Onde Descartar Lixo Eletronico?

Onde se descartar o lixo eletrônico?

Como descartar o lixo eletrônico? – De acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei nº 12.305/2010) do Brasil, a forma correta de descartar o lixo eletrônico é por meio da logística reversa e da destinação adequada. A logística reversa é o sistema que estabelece a responsabilidade compartilhada entre fabricantes, importadores, distribuidores e consumidores na gestão dos resíduos gerados pelos produtos eletrônicos.

  1. Pontos de Coleta: Procure por pontos de coleta específicos para lixo eletrônico em sua região, Eles podem ser encontrados em lojas, centros de reciclagem, cooperativas de catadores, postos de recolhimento, entre outros. Esses locais são preparados para receber e encaminhar corretamente os resíduos eletrônicos para a reciclagem ou tratamento adequado.
  2. Programas de Recolhimento: Verifique se há programas de recolhimento organizados por fabricantes, importadores ou órgãos governamentais. Muitas empresas e entidades promovem campanhas de coleta e reciclagem de lixo eletrônico, facilitando o descarte adequado para os consumidores.
  3. Postos de Assistência Técnica: Alguns postos de assistência técnica podem aceitar dispositivos eletrônicos antigos ou com defeito para encaminhá-los à reciclagem ou destinação correta. Consulte esses locais para verificar se oferecem essa opção.
  4. E-commerce: Alguns sites de comércio eletrônico também oferecem a opção de recolhimento de lixo eletrônico no momento da entrega de um novo produto, Essa prática facilita o descarte adequado e a responsabilidade ambiental.

É importante ressaltar que a responsabilidade pelo descarte adequado do lixo eletrônico não recai apenas sobre os consumidores, mas também sobre os produtores e importadores, que devem se responsabilizar pela destinação final correta dos resíduos gerados pelos produtos que comercializam.

Quanto vale 1 kg de lixo eletrônico?

Reciclar lixo eletrônico pode gerar no mínimo R$ 800 milhões ao ano e gerar 40 mil empregos diretos no Brasil 20/03/23 12h26 Ipesi A reciclagem do lixo eletrônico produzido no Brasil pode gerar 40 mil empregos diretos e, no mínimo, R$ 800 milhões ao ano, segundo informações obtidas a partir de dados do Movimento Circular e da empresa GM&C, que atua no setor.

O Brasil é o quinto país maior produtor de lixo eletrônico no mundo e produz 2 milhões de toneladas desse material por ano, conforme o mais recente relatório, divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2019. De acordo com o levantamento, apenas 3% desse resíduo é reciclado. Entre os maiores produtores de lixo eletrônico no mundo, o Brasil apenas é superado pela China, Estados Unidos, Índia e Japão.

O coordenador do Movimento Circular, Edson Grandisoli, explica que “o foco da reciclagem é dar um novo destino e utilização de materiais que, tradicionalmente, ganham os aterros e lixões, fazendo com que permaneçam mais tempo em circulação, um dos preceitos da economia circular”, aponta.

O coordenador de relações institucionais da GM&C, Henrique Mendes, diz que atualmente não há um número oficial sobre o total de eletroeletrônicos que são reciclados anualmente no Brasil, mas as estimativas mostram que apenas 3% dos eletrônicos descartados estariam sendo, de fato, reciclados de modo oficial e rastreável.

Segundo ele, não existem cifras exatas do retorno financeiro da reciclagem de lixo eletrônico no Brasil. Mas Mendes sinaliza com números que apontam esse impacto. Apenas a GM&C reciclou 6 mil toneladas de eletroeletrônicos no ano passado, operação que gerou ao menos 140 empregos diretos e outros 380 indiretos.

Levando em conta que o Brasil produz 2 milhões de toneladas de lixo eletrônico por ano, a reciclagem e reutilização de todo esse material poderia gerar 42 mil empregos diretos e outros 110 mil empregos indiretos. “É possível estimar o ganho social que o segmento pode proporcionar ao país, tornando-se um importante setor da economia”, afirma o coordenador.

Grandisoli lembra que 3% da reciclagem de lixo eletrônico no Brasil equivale a 60.000.000 de quilos. De acordo com diferentes fontes, cada quilo desse material reciclado gera de R$ 0,40 a R$ 4,00, dependendo do resíduo. “Sendo assim, a reciclagem gera hoje no Brasil em torno de R$ 24 a R$ 240 milhões.

  1. Se todo o lixo fosse reciclado, poderíamos chegar a uma cifra de, no mínimo, R$ 800 milhões até R$ 8 bilhões”, calcula.
  2. Além do ganho social e econômico, a reciclagem correta de eletroeletrônicos reduz impactos negativos ao meio ambiente, pois entre os resíduos eletrônicos estão materiais como plástico, ferro, vidro e metais.

“Ao recuperar esses recursos na reciclagem, evitamos a necessidade de extrair matéria prima virgem da natureza”, comenta Mendes. Outro impacto positivo da atividade está relacionado ao aumento da vida útil dos aterros. Quando esse material deixa de ser enviado para os lixões para serem aterrados, os municípios reduzem os gastos com esse serviço e os aterros têm a vida útil ampliada.

  1. Com essas estimativas, podemos avaliar a magnitude dos ganhos que poderão ser gerados quando deixarmos de desperdiçar todos esses recursos e incentivarmos a cadeia da reciclagem formal dos eletroeletrônicos”, afirma Mendes.
  2. Os eletrônicos são equipamentos que possuem centenas de diferentes substâncias em sua composição, algumas delas com potencial periculosidade, podendo causar danos à saúde e ao meio ambiente caso sejam manuseadas de forma incorreta.

Por isso a reciclagem de eletrônicos no Brasil precisa ser pautada na transparência e rastreabilidade dos processos.

OURO DO LIXO – Segundo Mendes, muito se falou nos últimos anos sobre os materiais valiosos presentes nas placas de circuito eletrônico, o que despertou grande interesse nas pessoas, criando uma febre de empresas de reciclagem de eletroeletrônicos em busca de ganhos fáceis e resultados rápidos com o “ouro do lixo”, o que não se comprova na prática.”A reciclagem de eletroeletrônicos é uma atividade complexa e que envolve custos para que seja feita da forma ambientalmente correta e com segurança aos funcionários que manuseiam os equipamentos”, explica.O coordenador da GM&C defende que a atividade da manufatura reversa de eletroeletrônicos precisa ser oficialmente reconhecida com a criação de um código de Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) específico, para que as empresas possam ter um processo de licenciamento ambiental adequado para a atividade, garantindo a segurança ambiental e a saúde das pessoas.

See also:  Qual O Melhor ColGeno Para Flacidez?

“Com a formalização das empresas do setor, será mais fácil identificar quem realmente atua da forma correta, permitindo ainda parcerias em busca de incentivos para viabilizar o crescimento da atividade”, comenta Mendes. Ele diz que, para prosperar, o segmento da reciclagem de eletroeletrônicos precisa ser uma atividade transparente e rastreável.

  1. É um ponto crucial para evitar o surgimento de empresas que despejam de forma ilegal os resíduos que geram custos ou vendem partes e peças sem autorização do fabricante”, alega.
  2. A legislação determina que a responsabilidade ambiental das empresas de reciclagem de material eletrônico não termina ao contratar uma gerenciadora de resíduos, caso haja algum dano ambiental, ambas responderão juntas.

Isso também vale para eletrônicos que possuem armazenamento de dados. “As empresas precisam garantir a destruição de dados, evitando qualquer vazamento de informações sensíveis”, diz Mendes. SOLUÇÕES – O consumidor de eletroeletrônicos é um importante ator no processo de reciclagem desse material.

Além de fazer o descarte correto dos produtos em desuso, ele deve ficar atento às suas necessidades reais e às propostas das fabricantes. “O consumidor é parte fundamental desse processo, pesquisando antes de comprar e privilegiando empresas com preocupações socioambientais legítimas”, diz o coordenador do Movimento Circular, Edson Grandisoli.

Valorizar produtos mais duráveis, buscar marcas que prestam bons serviços de reparo e repensar o consumo são passos fundamentais para construir a economia circular e um mundo melhor, defende Grandisoli. Segundo o coordenador do Movimento Circular, para além da questão do design dos produtos, as empresas devem criar soluções eficientes de logística reversa para aumentar a quantidade de lixo eletrônico coletada de forma adequada e para que esse material tenha um destino mais nobre através do reaproveitamento e da reciclagem.

  • O coordenador da GM&C afirma que a empresa tem registrado um crescimento constante da preocupação da indústria de eletroeletrônicos com o tema da Economia Circular.
  • Temos diversos clientes que já possuem projetos nessa área, auxiliando os consumidores a utilizarem melhor seus produtos, para que durem mais, além de investirem na logística reversa, permitindo que ao final da vida útil dos produtos, eles sejam devolvidos em locais adequados para serem coletados e enviados para a reciclagem”, alega.

A empresa também auxilia clientes a desenhar projetos que permitam o uso de matéria-prima reciclada, inserindo a questão da circularidade desde a etapa de criação dos produtos. PARCERIA – Em novembro do ano passado, o Movimento Circular e a GM&C, especializada em logística reversa e reciclagem de equipamentos eletroeletrônicos, selaram uma parceria para ampliar a recuperação do lixo eletrônico e promover impactos positivos ao meio ambiente.

O que você pode fazer com o lixo eletrônico que não tem mais utilidade?

Veja três formas simples para descartar o lixo eletrônico: 1- Caso seu equipamento eletrônico não possua mais utilidade, doe ou venda para alguém que ainda não tenha.2- Algumas empresas aceitam a devolução do equipamento. Entre em contato com os canais do fabricante ou procure pontos de venda da empresa.3- Existem postos de reciclagem que buscam materiais eletrônicos.

Tem como ganhar dinheiro com lixo eletrônico?

Para atuar no segmento de Reciclagem de Lixo Eletrônico é preciso obter autorização de órgãos ligados ao meio ambiente, como o IBAMA.

Quantas placas de celular da 1kg?

Com isso, chegamos ao número de 38.461 aparelhos. Pois é Estamos falando de mais de 38 mil celulares para que 1 kg de ouro possa ser extraído.

Quanto tem de ouro em um celular?

Como o ouro é extraído do celular? – As pessoas que coletaram alguns smartphones usados pelo tempo costumam pesquisar na Internet informações sobre como recuperar ouro de celulares e sobre a quantidade de ouro em um telefone. Um único dispositivo contém milésimos de miligrama de ouro – é totalmente inútil processar um ou mais telefones.

O que fazer com eletrônicos velhos?

Celulares e computadores podem poluir o meio ambiente se não forem descartados com os devidos cuidados. No final do ano muitas pessoas compram novos produtos eletrônicos e, na maioria das vezes, os itens antigos ou quebrados acabam sendo jogados, o que gera um problema para quem precisa se desfazer do bem e também para a natureza. Assim como produtos que têm uma vida útil menor e são jogados no lixo diariamente, os dispositivos eletrônicos que não têm mais utilidade também precisam ser separados e descartados adequadamente. E quase todos podem ser reciclados de alguma forma, uma vez que são compostos por plástico, vidro, metais e borracha, materiais recebidos, separados e tratados nas empresas de reciclagem.

Em relação aos locais corretos para o descarte, especialistas indicam os ecopontos de coleta, instalados em lugares selecionados e apropriados para receber esses resíduos sólidos. Os circuitos eletrônicos de computadores e celulares, por exemplo, têm quantidades significativas de metais pesados, substâncias altamente poluentes, que podem afetar a qualidade do solo e da água.

See also:  Trabalhei 7 Meses Quanto Recebo De DCimo Terceiro?

Infelizmente, o Brasil ainda está atrás de países que são referência no descarte de produtos eletroeletrônicos, como Japão e Alemanha. Ao estabelecermos uma boa rede de pontos de recebimento, conseguiremos avançar nesse quesito. Cada um de nós deve fazer a sua parte enquanto consumidor consciente, buscando uma forma adequada para o descarte.

É possível reciclar o lixo eletrônico?

Como é feita a reciclagem de aparelhos eletroeletrônicos? – Muitos de nós conhecem ou conseguem imaginar o processo de reciclagem de papel, alumínio e plástico. Porém, como é feita a reciclagem do lixo eletrônico ? Como é o processo e o que pode ser recuperado de um celular, por exemplo? De um único aparelho eletroeletrônico é possível retirar plástico, vidro, cobre, metais preciosos como ouro e prata, papel e muitos outros que voltam para a cadeia produtiva para a fabricação de novos produtos. Imagem: GM&C, soluções em logística reversa e reciclagem Conheça um pouco mais sobre o que acontece com o lixo eletrônico descartado no sistema da Green Eletron. Chegada dos itens descartados na recicladora Imagem: big bags com lixo eletrônico que será reciclado A Green Eletron conta hoje com duas recicladoras de lixo eletrônico, que ficam localizadas no interior do estado de São Paulo. A GM&C em São José dos Campos e a Sinctronics em Sorocaba. Todos os itens descartados nos coletores da gestora são transportados para as duas localidades. Imagem: equipe realiza a triagem dos materiais descartados Os produtos que chegam passam por um separação. A equipe que participa do processo realiza a triagem por tipo de produtos, em que os eletrônicos, de acordo com suas especificidades, são separados das demais impurezas. Trituração e separação Imagem: a partir da reciclagem de cabos é possível extrair metais e PVC Após a triagem, uma máquina de última geração faz automaticamente a trituração e separação dos materiais presente nos eletroeletrônicos. São diversas etapas que por densidade de cada elemento facilitam o processo de reaproveitamento e destinação final específica para a matéria-prima extraída. Imagem: o resultado da trituração dos metais presentes em celulares Destinação final Com as matérias-primas separadas e trituradas é a hora de as levar para as indústrias que vão produzir novas mercadorias, que variam desde novos eletroeletrônicos até assoalhos e cimento.

Pode jogar pod no lixo?

O descarte correto do Pod Descartável deve ser em local apropriado.

Qual a diferença entre lixo eletrônico é lixo digital?

Lixo eletrônico e lixo digital – entenda as diferenças entre eles – Um assunto que ainda provoca muita dúvida entre as pessoas e ficou mais evidente recentemente com a publicação da pesquisa “Resíduos Eletrônicos no Brasil 2021”, é sobre a diferença entre lixo digital e lixo eletrônico, ou melhor, resíduo eletrônico.

Segundo dados da pesquisa, que entrevistou 2.075 pessoas em 13 estados e no Distrito Federal, 33% dos entrevistados acreditam que lixo eletrônico está relacionado ao meio digital, como spam, e-mails, fotos ou arquivos e 42% relacionaram o termo aos aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos quebrados.

Para completar, 10% dos brasileiros relacionam aos resíduos/restos/sucatas que sobram após o descarte dos aparelhos eletrônicos (algo que se recicla), 5% dizem que são os componentes desses aparelhos, 2% acham que é o local de descarte e 7%, embora conheçam o termo, não sabem o que é. Apesar da maioria (42%) dos entrevistados saberem realmente o que é lixo eletrônico, é evidente que ainda existe muita dúvida e confusão. Então, é nosso dever e obrigação explicar as diferenças entre os dois termos. Lixo eletrônico ou Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrônicos (REEE) nada mais são do que os celulares, tablets, computadores, TVs, lavadoras de louça e de roupa, geladeiras, fios, cabos, pilhas, entre outros eletrodomésticos, que estão quebrados ou não tem mais utilidade, por algum motivo.

Eles são considerados resíduos eletrônicos porque podem ser reciclados quando descartados da forma correta, em coletores específicos para esse tipo de item. Ao contrário do lixo, ou rejeito, que é algo que não pode ser mais reaproveitado e acaba tendo que ir para disposição final, como por exemplo, aterros sanitários.

O que diferencia o rejeito, ou lixo, do resíduo é a possibilidade de seu reaproveitando, como através da reciclagem. Já, o termo lixo digital se refere aos e-mails, arquivos, aplicativos, cópias de fotos e vídeos desnecessários que por vezes armazenamos em nossos computadores ou mesmo nos celulares. Agora ficou claro, não ficou? E não se esqueça, se você tem em casa qualquer tipo de resíduo eletrônico e que pode ser descartado, faça a sua parte. Atualmente, a Green Eletron possui mais de 7 mil pontos para o descarte de pilhas distribuídos em todo o Brasil e mais de 800 para o descarte de eletroeletrônicos.

O que pode ser considerado lixo eletrônico?

O que é lixo eletrônico? – E-lixo, resíduos de equipamento eletroeletrônico (REEE) ou lixo eletrônico. Todos esses termos se referem à mesma coisa: produtos elétricos e eletrônicos quebrados, danificados ou sem utilidade por algum motivo e pilhas descarregadas que devem ser descartados.

Na maioria das vezes esses produtos são jogados no lixo comum ou ficam esquecidos em alguma parte da casa, porém eles podem ser reciclados, ou seja, podem ser transformados em outras matérias-primas em vez de ser colocados em aterros sanitários. Geralmente, os componentes dos aparelhos elétricos e eletrônicos são feitos de plástico, vidro, metais, entre outros materiais,

No processo de reciclagem, os equipamentos descartados pela população são desmontados e as partes transformadas em matéria-prima para a indústria. Uma das vantagens do processo de reutilização é que diminui-se a extração desses elementos da natureza, economizando recursos.

  1. Grandes equipamentos: geladeiras, freezers, máquinas de lavar, fogões, ar condicionados, microondas, grandes TVs, etc.
  2. Pequenos equipamentos e eletroportáteis: torradeiras, batedeiras, aspiradores de pó, ventiladores, mixers, secadores de cabelo, ferramentas elétricas, calculadoras, câmeras digitais, rádios, etc.
  3. Equipamentos de informática e telefonia: computadores, tablets, notebooks, celulares, impressoras, monitores e outros.
  4. Pilhas e baterias portáteis: pilhas modelos AA, AAA, C/D, recarregáveis, baterias portáteis de 9 V, etc.
See also:  Lotofacil Quanto Custa?

Saiba o que pode ser descartado nos coletores da Green Eletron, Resíduo não é lixo. Por quê? Imagem: o resultado da trituração dos metais presentes em celulares Em uma instrução normativa publicada em novembro de 2019, o Ibama deixou claro que o termo “rejeito (ou lixo) eletrônico” refere-se apenas a equipamentos que “depois de esgotadas todas as possibilidades de tratamento e recuperação por processos tecnológicos disponíveis e economicamente viáveis, incluídas a desmontagem, a descaracterização e a reciclagem, não apresentem outra possibilidade que não a disposição final ambientalmente adequada”.

Ou seja, o mais correto seria chamarmos de lixo eletrônico apenas os materiais que não poderão mais ser reciclados e que não têm mais utilidade. Porém, nós como sociedade acabamos popularizando, nas nossas discussões sobre o tema, o termo “lixo eletrônico” como todas as pilhas, baterias, celulares, cabos, impressoras, liquidificadores, etc, que estão usados e não possuem mais utilidade e de alguma forma, acabamos mantendo guardados ou jogamos fora de forma inconsciente.

Entretanto, quando fazemos o descarte e o encaminhamento correto destes itens, eles podem ser convertidos em matéria-prima para a indústria ou reutilizados em outras atividades. Por isso, o melhor seria chamarmos de “resíduos eletrônicos”. É uma correção bem-vinda, uma vez que a palavra “lixo” impõe uma barreira semântica às possibilidades econômicas e ambientais que os resíduos eletrônicos nos oferecem. Entender a diferença gritante entre lixo/rejeito e resíduos representaria um passo importante em direção a um modo mais sustentável de viver.

Como é feito o descarte de lixo eletrônico no Brasil?

Legislação brasileira – No Brasil, existem os postos coletores, mercados e revendedores de produtos eletrônicos que aceitam os lixos elétricos e eletrônicos. E isso, graças à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), aprovada em 2010, que lançou obrigações que devem ser compartilhadas por todos os setores da sociedade.

Aliás, um dos avanços mais significativos da Lei 12.305/2010, foi justamente a assinatura do acordo entre as empresas e o Governo Federal para a implantação da Logística Reversa de embalagens em geral. Esta lei dá total responsabilidade sobre os resíduos eletrônicos aos seus fabricantes, governo e sociedade em geral.

Ou seja, as empresas fabricantes de novas tecnologias são responsáveis por recolher os lixos eletrônicos e dar a eles o destino correto. Já a sociedade deverá levar esses resíduos nas lojas onde comprou para que elas encaminhem aos fabricantes o lixo eletrônico. Coleta e Descarte ecológico

É possível vender lixo eletrônico?

Reciclo Inteligência Ambiental / São Paulo – SP – Compramos todo tipo de sucata eletrônica.A venda de eletrônicos usados SP é uma técnica comercial também empregada em outros estados. Trata-se de uma forma de reutilizar componentes e dispositivos que foram reciclados após o descarte do aparelho eletrônico original.Todo o procedimento de recondicionamento é realizado pela empresa que trabalha com o d.

Quem recebe lixo eletrônico?

Pode ser transformado e lucrativo – O lixo eletrônico tem potencial de transformação e pode até ser lucrativo para as empresas fabricantes. Quando manejados corretamente, esses resíduos podem ganhar vida nova, gerando faturamento para as geradoras. Além disso, a relação entre lixo eletrônico e logística reversa é fundamental para poupar o meio ambiente.

  • Assim, evitando a contaminação de solos, mananciais e o surgimento de doenças.
  • Ainda segundo a lei brasileira, a responsabilidade pelo ciclo de vida dos produtos é compartilhada.
  • Logo, todos somos parte deste processo.
  • Cabe ao consumidor entregar os eletrônicos que deseja descartar em locais adequados, que não o lixo comum.

Tais locais deverão ser criados e disponibilizados pelo setor produtivo. Os comerciantes e distribuidores são responsáveis por receber estes equipamentos e entregar aos fabricantes e importadores. Eles, por fim, são responsáveis por assegurar a destinação final ambientalmente adequada a estes equipamentos, como a reciclagem, por exemplo.

  1. Você também pode procurar postos de descarte no mecanismo de busca gratuito do Portal eCycle,
  2. A presença de componentes tóxicos nos equipamentos eletrônicos é o que faz com que o descarte correto do lixo eletrônico seja importante.
  3. Se você tem resíduos eletrônicos em casa, consulte os postos de descarte.

Faça sua parte para que o seu lixo eletrônico não se transforme em lixo tóxico. Vídeo do canal Governo do Estado de São Paulo

O que fazer com o lixo eletrônico descarte para reutilizar ou reciclar?

O processo de reciclagem inicia-se nos pontos de coleta de lixo eletrônico. Eles estão disponíveis em diversas cidades brasileiras, podendo ser encontrados em mercados, shoppings e centros comerciais. Em seguida, os resíduos eletrônicos são enviados para empresas e cooperativas que fazem o trabalho de reciclagem.

Onde jogar fora o Pod?

O descarte correto do Pod Descartável deve ser em local apropriado. Verifique na sua cidade pontos de coleta que aceitem lixo tecnológico.

Onde deve ser descartado o lixo hospitalar?

Os resíduos hospitalares podem ter dois destinos de tratamento: incineração ou esterilização. Em ambos o destino será o aterro sanitário, sendo para a primeira opção um específico e para a segundo um comum.