de drogas entre estudantes de 1 e 2 graus em 10 capitais brasileiras, realizados pelo CEBRID em 1997, observou-se aumento do uso na vida de cocana em oito capitais e do uso freqente em seis.

As estatsticas indicam que 2% da amostra brasileira de estudantes j fez uso de cocana em algum momento da vida e 0,8% faz uso freqente desta droga. Estes dados no so muito grandes (vrias vezes menor do que ocorre nos Estados Unidos) mas chega a preocupar. Em termos de crack, difcil detectar sua presena numa populao escolar visto que aqueles que comeam a usar este tipo de droga perdem qualquer vnculo escolar, j que a dependncia do! crack muito severa.

Mas a anlise da populao de meninos de rua em seis capitais brasileiras, em 1997, revelou que o crack mostra-se extremamente significativo em So Paulo, onde 47% dos entrevistados j fizeram uso pelo menos uma vez de tal substncia. Topo O que a cocana faz no corpo aps uma dose (efeitos fsicos agudos)? Os efeitos fsicos do uso de cocana envolvem aumento do nmero de batimentos do corao e da presso arterial, aumento da temperatura corprea e pupilas dilatadas. Em casos agudos de intoxicao, a estimulao central profunda leva a convulses e arritmias ventriculares (o corao bate descompassadamente) e com disfuno respiratria que podem levar morte. Topo O que a cocana faz no corpo com o uso contnuo (efeitos fsicos crnicos)? Existem inmeras complicaes fsicas associadas ao uso crnico da cocana. Os distrbios mais freqentes so os cardiovasculares, incluindo distrbios no ritmo cardaco e ataques do corao. A cocana provoca ainda efeitos respiratrios como dor no peito e dificuldade respiratria, alm de efeitos gastrointestinais como dores e nuseas.

Importante ressaltar que o aparecimento de problemas pelo uso crnico ir depender da via de administrao. Por exemplo, problemas nasais, como ruptura do septo nasal e perda do olfato, aparecem com aspirao crnica da cocana. Distrbios cardiovasculares aparecem em todas as vias de administrao. No uso de crack h complicaes respiratrias ainda! maiores envolvendo bronquite, tosse persistente e disfunes severas.

A via endovenosa, alm de aumentar o risco de overdose, propicia disseminao de infeces tais como hepatite B e C e AIDS. Alm disso, o uso crnico de cocana, sob qualquer forma de uso, leva a uma degenerao dos msculos esquelticos, num processo irreversvel chamado rabdomilise. Topo O que a cocana faz com a mente aps uma dose (efeitos psquicos agudos)? A cocana causa uma excitao geral do organismo. Ela melhora o estado de alerta, os movimentos, acelera os pensamentos, tira o sono e suprime o apetite. Isto ocorre por sua ao no Sistema Nervoso Central, interferindo com as reaes qumicas do crebro.

O usurio tem uma sensao de poder, fora e euforia. Mas a pessoa fica tambm irrequieta, tremula e impaciente. Devido inquietao comete muitos erros mentais, como por exemplo, fazer clculos. A durao destes efeitos depende da via de administrao da droga. Quanto mais rpida a absoro, mais intensa a sensao de prazer.

Por outro lado, quanto mais rpida a absoro, menor a durao dos efeitos. Alm da sensao de prazer, a droga leva a temporria perda do apetite e do sono, torna a pessoa mais comunicativa. Topo O que a cocana faz com a mente com o uso contnuo (efeitos psquicos crnicos)? O uso crnico e compulsivo da cocana leva a conseqncias psicolgicas, representadas por distrbios psiquitricos. Depresso, ansiedade, irritabilidade, distrbios do humor e parania (“nia”; sentir-se perseguido, vigiado, etc) so as queixas de ordem psicolgica mais comuns.

  • Entre outros problemas esto agressividade, delrios (principalmente os delrios persecutrios, onde a pessoa acredita que os outros esto tramando contra ela ou falando mal, etc) e alucinaes (ver ou ouvir objetos e sons inexistentes).
  • Quando a dependncia se estabelece de forma significativa h perda do interesse por tudo que no estabelea relao com uso da droga.

O usurio vive para usar a droga. Topo O uso da cocana afeta o rendimento escolar? Em geral, as pessoas que passam a fazer uso freqente da cocana passam a ter dificuldade de concentrao e perdem todo e qualquer interesse pelos estudos, pelos amigos e familiares. Assim, todo o rendimento escolar prejudicado. No caso de envolvimento com crack ainda mais comum o abandono dos estudos. Topo O uso da cocana leva ao consumo de outras drogas? No existem, atualmente, trabalhos cientficos que estabeleam uma relao entre o uso de diferentes drogas. O que possvel constatar que o uso de lcool e maconha, entre os usurios de crack, muito comum, visto moderarem os efeitos desagradveis da cocana. Topo Voc reconhece quando algum usa cocana? Existem algumas evidncias fsicas que refletem o uso freqente da cocana. O usurio perde muito peso em pouco tempo e apresenta um aspecto frgil e doente. Devido a insnia, apresenta, tambm, olheiras profundas. Alm disso possvel identificar alguns sinais mais sutis como: boca seca, dilatao das pupilas, olhar perdido, alucinaes, narinas irritadas (no caso de aspirao) ou queimaduras nos lbios, na lngua e no rosto pela proximidade da chama do cachimbo (para crack). Topo A cocana usada como medicamento? A cocana um potente anestsico local. Ela chegou a ser utilizada como medicamento at o incio do sculo XX, para vrios males. Ela j foi utilizada em cirurgias oculares (gotejando-se no olho como anestesia reversvel da crnea), dentrias e auditivas. Atualmente no tem uso mdico. Topo Existe algum problema relacionado ao uso de cocana na gravidez? Sim. Bebs nascidos de mes que abusaram de cocana durante a gravidez geralmente nascem de partos prematuros, com baixo peso e estatura e circunferncia craniana menor que o normal. H ainda altas taxas de malformao congnita e mortalidade perinatal. Topo As pessoas ficam dependentes da cocana? Sim! A cocana uma droga com alto poder de gerar dependncia. Uma vez tendo experimentado a cocana existem pessoas que no podem mais determinar ou controlar a extenso com que iro continuar usando a droga. No caso da cocana em p no existe um tempo definido para o estabelecimento da dependncia; mas no caso do crack a dependncia tende a surgir logo nas primeiras “pipadas”(ato de fumar o cachimbo contendo o crack), Topo As pessoas podem para de usar a cocana? Sim! Algumas pessoas conseguem parar de usar a cocana por conta prpria, sem necessidade de interveno de profissionais especializados, o que raro. O mais comum deixar o uso aps tratamento. A quantidade de cocana consumida, a regularidade e a via de administrao so fatores importantes na escolha de um tratamento. Topo H desenvolvimento de tolerncia com a cocana? Sim! O uso contnuo de cocana gera uma tolerncia droga. Os usurios vo aumentando a dose para sentir os mesmos efeitos. Topo O que acontece se uma pessoa for surpreendida usando cocana? No Brasil, usar ou traficar droga crime. Para um usurio a lei prescreve seis meses a dois anos de deteno e se aplica a qualquer forma de uso da cocana. Topo O que acontece se uma pessoa for surpreendida levando cocana para usar junto com os amigos? A lei n 6368, de outubro de 1976, chamada de “lei antitxico”, no seu artigo 12, classifica como traficante de droga tanto a pessoa que possui laboratrios clandestinos que fabricam a cocana como aquela que simplesmente a oferece a um amigo, ainda que gratuitamente. Topo A cocana afeta a memria? O uso de cocana afeta a memria recente, prejudicando informaes recebidas sob o efeito da droga. Topo A cocana tem ao sobre atividade sexual? Por muito tempo a cocana teve uma reputao de afrodisaco mas, atualmente, sabe-se que tal fama esta relacionada desinibio e “diverso” causada pela droga. Na realidade possvel observar que a droga, com o tempo, passa a diminuir a vontade relativa ao sexo. Top o

Quem cheira pó entope o nariz?

O que acontece com o nariz de quem aspira a cocaína Depois do uso frequente e prolongado da inalação da cocaína, o nariz do usuário pode ser severamente comprometido, ocasionando em diversos problemas, como por exemplo, a perfuração do septo nasal, provocando inúmeras infecções difíceis de serem tratadas.

Quem cheira cocaína fica com o nariz escorrendo?

Identificando um usuário de cocaína – Existem alguns sinais físicos e comportamentais que podem ajudar a identificar um usuário de cocaína. É possível notar resquícios da nas narinas ou no rosto da pessoa, mesmo que ela tenha tentado limpar. Além disso, é comum que a pessoa esteja sempre fungando ou com o nariz escorrendo, devido aos danos causados ao sinus.Em relação ao comportamento, usuários de cocaína podem parecer excessivamente hiperativos e eufóricos, falando rápido e rindo com frequência.

Em alguns casos, porém, a droga pode torná-los agressivos ou violentos. Como o efeito da cocaína é de curta duração, é comum que os usuários precisem consumi-la frequentemente para manter o estado de euforia, o que pode levar a ausências frequentes para o uso da droga. Outras mudanças que podem ser percebidas em usuários de cocaína incluem dificuldade para dormir e diminuição do apetite.

Portanto, se você notar esses sinais em alguém próximo, é importante procurar ajuda profissional para lidar com a situação de forma adequada.

Por que a cocaína entope o nariz?

Especialistas recomendam evitar a inalação em altas temperaturas e indicam a busca por apoio psicológico e médico. A inalação de drogas como cocaína e crack provocam efeitos de gravidade variada no nariz, a depender da quantidade de droga consumida. As substâncias podem causar sangramento, vermelhidão, secreção e constrição dos vasos sanguíneos; e também podem tornar a região mais suscetível a infecções, necrose dos tecidos e perda de estruturas anatômicas como o septo nasal.

Por isso, o tratamento dos pacientes deve conciliar a melhora funcional e estética do nariz e, em simultâneo, abranger questões psicológicas que motivam o consumo de drogas. É o que recomenda a otorrinolaringologista Luthiana Frick Carpes. “A cocaína representa uma agressão à mucosa do órgão. Naturalmente, temos camadas protetoras e a substância agressiva destrói os cílios – que servem para filtrar germes, bactérias e partículas indesejáveis”, informa.

See also:  Mega 3 Qual Melhor?

A médica relembra um caso bastante delicado em sua carreira. Em 2007, uma paciente de 34 anos foi internada em Porto Alegre (RS), com lesões gravíssimas no nariz. Ela foi atendida pela profissional devido à destruição do septo nasal e outras estruturas anatômicas que, inicialmente, não foram relacionadas ao uso de cocaína.

  • A paciente omitiu o uso da substância, então levou um tempo para o diagnóstico.
  • Realizamos até exames complexos como a biópsia da lesão a fim de verificar se não havia doenças relacionadas”, relembra a médica.
  • Após a confirmação do uso da substância, a paciente foi encaminhada à equipe de cirurgia plástica do hospital para a realização de cirurgias reconstrutivas com a utilização de retalhos de cartilagem.

Ela também recebeu apoio do serviço de psiquiatria para orientá-la sobre a adição. “A cocaína diminui o aporte de sangue nos vasos sanguíneos e, quando isso acontece, os tecidos que estão sendo alimentados pelo vaso são prejudicados, e podem até morrer”, explica a otorrinolaringologista.

Qual o comportamento de uma pessoa que usa cocaína?

Com o uso repetido da substância, outros efeitos imediatos vão surgindo: agressividade, perda gradual do autocontrole, diminuição crescente da força de vontade, desinteresse ao trabalho, verdadeira obstinação para conseguir por todos os meios o pó, do qual não consegue mais renunciar.

Como limpar o nariz depois de ter cheirado?

O que é bom para nariz escorrendo remédio caseiro? – Existem algumas evidências científicas limitadas que sugerem que alguns remédios caseiros podem ajudar a aliviar os sintomas de nariz escorrendo. No entanto, é importante lembrar que esses remédios não são um substituto para o tratamento médico adequado e podem não ser eficazes em todos os casos.

Inalação de vapor: A inalação de vapor pode ajudar a aliviar os sintomas de nariz escorrendo, pois ajuda a soltar as secreções nasais e reduzir a inflamação. Um estudo de 2013 publicado no International Journal of Pediatrics descobriu que a inalação de vapor pode ajudar a melhorar os sintomas de resfriado em crianças. No entanto, é importante lembrar que a inalação de vapor pode não ser segura para todas as pessoas, especialmente aquelas com problemas respiratórios subjacentes. Soro fisiológico: O uso de solução salina para lavar o nariz pode ajudar a limpar as secreções nasais e reduzir a inflamação. Um estudo de 2008 publicado no Archives of Otolaryngology-Head & Neck Surgery descobriu que o uso de solução salina para lavar o nariz pode ajudar a aliviar os sintomas de rinite alérgica. É importante lembrar que a solução salina deve ser preparada corretamente e aplicada com segurança para evitar complicações.

Conclusão Embora existam algumas evidências científicas limitadas que sugerem que alguns remédios caseiros podem ajudar a aliviar os sintomas de nariz escorrendo, é importante lembrar que esses remédios não são um substituto para o tratamento médico adequado e podem não ser eficazes em todos os casos. Se você está sofrendo de nariz escorrendo persistente

O que a cocaína causa no rosto?

Usuários de cocaína podem desenvolver deformações na pele Publicado em: 06/07/2011 Usuários de cocaína têm sido alertados por médicos sobre a possibilidade de desenvolverem uma reação que causa dor e deformidades na pele. A causa disso é uma substância chamada levamisol, que é misturada à droga.

A substância, de uso veterinário, pode causar reações alérgicas graves. Em um artigo de “The Journal of the American Academy of Dermatology”, publicado no dia 9 de junho, médicos da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, descreveram seis pacientes que desenvolveram manchas roxas e escuras após usar cocaína.

Alguns deles sofreram desfiguração permanente da orelha e muitos tiveram neutropenia, uma baixa anormal do número de glóbulos brancos. Dois dos pacientes são de Torrance, na Califórnia, e quatro de Rochester, Nova York. Eles “podem representar a ponta do iceberg de um problema de saúde pública que se agiganta”, escreveram os autores.

De acordo com o Departamento de Justiça americano, quase 70% da cocaína dos Estados Unidos é adulterada com levamisol, droga antiparasita cujo uso em seres humanos foi proibido. Em dezembro de 2009, o CDC informou que 21 usuários de cocaína dos Estados do Novo México e Washington haviam desenvolvido a agranulocitose, doença sistêmica grave.

Um dos pacientes morreu. Entre os usuários de cocaína, apenas uma quantidade pequena de pessoas desenvolverá reações graves. Contudo, para Noah Craft, dermatologista do Centro Médico Harbor-UCLA e um dos autores do relatório, “isso é como jogar roleta-russa”.

O que a cocaína faz com o rosto?

O que acontece com o nariz de quem aspira a cocaína Depois do uso frequente e prolongado da inalação da cocaína, o nariz do usuário pode ser severamente comprometido, ocasionando em diversos problemas, como por exemplo, a perfuração do septo nasal, provocando inúmeras infecções difíceis de serem tratadas.

Quem usa cocaína fica com a boca seca?

Resumo Introdução A cocaína é uma das drogas psicoativas mais usadas no mundo, é extraída das folhas da Erytroxylus coca, Seu uso abusivo pode desencadear inúmeras consequências para o corpo humano, inclusive na cavidade oral. Objetivo Identificar quais as alterações orais mais comumente encontradas nos indivíduos que fazem uso abusivo de cocaína, além das principais formas de diagnóstico e tratamento.

  1. Método Fez‐se uma revisão integrativa nas bases de dados Lilacs, BBO, LIS, Medline, SciELO, Science Direct e PubMed.
  2. Foram usados os descritores “cocaína”, “boca”, “palato” e “odontologia” junto de seus sinônimos e variações em inglês, retirados do DeCS e MeSH.
  3. Os critérios de inclusão foram artigos originais, artigos nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola, estudos que envolveram pessoas e sem restrição quanto ao ano de publicação.

Foram excluídos estudos feitos em animais, revisões da literatura, capítulos de livros, teses e dissertações. Resultados Foram identificados 1.373 registros. Desses, 22 artigos foram selecionados para compor a revisão. Diversas alterações orais causadas por uso abusivo de cocaína foram encontradas.

As principais foram perfuração do palato, predisposição para doenças periodontais, desordens temporomandibulares, bruxismo, danos aos tecidos orais, cárie dentária, lesões destrutivas da linha média facial, xerostomia e ageusia. Entre as formas de diagnóstico usadas pelos profissionais, a anamnese, exames físicos intraorais e a tomografia computadorizada da região da cabeça e pescoço foram as mais mencionadas.

Como tratamento, nos pacientes com perfuração palatina, é feita a reconstrução da área afetada ou o uso de obturadores protéticos. Conclusão O manejo desses pacientes não é tarefa fácil, pois muitos usuários sequer procuram ajuda profissional. Os profissionais da saúde devem ser capazes de reconhecer tais alterações e manifestações para que sejam feitos diagnósticos e planejamentos de tratamentos oportunos e precisos.

Palavras‐chave: Transtornos relacionados ao uso de cocaína Manifestações bucais Diagnóstico Terapêutica Odontologia Texto Completo Introdução Uma droga psicoativa é definida como um produto químico, natural ou sintético, que, quando administrado por qualquer via (inalação, ingestão, intramuscular, intravenosa), atua no sistema nervoso central e desencadeia alterações físicas e/ou psiquiátricas, provoca mudanças nas sensações ou modifica o estado psicológico, isto é, altera o comportamento do indivíduo.1 O consumo de substâncias psicoativas pode sofrer influência do contexto social dos usuários e de fatores como renda familiar, nível educacional e local de moradia.2 Nesse sentido, o abuso de drogas é considerado um problema de saúde pública devido às consequências sistêmicas e comportamentais.3,4 Entre as drogas ilícitas mais comuns e usadas no mundo encontram‐se principalmente a Cannabis sativa, conhecida popularmente como maconha.5,6 Além dessa, existem as anfetaminas, ecstasy, opiáceos e a cocaína.7 A benzoilmetilecgonina é uma droga relativamente recente entre os tipos de substâncias psicoativas usadas pelo homem ao longo dos tempos, pode ser encontrada e extraída nas folhas da planta da coca ( Erytroxylus coca ) e pode chegar ao consumidor de três maneiras: sob a forma de sal, o cloridrato de cocaína, pó ou farinha, serve, portanto, para ser aspirada ou dissolvida em água para uso endovenoso.8 Derivado da cocaína, o crack, sob a forma de uma base, transformada em pedra, é pouco solúvel em água e volatiliza quando aquecido, pode ser fumado em cachimbos.

Independentemente da forma de uso dessa droga, todos os efeitos provocados ocorrem pelo uso de ambas. Todavia, ao ser fumado tem maior potência.8 Atualmente, a cocaína é classificada como uma substância psicoativa pertencente às drogas estimulantes que alteram o funcionamento do cérebro, deixam‐no mais ativo, atuam no sistema nervoso central.9,10 O consumo dessa droga pode ser feito de diversas maneiras e uma das principais formas de administração da cocaína é por via intranasal.11 Poucos minutos após a inalação, ocorre uma sensação de euforia que dura em torno de 20 a 90 minutos.

Além disso, os usuários de cocaína podem esfregar a droga no tecido gengival devido à semelhança da arquitetura da mucosa nasal e oral e à abundante vascularização.12 Porém, nesse uso, ao ser esfregada na superfície da gengiva para que ocorra uma absorção mais eficaz, a cocaína em pó pode levar à irritação dessa mucosa.

A absorção pela mucosa de E. coca pode ocasionar lesões orais como consequência da diminuição do aporte sanguíneo devido à vasoconstrição da região afetada, o que resulta na necrose tecidual.13 Como consequência, o uso abusivo de drogas pode causar ou propiciar a ocorrência de problemas físicos, como complicações cardíacas, depressão respiratória, cirrose hepática, nefropatia, de forma indireta podem ocorrer doenças infecciosas como hepatite, Aids e tuberculose, e também pode causar incapacidade e distúrbios mentais, como depressão.

Essas condições podem progredir para estágios mais avançados e causar desordens significativas, pois os pacientes dependentes demoram a procurar atendimento médico e o fazem quando os sintomas se agravam.14 Além das consequências do uso da cocaína para a saúde geral e os efeitos sistêmicos, é preciso considerar também a ocorrência de alterações bucais nos usuários, 15 pois o uso da substância pode afetar diretamente o tecido dentário e a mucosa oral, pode causar xerostomia, alterações no fluxo salivar, erosão e abrasão do esmalte, cárie atípica, perda dentária 14 e lesões gengivais.10 Em adição, o uso regular da cocaína pode ter efeitos orofaciais graves, como perfuração do septo nasal e palato, lesão gengival e erosão da superfície dentária, além de estar associado a alterações no olfato e sinusite crônica.16 Nesse sentido, o presente estudo teve como objetivo identificar as alterações orais mais comumente encontradas nos indivíduos que fazem uso abusivo de cocaína, além de seus diagnósticos e tratamentos, disponíveis nas publicações científicas.

Método As etapas da presente revisão integrativa da literatura foram feitas independentemente por três pesquisadores seguindo de acordo com as recomendações do Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta‐Analyses (Prisma).17 Para melhor construção do presente estudo, foi usada a estratégia de formulação Pico (população, intervenção, comparação e outcome /desfecho) para enquadramento da questão.18 A partir dessa estratégia a seguinte pergunta foi formulada: “Quais são as lesões mais encontradas na cavidade oral dos usuários que fazem uso abusivo de cocaína?” Estratégia de busca A busca para obtenção dos estudos foi feita de setembro a novembro de 2020, nas bases de dados Lilacs, BBO, LIS e Medline via portal da Biblioteca Virtual de Saúde (BVS), Scientific Eletronic Library Online (SciELO), Science Direct e Medline via PubMed.

Foram usadas combinações variáveis dos descritores obtidos no DeCS (Descritores em Ciências de Saúde) e MeSH ( Medical Subject Headings ) nas línguas inglês e português ( tabela 1 ). Critérios de elegibilidade dos estudos Foram incluídos estudos que apresentaram resultados referentes às lesões encontradas na cavidade oral dos usuários abusadores de cocaína.

Os critérios de inclusão foram: artigos originais, artigos nas línguas portuguesa, inglesa e espanhola, artigos de relatos de caso, estudos transversais, estudos experimentais, estudos observacionais e estudos de campo. Não houve restrição quanto ao ano de publicação.

Foram excluídos estudos feitos em animais, revisões da literatura, capítulos de livros, teses e dissertações. Seleção dos estudos Após as buscas nas bases de dados, os títulos e resumos foram listados de forma padronizada. Em seguida os artigos em duplicata foram excluídos e com base nos critérios de inclusão e exclusão foi feita a seleção inicial dos estudos com potencial para indicação de leitura de texto completo.

Em caso de desacordo um quarto revisor foi consultado e a decisão foi tomada em consenso. Os textos completos não disponíveis nas bases de dados foram requisitados diretamente a seus autores. Uma busca manual nas referências dos artigos considerados elegíveis também foi feita.

Após a leitura dos textos na íntegra e decisão pela inclusão dos artigos no presente estudo, os resultados mais relevantes foram extraídos para análise sequencial. Resultados A busca eletrônica e manual resultou na identificação de 1.373 textos. Desses, após exclusão inicial por títulos e resumos, 26 artigos foram selecionados de acordo com os critérios de elegibilidade.

Finalmente, após leitura na íntegra, 22 artigos foram incluídos. O fluxograma da pesquisa pode ser observado na figura 1, Os aspectos gerais dos 22 artigos selecionados podem ser verificados na tabela 2, O número de indivíduos nos estudos variou de no mínimo um participante (relatos de caso) até o máximo de 212 participantes.

  • A idade média dos indivíduos que participaram nas pesquisas variou de 13 a 70 anos.
  • Quanto ao tipo de estudo, entre os 22 analisados, 13 eram relatos de casos, 20–23,28–34,36,38,39 5 estudos transversais, 15,19,26,35,37 um estudo experimental, 24 2 estudos observacionais, 26,35 um estudo de campo.25 Apesar de as revisões da literatura serem um critério de exclusão, 2 estudos 20,31 foram incluídos pois apresentavam mais de um tipo metodológico, eram relatos de caso que continham revisões de literatura na sua metodologia.
See also:  Qual MSica?

Diversas alterações orais causadas por uso abusivo de cocaína foram encontradas nos estudos: perfuração do palato, 20,22,26–29,31,33,34 desordens temporomandibulares (DTM), 25,33 bruxismo, 25,33 predisposição para doenças periodontais, principalmente a gengivite, 24–26,35 danos aos tecidos orais, 19,24 experiência de cárie, 24–26,33 lesões destrutivas da linha média facial, 21,23 xerostomia 19,33,39 e ageusia.24 Na maioria dos estudos o uso de cocaína foi feito de forma associada com outras drogas.

Em apenas 10 estudos o uso de cocaína foi descrito de forma isolada.22,23,27,29–31,33,34,36,38 Foram encontradas ainda alterações no tecido mole, 15,37 respostas inflamatórias, 15,19 aumento da queratinização do epitélio.15 Entre as formas de diagnóstico usadas pelos profissionais para a identificação das enfermidades orais, anamnese, 31,34 exames físicos intraorais, 20,22,23,25,29,32,33,35 tomografia computadorizada (TC) da região da cabeça e pescoço, 21–23,28,31–33 exames histopatológicos 19,32,38 e testes com sabor 24 foram as mencionadas.

No que tange aos tratamentos, alguns autores afirmaram que se deve levar em consideração a manifestação oral que o paciente apresenta e a partir dela determinar qual a melhor forma de tratamento que pode ser feita. Em pacientes que apresentam perfuração palatina, normalmente a reconstrução da área afetada é necessária e foi feita através de retalhos da mesma região palatal ou não, 20,21,23,27,34 uso do tecido adiposo da bola de Bichat 34 ou de obturadores protéticos, 20,21,27,29,32,33 reconstituição cirúrgica da linha média da face 23 ou ainda estimulantes salivares.19 Discussão Esta revisão integrativa abordou as alterações orais mais comumente encontradas nos indivíduos que fazem uso abusivo de cocaína.

  1. Os estudos incluídos foram em sua maioria do tipo relatos de caso e estudos transversais.
  2. Os resultados demonstraram que os tipos mais frequentes de alterações orais foram perfuração do palato, 20,22,26–29,31,33,34 bruxismo, 25,33 doenças periodontais, 24–26,35 experiência de cárie.24–26,33 As principais estratégias usadas para exame e diagnóstico foram exames físicos intraorais 20,22,23,25,29,32,33,35 e TC.21–23,28,31–33 Apenas alguns autores mencionaram estratégias para reabilitar ou repor tecidos orais parcial ou completamente destruídos pelo uso da cocaína.20,21,23,27,34 No tocante às manifestações orais mais comuns é preciso considerar que devido à cocaína ter um alto poder vasoconstrictor, é possível que seu uso leve à isquemia em tecidos moles e duros da cavidade oral e consequentemente à necrose.20 Tal processo destrutivo pode causar úlcera ou perfuração no palato duro e mole e culmina numa comunicação oronasal e consequente voz nasalizada, 23,25,32 dificuldades ao comer e beber, 20,39 além de regurgitação nasal.20,22,27,29,31 Essas foram as principais motivações para levar o paciente a procurar ajuda profissional.

Contudo, alguns estudos mencionaram que parte dos usuários não permitiram essa identificação por permanecer na negação do uso das drogas, a fim de evitar a internação ou julgamentos.20,21 As perfurações podem acontecer durante o período abusivo da droga ou até mesmo após anos de sobriedade do indivíduo.

Para isso, é necessário que haja um processo inflamatório, por meio de infecções bacterianas, virais 40 ou fúngicas, que normalmente também estão associadas a perda do paladar.24 Além dessas, doenças inflamatórias associadas à doenças sistêmicas 21,30 ou agressões físicas ou químicas podem ser relacionadas a esse tipo de alteração.

No caso relatado por Dovigi e Natarajan, 28 um indivíduo que tinha uma grande perda óssea no palato e septo nasal advinda dos anos em que era usuário de cocaína, ao queimar o “céu da boca” teve o aparecimento de uma comunicação oronasal, que o impossibilitou de se alimentar confortavelmente, pois tudo invadia sua passagem nasal.

No que diz respeito às comunicações oronasais, a literatura aponta que elas podem ser pequenas de forma circunstancial, 20,28,31 extensas 23 ou também múltiplas.29,33,39 Por estar anatomicamente muito próximas da região do palato e ter uma vascularização cartilaginosa carente, é possível também serem comumente acompanhadas de perfurações e destruição do septo nasal.22,30–32 Além das consequências já mencionadas, pacientes viciados em cocaína podem apresentar também distúrbios musculares e, portanto, uma possível disfunção temporomandibular (DTM).33 Chaparro‐González 25 corrobora esse achado ao identificar que usuários de drogas como cocaína, metanfetamina e opiáceos sofrem de bruxismo, o que resulta em maior frequência de DTM.

Uma avaliação da presença de hábitos orais prejudiciais na amostra analisada mostra que 59,4% tinham bruxismo e 37,5% apresentavam onicofagia.25 A forma de uso da cocaína pode ser variável e a aplicação direta de cocaína na gengiva é uma delas. Esse tipo de aplicação é usado como um teste de pureza da substância e pode causar recessão gengival, ulceração e necrose.20,36 Em um estudo observacional revelou‐se que nenhum dos adictos tinha periodontite.

Entretanto, 28 dos 43 pacientes apresentavam alguma forma de doença gengival. Do total de acometidos, 5 apresentaram gengivite leve, 17 gengivite moderada e 6 gengivite com bolsa de acordo com o índice de Russel.35 A respeito das manifestações orais em dependentes químicos, a condição mais frequente em tecidos duros orais é uma alta prevalência de cárie, 25 devido ao fato de os usuários de droga negligenciavam sua higiene bucal.24,26 Foi observada uma redução significativa do fluxo salivar entre os usuários de cocaína, com relatos de xerostomia.19,33,39 Ademais, foram descritos casos de ageusias, quando comparados viciados e não usuários, houve uma perda em especial para os sabores doces, amargos e salgados, nos dependentes, indicou que o uso abusivo de cocaína traz alterações salivares e gustatórias, 24 devido ao dano causado a receptores gustativos, seja de forma direta ou por meio de processos secundários, produção e composição alterada da saliva e elementos da mucosa, mudanças no processamento de informações sensoriais relacionadas ao palato e córtex 24 e secura da mucosa oral.19,33,39 Para identificação das lesões do palato, o exame físico é o meio mais rápido e eficiente.25,29,35 Para planejamentos individuais, exames bidimensionais não devem ser a única forma de diagnóstico, o uso de imagens tridimensionais se faz essencial, uma vez que os pontos de referências, linhas e planos facilitam uma melhor compreensão de casos de maior gravidade.41,42 Quando necessário, para comprovação da extensão das lesões e ter um melhor conhecimento de sua localização, TC de cabeça e pescoço pode ser requisitada, 20,22,23,32,33 para evidenciar as relações estruturais em profundidade, mostrar imagens do corpo humano de maneira individualizada, o que reduz a sobreposição de estruturas, obtém‐se uma imagem clara.43 Ainda nesse contexto, é importante ressaltar que uma boa anamnese pode direcionar melhor o profissional para um diagnóstico e tratamento mais assertivos.31,44 Como as lesões investigadas no presente estudo são associadas ao uso de substâncias ilícitas, por vezes o usuário/paciente pode negar o uso delas, 21 o que dificulta o diagnóstico e atrasa o início da terapêutica.

Além de tomografia, podem ser usados exames histopatológicos de biópsias incisionais dessas lesões, por meio das quais, muitas vezes, é possível notar a existência de características inflamatórias agudas, crônicas e necrosantes, 19,32 ou ainda sem características necrosantes.38 Tais exames podem ser de extrema importância no diagnóstico clínico, pois diferentes tipos de doenças causam lesões destrutivas na cavidade oral similares às lesões ocasionadas pelo uso de cocaína.31 A incidência de perfurações palatinas causadas pelo uso de cocaína tem probabilidade de aumentar, quando não tratadas.20 Defeitos mais extensos podem prejudicar diretamente funções como fala e mastigação.

Entretanto, próteses obturadoras podem minimizar esses problemas por ser uma forma conservadora e não invasiva de tratamento.20 Outra terapia possível é a de natureza cirúrgica.20,21,23,27,34 Contudo, observa‐se que o tratamento com próteses obturadoras como medida paliativa e menos invasiva torna‐se suficiente.28,33,39 Em casos específicos de lesão destrutiva de linha média de face, causadas pelo abuso de cocaína, 23 são recomendados procedimentos cirúrgicos de reconstrução.

Essa reconstrução cirúrgica pode ser especialmente indicada quando o defeito é no palato mole.27 Em casos onde há comprometimento dos tecidos do palato duro e palato mole, existe uma opção na qual ocorre a remoção dessas estruturas e posterior substituição por uma prótese, parte dela de acrílico para palato duro e a outra feita de um material de revestimento resistente e maleável para ficar no local do palato mole.29 Outra opção é o uso da técnica cirúrgica de osteotomia Le Fort I e o uso do retalho do corpo de Bichat bilateral, o qual constitui um método eficaz para a correção de comunicações oronasais de pequeno e médio porte, apresenta fácil execução, com mínimo impacto na aparência estética do paciente.34 Nesse sentido, esse procedimento é uma opção eficaz para pacientes jovens e idosos, garante uma excelente abordagem intraoral, além de um ótimo resultado estético.

O presente estudo apresenta limitações que devem ser consideradas, como: os estudos usados para construção desse artigo podem não representar a população em geral, 15,19 tinham uma amostra pequena, 26,37 dificuldade de localizar os usuários exclusivos de uma única droga.37 No estudo de Cury, 26 um erro amostral de 5% foi encontrado e nenhum fator de correção foi usado, os homens viciados em cocaína foram menos cooperativos durante o exame oral e também existiu a possibilidade de viés na resposta dos questionários aplicados aos participantes.

Conclusão Inúmeras manifestações bucais causadas por uso abusivo de cocaína foram encontradas. As principais: perfuração do palato, predisposição para doenças periodontais, danos aos tecidos orais e cárie dentária. Para o diagnóstico, foram feitas diferentes abordagens, as quais refletiam diretamente no tratamento.

  • Dessa forma, torna‐se necessário que os profissionais da saúde sejam capazes de reconhecer tais alterações e manifestações para que sejam feitos diagnósticos e planejamentos de tratamentos precisos e assertivos.
  • Um programa de saúde pública voltado para o diagnóstico precoce e tratamento de lesões decorrentes do uso abusivo é vital para melhorar o estado de saúde bucal de indivíduos que fazem uso abusivo cocaína.

Conflitos de interesse Os autores declaram não haver conflitos de interesse. Referências P.C. Gigena, L.S. Cornejo, A. Lescano-de-Ferrer. Oral health in drug addict adolescents and non psychoactive substance users. Acta Odontol Latinoam., 28 (2015), pp.48-57 G.M.

  1. Muza, H. Bettiol, G.
  2. Muccillo, M.A. Barbieri.
  3. Consumo de substâncias psicoativas por adolescentes escolares de Ribeirão Preto. SP.
  4. I ‐ Prevalência do consumo por sexo, idade e tipo de substância.
  5. Rev Saúde Pública., 31 (1997), pp.163-170 A.C.
  6. Dias, M.R.
  7. Araújo, J.
  8. Dunn, R.C. Sesso, V.
  9. De Castro, R.
  10. Laranjeira.
  11. Mortality rate among crack/cocaine‐dependent patients: A 12‐year prospective cohort study conducted in Brazil.

J Subst Abuse Treat., 41 (2011), pp.273-278 J.C.M. Narvaez, K. Jansen, R.T. Pinheiro, R.A. Silva, P.V. Magalh. Psychiatric and substance‐use comorbidities associated with lifetime crack cocaine use in young adults in the general population. Compr Psychiatry., 55 (2014), pp.1369-1376 C.M.

  1. Cho, R. Hirsch, S.
  2. Johnstone.
  3. General and oral health implications of cannabis use.
  4. Aust Dent J., 50 (2005), pp.70-74 M.H. Meier, A. Caspi, M.
  5. Cerdá, R.J.
  6. Hancox, H.
  7. Harrington, R.
  8. Houts, et al,
  9. Associations between cannabis use and physical health problems in early midlife a longitudinal comparison of persistent cannabis vs tobacco users.

JAMA Psychiatry., 73 (2016), pp.731-740 Queiroz VE. A questão das drogas ilícitas no brasil. Monogr (Curso Ciências Econômicas) – UFSC, Florianóp. Published online 2008.I.B. Muakad. A cocaína e o crack: as drogas da morte. Rev da Fac Direito, Univ São Paulo., 106 (2012), pp.465 L.F.

Araújo, B. Gontiés, J. Nunes Junior. Representações sociais da cocaína: estudo comparativo entre universitários das áreas de saúde e jurídica. Estud Psicol., 24 (2007), pp.315-323 C.J. Blanksma, H.S. Brand. Cocaine abuse: Orofacial manifestations and implications for dental treatment. Int Dent J., 55 (2005), pp.365-369 The significance of cocaine use to dental practice.

N Y State Dent J., 76 (2010), pp.36-39 Cocaine periodontitis. Int J Periodontics Restorative Dent., 11 (1991), pp.72-79 I.E. Woyceichoski, E.P. de Arruda, L.G. Resende, M.A. Machado, A.M. Grégio, L.R. Azevedo, et al, Cytomorphometric analysis of crack cocaine effects on the oral mucosa.

  1. Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol Endod., 105 (2008), pp.745-749 H.
  2. Shekarchizadeh, M.R.
  3. Hami, S.Z.
  4. Mohebbi, H.
  5. Ekhtiari, J.I. Virtanen.
  6. Oral health of drug abusers: A review of health effects and care.
  7. Iran J Public Health., 42 (2013), pp.929-940 R.P.
  8. Antoniazzi, F.B.
  9. Lago, L.C.
  10. Jardim, M.R.
  11. Sagrillo, K.L.

Ferrazzo, C.A. Feldens. Impact of crack cocaine use on the occurrence of oral lesions and micronuclei. Int J Oral Maxillofac Surg., 47 (2018), pp.888-895 G.K. Saini, N.D. Gupta, K.C. Prabhat. Drug addiction and periodontal diseases. J Indian Soc Periodontol., 17 (2013), pp.587-591 D.

  1. Moher, A. Liberati, J.
  2. Tetzlaff, D.G.
  3. Altman, P. Grp.
  4. Preferred reporting items for systematic reviews and meta‐analyses: The PRISMA Statement (Reprinted from Annals of Internal Medicine).
  5. Phys Ther., 151 (2009), pp.873-880 C.M.C.
  6. Santos, C.A.M.
  7. Pimenta, M.R.C. Nobre.
  8. The PICO strategy for the research question construction and evidence search.
See also:  Qual A Pessoa Mais Velha Do Mundo?

Rev Lat Am Enfermagem., 15 (2007), pp.508-511 R.P. Antoniazzi, A.R. Sari, M. Casarin, C.M.B. Moraes, C.A. Feldens. Association between crack cocaine use and reduced salivary flow. Braz Oral Res., 31 (2017), pp. e42 M.K. Bains, M. Hosseini-Ardehali. Palatal perforations: Past and present Two case reports and a literature review.

Br Dent J., 199 (2005), pp.267-269 O.M. Barrera, V.M. Rivera, U.J. Vela, M.R. Barrera, F.G. Mönckeberg. Lesiones destructivas de la línea media facial secundarias al consumo de cocaína. Caso clínico. Rev Med Chil., 146 (2018), pp.1070-1073 G.F. Blanco, M.C. Madeo, M. Martínez, M.E. Vázquez. Case for diagnosis Palate perforation due to cocaine use.

An Bras Dermatol., 92 (2017), pp.877-878 R. Brusati, F. Carota, P. Mortini, M. Chiapasco, F. Biglioli. A peculiar case of midface reconstruction with four free flaps in a cocaine‐addicted patient. J Plast Reconstr Aesthetic Surg., 62 (2009), pp. e33-e40 C.L.

  1. Chaiben, Â.
  2. Fernandes, M.C.
  3. Martins, Machado MÂN, J.A.
  4. Brancher, A.A.S. Lima.
  5. Disorders of taste function in crack cocaine addicts.
  6. Pol Przegląd Otorynolaryngologiczny., 3 (2014), pp.32-36 N.T.
  7. Chaparro-González, M.A.
  8. Fox-Delgado, R.T.
  9. Pineda-Chaparro, B.I.
  10. Perozo-Ferrer, A.R.
  11. Díaz-Amell, V. Torres.
  12. Manifestaciones bucales y maxilofaciales en pacientes con adicción a las drogas.

Odontoestomatologia., 20 (2018), pp.24-31 P.R. Cury, N.S. Araujo, M.G.A. Oliveira, J.N. Santos. Association between oral mucosal lesions and crack and cocaine addiction in men: a cross‐sectional study. Environ Sci Pollut Res., 25 (2018), pp.19801-19807 M. Cosola, M.

  • Turco, J. Acero, C.
  • Navarro-Vila, R.
  • Cortelazzi.
  • Cocaine‐related syndrome and palatal reconstruction: report of a series of cases.
  • Int J Oral Maxillofac Surg., 36 (2007), pp.721-727 A.
  • Dovigi, E.
  • Natarajan.
  • Clinical pathologic conference case 2: Palatal perforation.
  • Oral Surg Oral Med Oral Pathol Oral Radiol., 119 (2015), pp.

e292-e295 T.M. Hofstede, R.F. Jacob. Diagnostic considerations and prosthetic rehabilitation of a cocaine‐induced midline destructive lesion: A clinical report. J Prosthet Dent., 103 (2010), pp.1-5 C.B. Maia, F. Felix, V. Paes, J.A. de Azevedo, E.R. Grangeiro, J.L.

Riccio, et al, Nasal septum perforation in patient with pyoderma gangrenosum. Int Arch Otorhinolaryngol., 16 (2012), pp.278-281 R.M. Crovetto, J. Whyte Orozco, A.I. Cisneros, M.A. Crovetto de la Torre. Lesión necrotizante de la línea media con fístula oronasal causada por inhalación de cocaína. Av Odontoestomatol., 30 (2014), pp.63-67 M.P.

Rosas, C.I. Jimenez Santos, C.L. García González. Palatine perforation induced by cocaine. Med Oral Patol Oral Cir Bucal., 11 (2006), pp.153-156 E. Paradisi, M.C. Cabrero. Perforación de la bóveda palatina por consumo de cocaína: reporte de un caso. Rev Soc Odontol La Plata., 30 (2020), pp.9-12 S.

  1. Pelo, G. Gasparini, A.
  2. Di Petrillo, S.
  3. Tassiello, G.
  4. Longobardi, R. Boniello.
  5. Le Fort I osteotomy and the use of bilateral Bichat bulla adipose flap: An effective new technique for reconstructing oronasal communications due to cocaine abuse.
  6. Ann Plast Surg., 60 (2008), pp.49-52 H.R.
  7. Candina, A.H.
  8. Batista, A.M.

Betancourt. Periodontopatías en jóvenes y adolescentes adictos a drogas psicoactivas, atendidos en el centro de deshabituación de adolescentes, del municipio Playa. Rev Cuba Investig Biomed., 32 (2013), pp.178-185 J.A. Shibli, E. Marcantonio, L.C. Spolidorio, E.

Marcantonio. Cocaine associated with onlay bone graft failure: A clinical and histologic report. Implant Dent., 14 (2005), pp.248-251 B.M. Sordi, R.C. Massochin, A.R. Camargo, T. Lemos, E.A. Munhoz. Oral health assessment for users of marijuana and cocaine/crack substances. Braz Oral Res., 31 (2017), pp.1-11 L.

Stahelin, S. Cristina, D.M. Souza, F.S. Neves. Lesões destrutivas da linha média induzidas por cocaína com ANCA positivo mimetizando a granulomatose de Wegener., 52 (2012), pp.4-7 N. Tsoukalas, C.D. Johnson, R.L. Engelmeier, V.F. Delattre. The dental management of a patient with a cocaine‐induced maxillofacial defect: A case report.

Spec Care Dent., 20 (2000), pp.139-142 L. Teoh, G. Moses, M.J. McCullough. Oral manifestations of illicit drug use. Aust Dent J., 64 (2019), pp.213-222 K.-R. Kim, S. Kim, S.-H. Baek. Change in grafted secondary alveolar bone in patients with UCLP and UCLA. A three‐dimensional computed tomography study. Angle Orthod., 78 (2008), pp.631-640 R.

Wörtche, S. Hassfeld, C.J. Lux, E. Müssig, F.W. Hensley, R. Krempien, et al, Clinical application of cone beam digital volume tomography in children with cleft lip and palate. Dentomaxillofacial Radiol., 35 (2006), pp.88-94 L.B.Q. Ribeiro, I.M. Crusoé-Rebello, P.S.F.

Campos, V.Á.C. Rocha. Contribuição de tomografia computadorizada de feixe cônico no diagnóstico de lesão maligna de palato mole: relato de caso. Rev Ciências Médicas e Biológicas., 11 (2012), pp.259 H.S. Brand, S. Gonggrijp, C.J. Blanksma. Cocaine and oral health. Br Dent J., 204 (2008), pp.365-369 Como citar este artigo: Melo CA, Guimarães HR, Medeiros RC, Souza GC, Santos PB, Tôrres AC.

Oral changes in cocaine abusers: an integrative review. Braz J Otorhinolaryngol.2022;88:633–41. A revisão por pares é da responsabilidade da Associac¸ão Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico‐Facial. Copyright © 2021. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial

O que a cocaína faz com o estômago?

Colite isquêmica induzida por cocaína

  • IMAGEM EM MEDICINA
  • Colite isquêmica induzida por cocaína
  • Jarbas Faraco Maldonado Loureiro I ; Roberto Mansur II ; Paulo Alberto Falco Pires Correa III ; Juliana Marques Drigo IV ; Carolina Viana Teixeira IV ; Cláudio Rogério Solak IV ; Elias Jirjoss Ilias V
  • I Médico do Serviço de Endoscopia do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo, SP, Brasil
  • II Cirurgião do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo, SP, Brasil
  • III Médico do Serviço de Endoscopia e Cirurgião do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo, SP, Brasil
  • IV Médicos Residentes do Serviço de Endoscopia do Hospital Sírio-Libanês, São Paulo, SP, Brasil
  • V Titular do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, São Paulo, SP, Brasil
  • INTRODUÇÃO

A colite isquêmica em adultos jovens é um fenômeno incomum. Dentre as etiologias não oclusivas, o uso de cocaína pode ser citado como causador desse tipo de lesão, já que é demonstrado que essa droga pode ocasionar alterações cardiovasculares, como infarto do miocárdio, arritmias e eventos cerebrovasculares, independentemente da via de consumo.

  1. As consequências gastrointestinais do uso de cocaína são pouco frequentes; porém, quando ocorrem, podem se manifestar como úlceras gastroduodenais, infarto mesentérico e isquemia intestinal.
  2. Os mecanismos propostos são multifatoriais e incluem toxicidade direta da mucosa intestinal, vasoconstrição mesentérica e alteração da agregação plaquetária, os quais geram isquemia focal.

O quadro clínico associado ao uso da droga geralmente é evidente entre 24 e 72 horas de uso consecutivo. O processo inflamatório e a isquemia são mais frequentes no cólon distal 1,2,

  1. OBJETIVO
  2. Relatar um caso de colite isquêmica em homem adulto jovem, usuário de cocaína, que se apresentou com dor abdominal e hematoquezia.
  3. RELATO DO CASO

Homem, 43 anos, com dor abdominal difusa, sem sinais de irritação peritoneal, com antecedente de uso prolongado e recente de grande quantidade de cocaína inalatória. Submetido a TC abdominal sem alterações. Melhora insuficiente com analgésicos, evoluindo com hematoquezia e discreta leucocitose após uma semana.

Realizada colonoscopia que revelou úlceras lineares e irregulares, edema e enantema no cólon sigmoide (). A biópsia evidenciou colite crônica com raros capilares ectásicos superficiais, não afastando colite isquêmica. A propedêutica cardiológica com ecocardiograma e cintilografia não mostrou alterações.

Observou-se melhora com tratamento clínico. Controle colonoscópico foi realizado após quatro meses de suporte clínico e suspensão do uso da droga, quando se evidenciou regressão total das alterações endoscópicas prévias (). DISCUSSÃO As complicações isquêmicas intestinais associadas ao uso de cocaína são raras.

  1. Estariam explicadas pela atividade vasoconstritora da droga, a qual depende de sua capacidade de manter a estimulação alfa-adrenérgica intestinal inibindo a recaptação de dopamina e noradrenalina na membrana pré-sináptica.
  2. Além disso, com o uso da cocaína há também um aumento no influxo de cálcio na membrana endotelial.

Ambos os mecanismos ocasionam vasoconstrição e consequente diminuição do aporte sanguíneo. É demonstrado que a cocaína aumenta a agregação plaquetária e a formação de trombos por meio do aumento de tromboxano A2 e diminuição de eicosanoides. Estudos em coronárias colocam em evidência o dano endotelial direto, assim como outros estudos em animais demonstram dano direto sobre a mucosa intestinal.

Na revisão de literatura observa-se que os casos de colite isquêmica secundária ao uso de cocaína independem da forma de administração da droga (endovenosa ou inalatória) e, em geral, os pacientes são consumidores frequentes e em quantidades representativas. Na grande maioria dos casos, o quadro clínico se iniciou com dor abdominal e sangramento digestivo baixo.

Nos casos em que a endoscopia digestiva alta foi realizada previamente à colonoscopia, algumas alterações endoscópicas foram notadas, como edema da mucosa gástrica, enantema difuso, ulcerações e hemorragias subepiteliais 1,2, CONCLUSÃO Em pacientes com história clínica de dor abdominal, hematoquezia e uso de cocaína, deve-se considerar a hipótese de colite isquêmica, mesmo sem evidências clínicas de alterações cardíacas ou neurológicas.

Qual o gosto da cocaína na boca?

O SKANK ou SKUNK – são plantas da maconha modificadas geneticamente e com maior concentração de droga – 7 vezes mais. COCAÍNA: é um pó branco, cristalino, de sabor amargo, deixando sobre a língua a sensação de anestesia.

Quantos gramas de cocaína um viciado usa por dia?

Os pacientes viciados em cocaína afirmaram fazer o uso diário de cerca de 3,8 gramas, em média, com variação de 1 a 10 gramas por dia.

O que acontece com quem cheira pó todo dia?

Depois do uso frequente e prolongado da inalação da cocaína, o nariz do usuário pode ser severamente comprometido, ocasionando em diversos problemas, como por exemplo, a perfuração do septo nasal, provocando inúmeras infecções difíceis de serem tratadas.

Quem cheira pó dorme muito?

Efeitos a curto prazo – A curto prazo os efeitos da cocaína são muito mais comportamentais e suas ações podem ser observadas por qualquer pessoa. Geralmente, as pessoas que estão usando cocaína, a curto prazo, apresentam agressividade excessiva e alteração significativa no apetite, como já mencionado.

Por que a cocaína emagrece?

Todas as pessoas possuem o gene descoberto, mas os cientistas acreditam que a cocaína o torne mais ativo. O gene dispara a produção de um peptídeo (substância semelhante às proteínas, mas de estrutura molecular menor) conhecido como Cart. Em testes realizados com animais, o Cart provocou a perda de apetite.

Quem cheira pó dorme muito?

Efeitos a curto prazo – A curto prazo os efeitos da cocaína são muito mais comportamentais e suas ações podem ser observadas por qualquer pessoa. Geralmente, as pessoas que estão usando cocaína, a curto prazo, apresentam agressividade excessiva e alteração significativa no apetite, como já mencionado.

Como limpar o nariz depois de ter cheirado?

O que é bom para nariz escorrendo remédio caseiro? – Existem algumas evidências científicas limitadas que sugerem que alguns remédios caseiros podem ajudar a aliviar os sintomas de nariz escorrendo. No entanto, é importante lembrar que esses remédios não são um substituto para o tratamento médico adequado e podem não ser eficazes em todos os casos.

Inalação de vapor: A inalação de vapor pode ajudar a aliviar os sintomas de nariz escorrendo, pois ajuda a soltar as secreções nasais e reduzir a inflamação. Um estudo de 2013 publicado no International Journal of Pediatrics descobriu que a inalação de vapor pode ajudar a melhorar os sintomas de resfriado em crianças. No entanto, é importante lembrar que a inalação de vapor pode não ser segura para todas as pessoas, especialmente aquelas com problemas respiratórios subjacentes. Soro fisiológico: O uso de solução salina para lavar o nariz pode ajudar a limpar as secreções nasais e reduzir a inflamação. Um estudo de 2008 publicado no Archives of Otolaryngology-Head & Neck Surgery descobriu que o uso de solução salina para lavar o nariz pode ajudar a aliviar os sintomas de rinite alérgica. É importante lembrar que a solução salina deve ser preparada corretamente e aplicada com segurança para evitar complicações.

Conclusão Embora existam algumas evidências científicas limitadas que sugerem que alguns remédios caseiros podem ajudar a aliviar os sintomas de nariz escorrendo, é importante lembrar que esses remédios não são um substituto para o tratamento médico adequado e podem não ser eficazes em todos os casos. Se você está sofrendo de nariz escorrendo persistente

Como limpar o nariz de quem cheira?

1. Faça uma lavagem do nariz – A lavagem do nariz pode ser realizada por você mesmo na sua casa. Ela deve ser feita com soro fisiológico ou com líquidos preparados para esse procedimento. Para fazer a lavagem nasal, pegue uma seringa sem agulha e coloque de 15 a 20 ml do soro fisiológico ou outro líquido específico para esse procedimento.

Qual o efeito da cocaína a longo prazo?

Os malefícios se tornam ainda mais sérios, como a destruição dos neurônios, lesões no fígado, como câncer hepático, grande chance de infarto, esquizofrenia, mau funcionamento dos rins e dos nervos, doenças psíquicas e muito mais.