Quanto Tempo Cachorro Fica No Cio?

O que fazer para o cachorro sair do cio?

Como acalmar cadela no cio? – As alterações hormonais características do cio tornam o período bastante delicado para cachorrinhas e tutores, ainda mais quando o objetivo é impedir a monta. Pensando nisso, o Dr. Ítalo separou algumas dicas sobre como acalmar cachorro que quer cruzar:

  1. Evite deixar a cadela visualizar outros animais pela janela. “Estímulos visuais desempenham funções excitatórias”, diz o veterinário;
  2. Evite passeios em locais movimentados, com a presença de outros cães. Além do estímulo visual, o estímulo olfativo também contribui para deixar a cadela agitada;
  3. Florais e fitoterápicos podem ser utilizados para acalmar o pet, desde que sejam recomendados por um veterinário;
  4. Não permita que a cadela fique muito próxima a portas, portões e janelas. “Algumas cruzas indesejadas ocorrem por portões fenestrados”, diz Dr. Ítalo,
  5. Mantenha uma alimentação balanceada e uma rotina saudável. Com estímulos físicos e cognitivos, não é necessário fazer mudanças específicas para o período do cio de cachorro,

Quanto tempo leva para o cachorro sair do cio?

Quanto tempo dura o ciclo da cadela? – Essa resposta geralmente varia para cada fêmea, mas geralmente elas entram no cio a cada seis meses com duração de aproximadamente 21 dias cada um. Algumas cadelas podem permanecer nesse ciclo entre duas a quatro semanas, mas ciclos tão irregulares costumam ser mais incomuns.

Como saber se o cachorro saiu do cio?

Como saber se o cio da cadela acabou? – A maior preocupação dos tutores é saber quanto temp o um cachorro fica no cio, O período completo costuma durar de 3 a 4 semanas após o início do sangramento. A melhor forma de saber que o cio da cadela acabou é ficar atenta ao comportamento do pet, que deixa de ficar agitado e a vulva retoma o seu tamanho natural.

Quanto tempo dura o sangramento no cio?

Se a ideia é não ter filhotes, especialistas aconselham a castração – Quem tem uma cadela não castrada sabe que, ao menos a cada seis meses, elas passam por um momento não muito fácil. Complicado não só para os pets, mas também para os tutores, o cio exige cuidados também com os machos que estão por perto, principalmente se filhotinhos não estiverem nos planos da família.

A turismóloga Melina Amorim, 43 anos, é protetora independente e convive diariamente com 14 cachorros dentro de casa. Entre eles, 10 são fêmeas e apenas duas, castradas. Melina já se acostumou e, sempre que uma delas entra no cio, separa os machos. Uns ficam na parte da frente da casa e outros, nos fundos.

Ela garante que os animais nunca conseguiram cruzar, mesmo com a grande quantidade de bichos na residência. Melina afirma que nem sempre os machos são o problema. Segundo ela, quem dá trabalho mesmo são as outras cadelas. ;O cachorro geralmente fica cheirando, incomodando a fêmea, mas as outras brigam, não podem ficar juntas;, comenta.

  1. De acordo com especialistas, é comum as cadelas ficarem mais carentes e irritadas nesse período.
  2. Além das alterações no comportamento, o corpo dá sinais de que a pet está prestes a ovular.
  3. A vulva, região da vagina, fica inchada e algumas cadelas podem apresentar sangramentos e secreção de um líquido transparente.

O sangramento dura, em média, nove dias e é nessa fase que as fêmeas começam a ficar atraentes. De acordo com a veterinária Renata Araújo, os cachorros são atraídos pelo cheiro, mas não cruzam, porque a cadela não permite. ;Depois dos nove dias, ela vai começar a aceitar a cruza.

É quando, geralmente o sangramento para e vem a secreção transparente;, detalha. A veterinária Kassia Vieira complementa que a secreção deve terminar em até três semanas. Se passar disso, é preciso procurar um médico. O aspecto do líquido também é importante. ;Se ficar viscoso ou esbranquiçado com cheiro ruim não é normal;, alerta.

A idade com que a cadela entra no primeiro cio varia, mas, em média, ocorre aos 6 meses de vida. O período fértil delas também é variável, geralmente, uma vez por semestre, caso não tenha sido castrada. A secretária Mariana Leal, 24, tem um casal de cachorros em casa, Pink e Totó. Durante o primeiro cio da cadela, Mariana ficou na dúvida se eles cruzariam ou não. ;Ela é maior que o cachorro, eu não sabia se eles conseguiriam. Eles ficam dentro de casa, então, pedi ajuda, porque não sabia se eu precisava separar logo ou depois;, lembra.

A jovem decidiu não arriscar. E, assim que Pink começou a sangrar, já separou os dois. A situação não chegou a se repetir. A cadela só teve um cio na vida. Contemplada por um programa de castração pública, os dois cães foram castrados. Mariana conta que o procedimento sempre esteve nos planos dela. Além de não precisar mais se preocupar com o período fértil de Pink, a cirurgia evita algumas doenças.

Durante a castração são retirados o ovário e o útero, o que reduz problemas hormonais e diminui as chances de ter câncer de mama e tumor de ovários. Nos machos, entre os benefícios do procedimento, está a prevenção do câncer de próstata. De acordo com a veterinária Kassia, as cadelas não precisam passar pelo primeiro cio para procurarem a cirurgia.

  • A castração precoce é melhor porque ela tem um maior efeito protetor;, destaca.
  • Para aqueles animais não castrados, o ideal é separar o macho da fêmea assim que a cadela apresentar sinais de que está entrando no cio.
  • A veterinária Renata frisa que os tutores jamais devem dar anticoncepcional para as cadelas, como uma forma de evitar filhotes, devido aos efeitos prejudiciais aos animais.

Caso os bichos cheguem a cruzar, os donos também não devem tentar separar os dois durante o ato. ;Já vi gente machucar cachorro tentando separar pets que já estão grudados;, adverte. ; Proestro: período no qual a cadela começa a atrair o macho, mas ainda não cruza.

Apresentam sangramento e ficam mais carentes e estressada. ; Estro: quando ela está ovulando. ; Diestro: quando ela não aceita mais o macho. Se tiver cruzado, a cadela vai começar a gestação ; Anestro: período em que a cadela não tem interesses reprodutivos. Dura em média seis meses. Fonte: Veterinária Kássia Vieira Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor.

As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação : Período de cio das cadelas demanda cuidados especiais

O que fazer para o cachorro parar de montar?

Formas de lidar – Os tutores também têm papel importante no processo. Para reduzir o hábito, é preciso não reforçá-la com carinhos ou petiscos, e não ser permissivo ou justificá-lo como um possível ato de namoro do animal. “Reforçamos que cães não têm desejo sexual premeditado, mas, exclusivamente, frente ao período relacionado ao estro da cadela”, explica Pedro.

O zootecnista indica tornar o dia a dia do animal mais produtivo e interessante, com atividades físicas e mentais. Brincar com bolinha e usar comandos como senta e deita são válidos. Sobre esses comandos, o médico veterinário comportamentalista da Comporvet Ricardo de Pauli afirma: “Ensine o seu cão a sentar ou deitar sempre que quiser interagir com você.

Com isso, ele entenderá que, se montar em sua perna, você não dará a atenção que ele quer, porém, se sentar-se, terá sua atenção, carinho e até um petisco.” “Tanto o cão quanto o dono precisam ser orientados a agir nessa situação. Usamos como técnica a utilização de reforços positivos para ensinar o cachorro a não praticar o ato de montar em outras pessoas.

  • É importante que esse reforço seja realizado pelo tutor, jamais pelas visitas.
  • O tutor precisa exercer o papel de liderança”, explica Elisa Dornelas.
  • Ela afirma que a castração, indicada pelo médico veterinário, pode ajudar a diminuir o comportamento de monta, mas que não é garantia para resolução do problema.

É importante que esse cão seja treinado e consiga obedecer a comandos do seu tutor. *Estagiária sob a supervisão de Sibele Negromonte

Quanto tempo a cadela aceita o cachorro?

Qual é o momento certo para a cadela cruzar? – Quantos dias depois do cio a cadela pode cruzar? Essa é uma questão com a qual o tutor precisa se preocupar. Ao contrário do que muitos pensam, o período marcado por secreções sanguinolentas pela vulva, o proestro, não é o momento certo para acasalar.

A fase do sangramento é aquela na qual diversos estímulos hormonais começam a preparar o organismo da pet para a fecundação. Porém, ela ainda não é permissiva ao macho nessa etapa. A fase na qual a cadelinha está apta para a cópula, permitindo a monta, é o estro. Então, se você quer saber quantos dias depois do cio a cadela pode cruzar, a resposta é: entre 5 a 15 dias após o proestro.

Para identificar o momento correto, fique de olho nas mudanças em relação à etapa anterior. No estro, o edema vulvar se torna mais discreto, e a cachorra já não tem mais sangramentos. Sendo assim, o cruzamento pode ocorrer nessa fase, que pode durar de 3 a 15 dias.

Quantas vezes o cachorro tem que pegar a cadela para engravidar?

Quantas vezes a cadela precisa cruzar para engravidar? – Não existe um número preciso de vezes que a cadela tenha que cruzar para engravidar. Pode ser que ela fique grávida já na primeira cópula, se estiver ovulando naquele momento. Mas é certo que, quanto mais cópulas houver durante o estro, maiores serão as chances de engravidar e de ter uma ninhada numerosa.

Quando a cadela aceita o cachorro?

Para que a cópula seja possível, é preciso que a cadelinha esteja no cio. No geral, ela começa a aceitar o macho no oitavo ou nono dia de cio. Esse período, no qual o cruzamento de cachorro pode acontecer, dura de quatro a cinco dias.

Como saber se o cio está no fim?

Como saber se o cio da cadela acabou? – A maior preocupação dos tutores é saber quanto temp o um cachorro fica no cio, O período completo costuma durar de 3 a 4 semanas após o início do sangramento. A melhor forma de saber que o cio da cadela acabou é ficar atenta ao comportamento do pet, que deixa de ficar agitado e a vulva retoma o seu tamanho natural.

Pode dar banho no cachorro quando está no cio?

Tudo o que você precisa saber sobre uma cadela no cio! Compreenda como funciona o cio de sua cachorra! O cio de sua cadela é um momento complicado que desencadeia diversos comportamentos atípicos em nossos bichinhos. Se você é o feliz proprietário de uma fêmea de cachorro e não teve a oportunidade de castrá-la antes dos 6 meses de idade, é provável que você esteja prestes a enfrentar a fase de cio.

  1. É natural que a partir do sexto mês de vida, o corpo dela já esteja preparado para entrar no cio.
  2. O cio acontece regularmente na vida das cadelas, após os 6 meses de vida, com um intervalo de 6 em 6 meses.
  3. Em cadelas de porte grande e gigante, pode haver uma demora para que ela entre no primeiro cio, devido a imaturidade do seu aparelho reprodutivo, que ainda está em desenvolvimento.

O cio não é um momento muito agradável, nem para sua cadela, nem para você e é muito importante aprender a gerenciar as coisas neste período, se você não deseja cruzá-la.12 perguntas mais comuns entre proprietários de cadelas no cio A princípio pode parecer bobagem dizer que é importante saber “como cuidar de uma cadela no cio “, mas com o tempo você irá compreender que existem motivos complicadores, não apenas comportamentais. Geralmente, se você não tem intenção de acasalar, quando você leva para casa uma cachorra, a grande maioria dos veterinários recomenda a castração antes do primeiro cio, pois isso aumenta a longevidade e diminui risco de doenças como câncer de mama e útero.(É importante abrir um parênteses aqui, para deixar bem claro para você que cadelas que são castradas antes do seu primeiro cio, possuem um risco consideravelmente menor de desenvolver tumores de mama, a probabilidade de que isso aconteça gira em torno de 0,5%.

No entanto, cadelas castradas após o primeiro cio, tem um aumento significativo desta probabilidade, cerca de 8% de desenvolver câncer de mama. E conforme o tempo vai passando, esta probabilidade só tende a aumentar cadelas castradas após terem passado pelo segundo cio já tem 26% de chance de desenvolver câncer de mama.

E quanto mais demora para castrar uma cadela, maior fica este número percentual). Se você deseja saber mais sobre este assunto, dê uma olhada neste link: Saiba tudo sobre tratamento de tumor de mama e câncer em cadelas. Vejamos a seguir as dúvidas mais comuns entre proprietários inexperientes de fêmeas que estão passando pelo primeiro cio:

O que é cio?

Falando de forma simples, o cio de uma cadela é mais ou menos o equivalente canino a menstruação em mulheres. Quando sua cadela entra no cio ela fica apta a acasalar, e por isso ela exala cheiros que atraem os machos. Portanto o cio pode ser definido como o início do ciclo sexual da cadela, é o momento em que sua fêmea torna-se receptiva aos machos e diferente dos humanos, isso ocorre apenas entre uma ou duas vezes ao ano de forma geral. O ciclo reprodutivo tem fases distintas, uma fase inicial, e um ciclo intermediário, quando finalmente chega o momento em que as fêmeas estão de fato férteis e portanto receptivas para o acasalamento. Este último é o que você precisa se preocupar mais, caso sua fêmea não vá acasalar ou esteja passando pelo primeiro cio.

Geralmente ocorre a partir do sétimo, ou oitavo dia após o início do sangramento e vai até o décimo quinto, ou décimo sétimo dia após o início do cio. É sempre bom lembrar, que este cálculo pode variar um pouco de cachorra para cachorra e deve servir somente de base para que o proprietário esteja preparado para cada fase deste ciclo.

Este último, é o único período em que a fêmea fica fértil, ou seja, é quando ela se mostra realmente receptiva aos machos, e geralmente o sangramento é bem sutil ou não existe mais sangramento, mais a vulva permanece inchada.

Quando as cadelas entram no primeiro cio?

Fêmeas entram no cio a partir de 6 meses de idade, embora para algumas cadelas o primeiro cio possa vir apenas com um ano de idade, Geralmente cadelas de raças pequenas entram no cio por volta dos 6 meses, pois ficam maduras mais cedo. O tamanho de sua cachorra está intimamente relacionado com a maturidade física da fêmea e portanto a maturidade sexual de uma cachorra de pequeno porte será muito mais precoce do que a maturidade sexual de uma cachorra de porte grande ou gigante.

De quanto em quanto tempo as cadelas entram no cio?

Isso vai variar de cadela para cadela, mas, geralmente as cadelas entram no cio entre uma e duas vezes ao ano. Pode existir uma variação de 6 a 8 meses mais ou menos, embora existam variações individuais significativas entre cadelas e entre raças diferentes.

Portanto estipulamos 6 ou 8 meses como uma chamado cio silencioso ou popularmente conhecido como cio seco, geralmente apenas fêmeas mais velhas apresentam este tipo de cio, neste caso a cadela não apresenta os sintomas típicos do cio, como por exemplo sangramento, mas mesmo assim ela fica fértil. Se sua fêmea não entrar no cio pela primeira vez até um ano e dois meses de vida, é possível que ela apresente um cio deste tipo, neste caso é importante consultar um veterinário, pois apenas uma citologia vaginal poderá identificar se ela está ou não em um período fértil,

Mas de forma geral para a grande maioria das cadelas, o cio ocorre de 6 em 6 meses e seus sinais costumam ser bastante evidentes.

Quanto tempo dura o cio da cadela?

Apesar de variar um pouco de cachorra para cachorra, as cadelas entram no cio mais ou menos a cada seis meses. Geralmente, esse período de cio dura três semanas (aproximadamente 21 dias), embora a duração de cada ciclo também possa variar um pouco. Pode ser considerável normal em alguns casos, cadelas que permanecem entre duas e quatro semanas no cio, embora ciclos tão irregulares de cio sejam menos comuns. Se a sua cadela continuar sangrando por mais de três semanas, isso pode ser um sinal de que algo não está certo, neste caso consulte o seu veterinário, pois pode haver um problema subjacente que precisa ser tratado. Veja neste artigo tudo sobre o tempo de duração do cio de uma cadela Quanto tempo dura o cio da cadela?

Como faço para saber se minha cadela está no cio?

Observe a “bundinha” da cachorra, normalmente a vulva fica visivelmente maior e mais escura do que o habitual, a vulva não fica apenas aparentemente inchada mas também aparenta estar proeminente e muitas cadelas ainda caminham com a cauda levantada, ou arqueada para o lado, principalmente se estiver próxima de algum macho.

Sua cadela também ficará sangrando pela vulva logo no início do cio, e a maioria delas lambe bastante, no intuito de ficar limpinha. Embora muitas vezes o sangramento não seja em grande quantidade, especialmente para fêmeas de raças pequenas. O comportamento da fêmea no cio também pode mudar, com ela aparentando estar mais carente e chamando a atenção mais do que o habitual, e se você morar em casa com quintal, também pode ter que lidar com o problema irritante de todos os cães machos da vizinhança rondando o lado de fora de sua casa.

Também é bastante comum cães da vizinhança uivarem durante a noite. Se você tem machos em casa, e precisar separá-los, o macho ficará realmente teimoso, eles choram, uivam, arranham as portas, ficam sem apetite e geralmente acaba sendo uma fase difícil para a família.

A partir de que dia do cio a cadela pode cruzar?

Sua cadela só pode conceber uma gravidez (e, geralmente, só aceitará que um cão macho acasale com ela) enquanto ela estiver no cio. Como já comentei anteriormente o cio está dividido em fases: As fases do ciclo reprodutivo de uma cadela diretamente ligadas ao cio são o Proestro que é quando inicia a secreção, mas a cadela ainda não aceita os machos e o Estro que é a fase em que a sua fêmea já aceita os machos e tem duração média de 6 a 7 dias, é neste momento em que ocorre a ovulação, é a fase da maturação oocitária, onde pode haver fertilização, podendo variar um pouco de fêmea para fêmea. No entanto é importante ressaltar que estes dados são genéricos, muitas fêmeas podem acabar acasalando logo no início do cio, embora a fase fértil seja considerada entre o décimo e o décimo sétimo dia de cio, muitas fêmeas acabam acasalando fora deste período e mesmo nestes casos não está descartada a possibilidade de gerar filhotes.

Posso cruzar minha cachorra no primeiro cio?

Teoricamente, sua cadela já será perfeitamente capaz de conceber uma gravidez durante seu primeiro cio, por isso é muito importante mantê-la protegida e segura. Uma fêmea jovem ainda está em desenvolvimento e uma gravidez nesta época pode acarretar em problemas futuros para a vida de uma jovem mãezinha.

Se você se preocupa com o bem estar físico de sua cachorra, é muito importante que você cuide dela para que nenhum macho consiga acasalar. Apesar de tecnicamente ela estar apta para se tornar mãe, não é nem um pouco recomendado reproduzir uma cadela com menos de um ano e meio de idade, pois o seu sistema reprodutivo não está desenvolvido em sua plenitude.

Tenha em mente que você precisa esperar por pelo menos dois cios, ou um ano e meio de vida, para que sua cadela esteja na idade perfeita para iniciar uma criação. Muitas fêmeas que acasalam antes do tempo podem gerar filhotes perfeitos e não ter problemas aparentes, nem para ela nem para os bebês, no entanto estes problemas podem aparecer no futuro, quando ela estiver mais velhinha, como problemas ósseos.

  1. No entanto, algumas fêmeas podem apresentar problemas diversos, e podem inclusive vir a óbito ou durante a gestação ou durante o parto.
  2. Os filhotes também podem ter problemas de má formação, ou mesmo podem não sobreviver até o fim da gestação.
  3. E no caso da mãe não sobreviver ao parto, os filhotes diminuem significativamente a chance de sobreviver, pois sem a mãe para alimentá-los e aquecê-los a sobrevivência deles se torna uma grande loteria e passa a depender completamente de você.

Se você quiser saber mais sobre este assunto leia este artigo Devo deixar minha cadela cruzar?,

Como faço para manter cães machos longe da minha cachorra quando ela está no cio?

See also:  Quem Foi Gregor Mendel?

Este é um grande desafio! Cães machos, principalmente os mais jovens, podem vir de muito longe, motivados pelo “perfume” que sua cadela exala quando está no cio, mesmo se você não passear com ela na rua, restringindo sua cadelinha a passeios no jardim e mantendo ela no interior de sua casa na maior parte do tempo.

  1. Se existirem cães que vivem soltos, próximos a sua casa, tenha certeza que você estará propenso a testemunhar uma reunião canina no portão de sua casa.
  2. Conter futuros pretendentes de sua cachorra não é uma tarefa fácil, muito menos agradável, por isso é interessante que você evite passeios com sua cadelinha durante o cio.

Se for imprescindível que você passeie com sua cachorra no durante cio, tenha muito cuidado. Não são apenas os cães machos que podem ser um problema para sua cachorra, outra fêmeas podem ficar irritadas com ela neste período – é muito mais comum brigas entre fêmeas durante o cio.

Minha cadela no cio pode tomar banho?

Não há nada que impeça uma cadela de tomar banho se ela estiver no cio. No entanto, é importante considerar alguns fatores na hora do banho. Se a sua cachorra estiver naquela fase de sangramento mais intenso, vai ficar mais difícil mantê-la limpa logo após o banho. Outro ponto importante é se você vai optar em dar um banho em casa ou levá-la em um pet shop. Considerar as implicações de sair por aí com uma cadela no cio é de extrema importância, especialmente quando estamos levando nossa cachorrinha em locais onde certamente haverão outros animais.

O primeiro ponto a se considerar em casos como esse é que pode ser arriscado levar uma cadela que esteja em seu período fértil em locais onde ela vai acabar ficando por perto de outros cães. Além de haver o problema dos cães machos querendo acasalar, apenas a presença dela já vai ser o suficiente para causar um comportamento atípico nos outros cães, especialmente no caso dos machos.

Alguns pet shops podem até mesmo não permitir a presença da sua cachorrinha durante esse período, portanto seja ponderado na hora de escolher o momento certo para o banho. Lembre-se que mesmo depois que parar de ocorrer o sangramento, a sua cadela ainda pode estar dentro do período fértil por, pelo menos, mais uma semana.

Posso castrar minha cadela durante o cio?

Se você decidiu ter sua cadela castrada e você não pretende tirar uma cria a partir dela, é importante evitar a castração durante o cio, especialmente no caso de cadelas de maior porte. A castração durante o período de cio é mais arriscada do que em qualquer outro momento da vida de seu cachorra, pois todo o sistema reprodutivo da cadela está alterado, vulva e útero inchados, etc.

A menos que, de acordo com a avaliação veterinária, haja uma razão urgente para que seja realizada a castração antes do término do cio, o seu veterinário irá provavelmente solicitar que você espere algumas semanas, afinal a castração é um procedimento cirúrgico, e como tal, não é totalmente isento de riscos.

Em geral, existe um consenso entre os veterinários que nos casos de animais de porte pequeno, o risco de realizar a castração durante o período de cio é menor do que nas cadelas de grande porte, em parte por causa do sangramento característico desse período, que acaba sendo muito maior para as cadelas de porte grande.

Existe algum método anticoncepcional para cadela no cio?

Sim, no entanto o uso de anticoncepcionais para cadelas é um debate que vem enfrentando muita resistência por parte dos veterinários, e isso tem um motivo muito claro. O uso de anticoncepcionais para cachorras pode ser muito prejudicial para a saúde, a ponto de não ser indicado quase que na totalidade dos casos,

Com que idade minha cachorra entrará na menopausa?

Ao contrário das pessoas, quando sua cadela fiar mais velha ela não entrará na menopausa e portanto continuará a ter regularmente seu ciclo de cio a cada 6 meses pelo resto de sua vida. A fertilidade em cadelas mais velhinhas pode até diminuir parcialmente, o que não impedirá que ela se torne mamãe, mesmo estando em uma idade avançada. Portanto em cães a menopausa não acontece. Quando sua cadela fica mais velha, inúmeras mudanças acontecem com o organismo dela, como problemas de coluna, artrite, etc. É comum observar que quando um cão fica velhinho ele comece a sentar com mais delicadeza do que um animal jovem. Isso é muito fácil de observar em animais de porte grande ou gigante.

  1. Por estes e outros motivos é muito fácil imaginar que uma gestação seria quase um pesadelo na vida de uma cachorra idosa.
  2. Cabe a você proteger sua fêmea desta situação indesejada.
  3. Caso você não tenha condições de castrá-la, fique ainda mais atento para que ela não corra risco de acasalar.
  4. O ideal é que quando sua cadela ficar mais velha, mesmo que ela tenha tido algumas ninhadas, você considere com carinho a possibilidade de castrá-la, para impedi-la de cruzar novamente nessa fase tão delicada de sua vida e assim evitar que ela venha a sofrer as possíveis complicações que a concepção no caso das cadelas idosas podem acarretar.

Se você ainda tem alguma dúvida em relação ao período de cio das cadelas, ou qualquer assunto relacionado com o ciclo de reprodução das cadelas, o Blog do Cachorro disponibiliza alguns outros artigos interessantes. Para aprender mais sobre o cio da cadela, e quais são os cuidados que você precisa ter durante essa fase, não deixe de conferir o artigo Como cuidar de uma cadela no cio,

  • Uma outra fonte de informação interessante, é o artigo que trata especificamente do tema Cuidados com a cadela gestante,
  • Para saber mais sobre a duração do período de cio das cadelas, confira as informações disponibilizadas no artigo Quanto tempo dura o cio da cadela,
  • Importante: Lembre-se que este artigo contém informações genéricas sobre o cio das cadelas e não dispensa uma consulta ao seu veterinário, especialmente se você desconfia que possa haver qualquer coisa fora do normal com a sua cachorra,

Nunca deixe de solicitar a ajuda veterinária em qualquer caso de comportamento atípico com seu pet. Além disso, sempre é recomendável que você leve seu pet regularmente ao veterinário, afinal a prevenção é o melhor remédio. Fonte: http://www.blogdocachorro.com.br/12-perguntas-sobre-cadela-no-cio/ https://www.facebook.com/amordebichooficial/?fref=ts

Quanto tempo dura o primeiro cio?

Muitos tutores de cadelas não castradas ficam na dúvida sobre a duração do cio, Mas, fique tranquilo! Vida de Bicho conversou com especialistas sobre o assunto, que responderam todas as dúvidas sobre o tema. Porém, antes de tudo, é preciso esclarecer que o cio das cadelas não tem nenhuma similaridade com a menstruação humana.

A menstruação da mulher nada mais é do que a descamação das paredes internas do útero. Já o sangramento desse período nas cadelas é chamado de “ciclo estral”, causado por uma fragilização dos capilares sanguíneos do útero”, explica o médico-veterinário Marco Antonio Ferrari Carneiro, coordenador do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera.

De modo geral, ele ocorre entre os 6 e os 12 meses de vida, sendo que animais de grande porte tendem a ter o primeiro cio mais tardiamente. A partir do primeiro cio, as cadelas terão um novo ciclo a cada 6 meses, que irão durar, aproximadamente, 21 dias.

Algumas cadelas podem permanecer nesse ciclo entre duas a quatro semanas, mas as irregularidades costumam ser mais incomuns”, comenta a médica-veterinária Danieli Perez Fernandes, professora e supervisora da Clínica de Pequenos Animais do Hospital Veterinário do Grupo UniEduk. O ciclo estral das cadelas pode ser dividido em quatro fases: proestro, estro, diestro e anestro.

O primeiro acontece nos dias que antecedem o cio, sendo que a fêmea ainda não está fértil, mas o tutor já consegue perceber aumento da vulva e sangramento. O período fértil é chamado de estro e dura entre 3 e 17 dias, quando há mudanças no comportamento da fêmea.

  • A cadela para de sangrar, ficando mais afetuosa e receptiva para passear “, conta Marco Antonio.
  • Após o período fértil, acontece o diestro, que independe se a cadela engravidou ou não.
  • Ele dura de 60 a 100 dias e, caso haja fertilização, é a fase na qual ocorre a gestação, nascimento e lactação, quando o animal tende a ficar instável emocionalmente.

Algumas cadelas podem até ter gravidez psicológica, a depender do nível de hormônios no organismo. Depois, vem um período de 120 dias (anestro), que antecede o novo cio”, explica o profissional. Para identificar uma cadela no cio, o tutor deve prestar atenção nos seguintes sintomas: aumento do volume da vulva, vermelhidão discreta ou escurecimento da região, secreção vaginal serosanguinolenta, cólica abdominal, receptividade ao macho, além de mudanças comportamentais. Cólica abdominal é um dos sintomas do cio nas cadelas — Foto: ( Pixabay/ Adriana Morales/ CreativeCommons) Segundo Marco Antonio, o tutor que não deseja que a cadela procrie deve mantê-la apartada de machos no período do cio. Ele diz ainda que, no caso de um cruzamento indesejado, é possível impedir a gestação por meio de medicamentos de uso exclusivo do médico-veterinário, desde que usados até 48 horas após o cruzamento.

  1. Os profissionais, contudo, lembram que a castração é a melhor forma de impedir uma gravidez indesejada, além de prevenir diversas doenças,
  2. Ao contrário do que muitos imaginam, as cadelas não tem um período equivalente à menopausa.
  3. Ou seja, elas podem ter filhotes até o fim da vida.
  4. Cachorra nunca deixa de ter cio.

Isso pode acontecer por toda a vida. No entanto a frequência pode ser menor conforme o animal vai envelhecendo “, finaliza Danieli.

O que dar para cadela parar de sangrar?

Como Funciona o Anti-Hemorrágico Monovin K Bravet 20ml para Cachorros e Gatos? – O Anti-Hemorrágico Monovin K é uma medicação base Vitamina K Hidrossoluvel, que tem ação anti-hemorrágica por acelerar a produção de protrmbina que age na coagulação sanguinea do organismo do pet seja em cirurgias ou mesmo em cortes na pele do seu pet reduzindo as hemorragias.

Quando a cadela está no cio ela sente dor?

Sim, a cadela no cio pode sentir cólica. No entanto, a dor que elas sentem é em menor proporção quando comparada às mulheres. As mudanças de comportamento, tremores no corpo e sensibilidade no abdômen são os principais sintomas de que a cadela está sentindo cólicas no período.

Por que o cachorro é a cadela ficam grudados?

Por que cachorros ficam grudados depois de cruzar? no blog Guia Vet V ocê sabe identificar período de procriação dos cachorros? Ele acontece quando a cadela está no cio. A fêmea não é permissível para receber o macho na fase do sangramento, que também é chamada de proestro.

Ela estará apta para cruzar entre 5 a 15 dias após essa fase, quando ela entra no período conhecido como estro. Ah, e esse período pode variar um pouquinho, tudo bem? Nessa fase, é importante que você observe o comportamento dos seus animais e evite contato caso não esteja planejando filhotes. De início, você poderá observar o cortejo e, quando ambos estiverem prontos, o macho irá montar sobre a fêmea.

Quando desmontar, é normal que eles permaneçam grudados um ao outro durante certo período, Isso acontece pois o pênis do macho fica mais volumoso com o aumento do bulbo, uma parte da anatomia do pênis, já que há mais sangue circulando na por lá quando estão copulando.

  1. A fêmea, por sua vez, tem uma região chamada anel fibromuscular com um tamanho menor em comparação ao bulbo do macho.
  2. Quando o pênis do macho está ereto, esse anel impede que ele saia e, assim, os órgãos genitais de ambos os pets se encaixam e eles ficam grudados um ao outro para aumentar as chances de fecundação,

Isso acontece para que o sêmen do macho chegue até os óvulos da fêmea. A ejaculação do macho é dividida em três fases: a primeira é livre de espermatozóides e acontece minutos depois que o macho monta a fêmea. A segunda, já com os espermatozóides, provoca maior vascularização no bulbo peniano do animal e faz com que ele aumente de tamanho.

Por que os cães ficam grudados?

O grude serve basicamente para minimizar a perda de espermas e aumentar as chances de fecundação. Dessa forma, como a ejaculação acontece por gotejamento, é normal que os animais se mantenham por um tempo na mesma posição, mas naturalmente eles vão se separando.

Por que o cachorro fica lambendo as partes íntimas?

1. Lambendo suas partes femininas mais do que o habitual. – É normal que os cães se mantenham limpos e arrumados lambendo-se. Mas se você notar sua cadela não castrada lambendo excessivamente suas partes íntimas, é uma boa indicação de que ela pode estar no cio! Uma cadela se lamberá em resposta ao inchaço da vulva e à secreção sanguinolenta que ela experimenta como parte de seu ciclo reprodutivo.

Quando a cadela está sangrando ela pode engravidar?

Qual é o momento certo para a cadela cruzar? – Quantos dias depois do cio a cadela pode cruzar? Essa é uma questão com a qual o tutor precisa se preocupar. Ao contrário do que muitos pensam, o período marcado por secreções sanguinolentas pela vulva, o proestro, não é o momento certo para acasalar.

  1. A fase do sangramento é aquela na qual diversos estímulos hormonais começam a preparar o organismo da pet para a fecundação.
  2. Porém, ela ainda não é permissiva ao macho nessa etapa.
  3. A fase na qual a cadelinha está apta para a cópula, permitindo a monta, é o estro.
  4. Então, se você quer saber quantos dias depois do cio a cadela pode cruzar, a resposta é: entre 5 a 15 dias após o proestro.

Para identificar o momento correto, fique de olho nas mudanças em relação à etapa anterior. No estro, o edema vulvar se torna mais discreto, e a cachorra já não tem mais sangramentos. Sendo assim, o cruzamento pode ocorrer nessa fase, que pode durar de 3 a 15 dias.

Pode aplicar injeção no cio?

Pais e mães de pets estão sempre atentos à saúde e à prevenção de doenças de seus filhos de quatro patas, principalmente em relação à vacinação. No entanto, há situações em que os tutores podem ter dúvidas se pode vacinar cachorro no cio, por exemplo. Pode acontecer de a data de reforço do esquema vacinal coincidir com o ciclo de cio da cadela. Tanto a vacina quanto o período de cio exigem um pouco mais do organismo do animal, por isso, não pode dar vacina em cachorra no cio, Vamos entender o porquê nesta leitura.

O que fazer para parar o sangramento do cio da cadela?

Existem cuidados especiais para esse período? – Sim. O ciclo estral demanda diversos cuidados com a higiene e saúde da cadela, para que ela passe pelo cio da forma mais confortável possível. Os principais são:

Higiene em dia: utilize fraldas ou calcinhas desenvolvidas para absorver o sangramento. O recomendado é que você as troque, pelo menos, duas vezes ao dia e separe um tempo para que a fêmea possa brincar e descansar sem a fralda, caso ela apresente incômodo; Visitas ao veterinário: as lambidas excessivas na genital podem causar inflamações. Ao notar tal comportamento ou qualquer sinal de dor, procure por um veterinário. Não tente aliviar os sintomas da cachorra por conta própria. Isso pode piorar o quadro de saúde; Paciência: lembre-se que durante o cio os níveis de hormônio aumentam consideravelmente e, por isso, o animal pode se estressar com mais facilidade. Procure ter paciência e entender a situação em vez de brigar; Alimentação balanceada: a falta de apetite é um sintoma comum durante o cio da cadela. Por isso, é importante que você se atente aos comportamentos alimentares e garanta uma alimentação completa e balanceada para o pet. Você pode estimular o apetite com as rações úmidas OPTIMUM™ : além de possuírem um sabor irresistível, nossos sachês são enriquecidos com vitaminas e minerais, além de fibras que garante uma excelente absorção dos nutrientes. Assim, sua cachorra aproveita o máximo do alimento para aproveitar o máximo da vida. Confira os produtos em nosso site e aproveite!

Caso não haja o intuito de reproduzir, também é necessário que você tome algumas precauções para evitar a gravidez indesejada. A liberação de hormônios irá atrair os cães machos. Por isso, é recomendado que você mantenha a cadela dentro de casa e passeie em horários alternativos para evitar o encontro dos cachorros. Essas dicas evitam tanto o cruzamento quanto brigas.

Como impedir gravidez de cachorro depois de cruzar?

Elective interruption of pregnancy in dogs (Canis familiaris, Linnaeus, 1758) – Analisou-se a problemática da escolha de um método confiável e seguro para a interrupção eletiva da gestação em cadelas, prática comum em clínica de pequenos animais para a prevenção do nascimento de ninhadas indesejadas e fator importante não só na solução de problemas pessoais de proprietários, mas também no controle populacional da espécie.

  1. Foram abordados os aspectos favoráveis e contra-indicações da interrupção cirúrgica e medicamentosa da prenhez.
  2. A interrupção cirúrgica é considerada a melhor escolha para animais que não se pretenda utilizar para reprodução.
  3. A utilização de estrógenos, do citrato de tamoxifena e agentes embriotóxicos não-hormonais é restringida pelos seus graves efeitos colaterais.

A epostana necessita maiores estudos para confirmar sua eficiência. Apesar de possível, o uso dos análogos de GnRH esbarra em limitações de fornecimento e custo, assim como o controle imunológico da gestação, na especificidade dos agentes utilizados e possíveis efeitos colaterais, enquanto o uso de glicocorticóides, na duração do tratamento e efeitos secundários inerentes aos corticosteróides.

Mifepristona e aglepristona, indisponíveis no mercado, têm sido apontadas como drogas de futuro promissor em face de sua eficácia, segurança e utilização em qualquer fase da gestação. Apesar dos seus previsíveis efeitos colaterais e da necessidade de hospitalização dos animais tratados, as prostaglandinas são cada vez mais utilizadas como drogas abortivas.

Dentre os agonistas de dopamina, a cabergolina mostra os melhores resultados, principalmente quando associada ao análogo da prostaglandina cloprostenol, podendo ser utilizada assim que o diagnóstico de gestação seja possível, com eficiência de 100% e poucos efeitos colaterais.

Prenhez; Aborto; Cadelas The problem of the choice of a reliable and safe method of elective interruption of pregnancy in bitches was analysed. The methods are common in the small animal practice in preventing the birth of unwanted litters and are considered an important factor not only for the solution of owners personal problems, but also for this species population control.

The favorable aspects and the counter indications of surgical and medicamental interruption of pregnancy were discussed. The surgical interruption is considered as the best choice for animals not intended to be utilized for reproduction. The serious side effects restricted the use of estrogens, tamoxifen citrate and non- hormonal embryotoxic agents.

Epostane needs more studies to confirm its efficiency. Although possible, the utilization of analogues of GnRH still has supplying and cost limitations. The specificity of the used agents and their possible side effects limit immunological control of pregnancy. The use of glucocorticoids is limited through the length of the treatment and side effects.

Mifepristone and aglepristone, commercially unavailable products, have been indicated as promising drugs in the future due to their efficiency, security and utilization during all stages of pregnancy. Despite the previsible side effects and the necessity of hospitalization for the treated animals, prostaglandins are more and more utilized as abortive drugs.

  • Throughout dopamine agonists, cabergoline presents the best results, especially when associated with the analog of the prostaglandin cloprostenol.
  • It can be used as soon as the diagnosis of pregnancy is possible, with 100% of efficiency and little side effects.
  • Pregnancy; Abortion; Bitches Interrupção eletiva da gestação em cães ( Canis familiaris, Linnaeus, 1758) * * Dissertação aprovada de Mestrado.1 Médica Veterinária Autônoma 2 Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP Elective interruption of pregnancy in dogs ( Canis familiaris, Linnaeus, 1758) Claudia Stoll BRUNCKHORST 1 * Dissertação aprovada de Mestrado.1 Médica Veterinária Autônoma 2 Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP ; Laudinor de VUONO 2 * Dissertação aprovada de Mestrado.1 Médica Veterinária Autônoma 2 Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP ; Renato Camparanut BARNABE 2 * Dissertação aprovada de Mestrado.1 Médica Veterinária Autônoma 2 Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP CORRESPONDÊNCIA PARA: Renato Camparanut Barnabe Departamento de Reprodução Animal Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP Cidade Universitária Armando de Salles Oliveira Av.
See also:  Como Calcular O Dia Que Engravidei?

Orlando Marques de Paiva, 87 05508-000 – São Paulo – SP e-mail: [email protected] RESUMO Analisou-se a problemática da escolha de um método confiável e seguro para a interrupção eletiva da gestação em cadelas, prática comum em clínica de pequenos animais para a prevenção do nascimento de ninhadas indesejadas e fator importante não só na solução de problemas pessoais de proprietários, mas também no controle populacional da espécie.

Foram abordados os aspectos favoráveis e contra-indicações da interrupção cirúrgica e medicamentosa da prenhez. A interrupção cirúrgica é considerada a melhor escolha para animais que não se pretenda utilizar para reprodução. A utilização de estrógenos, do citrato de tamoxifena e agentes embriotóxicos não-hormonais é restringida pelos seus graves efeitos colaterais.

A epostana necessita maiores estudos para confirmar sua eficiência. Apesar de possível, o uso dos análogos de GnRH esbarra em limitações de fornecimento e custo, assim como o controle imunológico da gestação, na especificidade dos agentes utilizados e possíveis efeitos colaterais, enquanto o uso de glicocorticóides, na duração do tratamento e efeitos secundários inerentes aos corticosteróides.

Mifepristona e aglepristona, indisponíveis no mercado, têm sido apontadas como drogas de futuro promissor em face de sua eficácia, segurança e utilização em qualquer fase da gestação. Apesar dos seus previsíveis efeitos colaterais e da necessidade de hospitalização dos animais tratados, as prostaglandinas são cada vez mais utilizadas como drogas abortivas.

Dentre os agonistas de dopamina, a cabergolina mostra os melhores resultados, principalmente quando associada ao análogo da prostaglandina cloprostenol, podendo ser utilizada assim que o diagnóstico de gestação seja possível, com eficiência de 100% e poucos efeitos colaterais.

UNITERMOS: Prenhez; Aborto; Cadelas. INTRODUÇÃO O médico veterinário tem a obrigação de educar seus clientes com relação à posse responsável de seu animal, encorajando o controle do ciclo reprodutivo e contenção do animal em estro, prevenindo gestações indesejadas 78, Entretanto, apesar do reduzido número de ciclos estrais por ano 14,83, a cobertura não planejada na cadela é um problema freqüente, sendo a interrupção eletiva da gestação prática comum em clínica de pequenos animais para a prevenção do nascimento de ninhadas indesejadas 66,

A interrupção eletiva da gestação não deve ser encarada apenas como solução para problemas pessoais de proprietários, mas também como contribuição ao controle populacional da espécie, que envolve, além do aspecto humanitário, em que não se deseja que estes filhotes sejam abandonados e sofram privações, o aspecto do controle de zoonoses, que compreende o lado econômico, onde são gastas fortunas na captura, manutenção e extermínio desses animais 60,61,62,63,

  • A escolha de um método confiável e seguro entre as diversas técnicas abortivas, que incluem a interrupção cirúrgica e a interrupção medicamentosa da gestação, com uma série de classes de agentes farmacológicos, é difícil.
  • A eficácia, os efeitos secundários, o custo e a aplicabilidade prática devem ser avaliados 66,

Interrupção cirúrgica da gestação A interrupção cirúrgica da gestação através da ovariossalpingoisterectomia é o meio mais eficiente de interromper a gestação em fêmeas cuja função reprodutiva não precisa ser preservada 12,15,16,38,60,61,77,78,79,80,

  • A castração deve sempre ser oferecida como opção aos clientes que não desejam utilizar seus animais para reprodução, pois não só previne o nascimento de filhotes indesejados como protege a cadela de futuros problemas ovarianos, uterinos e mamários 15,16,23,42,43,60,61,80,
  • Apesar do progresso e desenvolvimento das técnicas em cirurgia, anestesia e profilaxia das infecções, proporcionando um ato cirúrgico cada vez mais seguro, os riscos ainda inerentes a esse tratamento, definitivo e radical, e os possíveis efeitos secundários, como ganho de peso, incontinência urinária e alterações cutâneas, devem ser considerados, avaliados e nunca subestimados quando da indicação de uma ovariossalpingoisterectomia, o que torna a decisão dos proprietários difícil 15,16,77,

Caso esta não seja a opção escolhida pelo proprietário, o veterinário deve estar apto a recomendar outros métodos contraceptivos ou de interrupção da gestação indesejada. Interrupção medicamentosa da gestação Estrógenos Os estrógenos alteram a motilidade e o meio da tuba uterina levando a um retardo no transporte e à degeneração de óvulos 14,77,

Além disso, o distúrbio na relação estrógeno:progesterona afeta ou retarda o mecanismo de abertura da junção uterotubárica e altera os efeitos da progesterona no útero, incluindo desenvolvimento endometrial, secreção de proteínas e motilidade uterina 1,16,77, A interrupção da gestação estrógeno mediada,muito utilizada no passado 61,66, mostra baixa eficiência 9,18,59 e é contra-indicada pelos severos efeitos adversos que podem determinar, como trombocitopenia, leucopenia, anemia, piômetra, hiperplasia endometrial glandular cística, cistos ovarianos e estro persistente 1,16,18,24,25,49,54,77,80, além de necessitar que se inicie o tratamento antes que um diagnóstico de gestação possa ser feito 12,61,66,

Se, apesar de todas as contra-indicações, se pretende utilizar este tipo de droga, é recomendada a administração de 1-3 mg de benzoato de estradiol por animal ou 0,01 mg/kg, via subcutânea, em três aplicações em dias alternados a partir do primeiro ou segundo dia após a cobertura 1, ou no 5º, 7º e 9º dia após a cobertura 77 ou, ainda, a aplicação de 44 mg/kg de cipionato de estradiol durante o estro em dose única intramuscular 16,

  • Antiestrógeno: citrato de tamoxifena O citrato de tamoxifena, droga de ação antiestrogênica no homem, tem ação estrogênica nos cães 10,30,
  • Esta droga é pouco eficiente para interromper a gestação avançada, sendo portanto recomendada entre o final do pró-estro e o 2º dia do diestro citológico, na dosagem de 1 mg/kg, por via oral, duas vezes ao dia, durante 10 dias.

Este tratamento, entretanto, não é recomendado em face da alta incidência de alterações uterinas (endometrite ou piômetra) e ovarianas (cistos ovarianos) 10, Prostaglandinas Doses farmacológicas de PGF-2a promovem a regressão prematura do corpo lúteo 33,64 e determinam intensas contrações uterinas, assim como da dilatação da cérvice 11,18,51,

A aplicação clínica da PGF-2a está dificultada pela maior resistência da espécie canina aos efeitos luteolíticos (principalmente antes dos 25-30 dias quando o corpo lúteo não está completamente formado) e pela maior sensibilidade aos seus efeitos deletérios 18,51, A hospitalização é recomendada frente aos seus efeitos colaterais e à necessidade de reaplicação da droga 16,18,26,34,40,51,71,

A indução de abortamentos com a PGF-2a demanda de 3-11 dias, envolvendo esforços consideráveis, como hospitalização, repetidas aplicações ao dia e controle dos animais diante dos efeitos indesejados da droga 18,34,51, A PGF-2a é indicada na segunda metade da gestação 26,34,35,68,89, mas deve ser administrada, preferencialmente, entre 25-30 dias de gestação, resultando em reabsorção e não expulsão dos fetos 16,18,51, apesar de que pode ser aplicada após o 5º dia de diestro citológico, ou seja, 13º dia após o pico do LH 57,71,73, e também a partir do 8º ao 19º dia de diestro citológico, ou seja, 16º ao 27º dia após o pico do LH 72,

A utilização precoce, entretanto, necessita maiores doses da droga e, conseqüentemente, maior número e intensidade dos efeitos colaterais observados 16,73, A PGF-2a pode ser utilizada em baixas doses de 20-125 mg/kg, durante períodos prolongados 34,35,51,89, assim como em tratamentos mais rápidos, com doses maiores de 180-250 mg/kg e com menor freqüência de aplicações 26,57,68,71,72,73,

A eficiência do tratamento dependerá do estágio da gestação, que, por sua vez, determina a dose, freqüência de aplicações e duração do tratamento 16, Análogos da PGF-2a podem ser utilizados com sucesso após o 25º dia de gestação, como é o caso da PGF-2a-1052 85, já o ácido 9 alfa, 11 alfa, 15 alfa – triidroxi – 16 fenoxi – 17, 18, 19, 20 tetraprosta 4, 5, 13 transtrienóico 87 e o fenprostalene 36 podem ser aplicados após o 30º dia de gestação, e o fluprostenol 51, a partir do 40º dia de gestação.

  1. Devido a sua potência, os análogos da PGF-2a são administrados em doses menores 18,51,59 e possuem como vantagens não só menores efeitos colaterais, como também a possibilidade de promover o abortamento, até mesmo em dose única 36,85,87,
  2. Os efeitos secundários de fenprostalene são moderados quando comparados com a PGF-2a, entretanto, perduram por um período maior 36,

Em um tratamento com prostaglandinas, os efeitos colaterais não são apenas dose-dependentes, mas mostram também variação individual entre animais tratados, sendo observados de 20 a 120 minutos após a aplicação da droga 13,50,51, Taquipnéia, sialorréia, vômitos, diarréia, hiperpnéia e micção são os efeitos colaterais freqüentemente observados 13,16,26,50,51,68,73, assim como hipotermia (mínimo de 36,8ºC) 51,68, sonolência 7 e, como existe uma pequena margem de segurança entre a dose luteolítica (1 mg/kg) e a dose média letal da PGF-2a (5 mg/kg) nos cães, quando do uso de doses elevadas, pode-se observar ataxia, ansiedade, dilatação pupilar com posterior constrição e morte 50,51,81,

Os efeitos colaterais podem ser minimizados com o uso de atropina ou fazendo a cadela andar após a administração da droga 11,15,16,51,60,71,72,73 e diminuem à medida que o tratamento evolui, indicando que os animais adquirem resistência à droga 16,18,26,51,57,68, Apesar dos seus efeitos colaterais, e já que substâncias veterinárias agonistas de dopamina não estão disponíveis no mercado, as prostaglandinas têm-se tornado o método preferido dos veterinários para interromper a gestação em cadelas 11,12,15,

Inibidores de prolactina A secreção pituitária de prolactina, fator luteotrófico na cadela, está sob a influência inibitória da dopamina hipotalâmica, considerada como o fator inibidor de prolactina 16,22,32, Cada vez mais o uso de agonistas de dopamina tem sido incorporado à prática da clínica de pequenos animais 15, sendo utilizados para suspender a lactação e pseudociese, reduzir o intervalo entre estros, induzir o estro em cadelas em anestro prolongado e como drogas abortivas 25,

Bromocriptina A bromocriptina na dose de 0,1 mg/kg/dia durante 6 dias, via intramuscular, a partir do 42º dia após o pico de LH, pode ser utilizada como abortivo por determinar, como agonista da dopamina e, portanto, inibidor da prolactina, a queda dos níveis de progesterona para valores menores que 2 ng/ml 19,

A administração via oral a partir do 35º dia de gestação, na dose de 30 mg/kg, duas vezes ao dia, durante 4 dias, determina luteólise e abortamento 21, e aos 43-45 dias pós-ovulação, na dose de 62,5 mg/kg, duas vezes ao dia durante 6 dias, mostra uma eficiência de 50% na interrupção da gestação 89,

Os efeitos colaterais (elevada incidência de vômitos, fezes pastosas, inapetência, apatia e maior ingestão de líquidos) que se manifestam 1 a 3 horas após a administração da droga, limitam o seu uso 12, mas podem ser minimizados com a aplicação de antieméticos e/ou no caso de administração oral, dissolvendo a medicação em água 4,19,39,89,

Metergolina Apesar da utilização em doses semelhantes (0,1-0,2 mg/kg, duas vezes ao dia, via oral) do inibidor da prolactina metergolina, existem controvérsias com relação aos efeitos colaterais resultantes que, para alguns pesquisadores, inexistem 70,75, enquanto outros observam raramente vômitos, fezes pastosas e hiperexcitabilidade 56 ; a hiperexcitabilidade pode atingir até 30% dos animais tratados, que raramente manifestam agressividade 84 ; outros autores observam vômitos em 15% dos casos e severos distúrbios de comportamento (agitação, histeria, agressividade) em 50% 3 ; ou, ainda, vômitos em 6,3%, aumento da atividade diária em 37% e extrema agitação em 6,3% das cadelas tratadas 32,

  • Relatos de hiperexcitabilidade e comportamento agressivo em alguns animais tratados com metergolina têm sido observados em pesquisas e limitado o uso da droga na prática da clínica veterinária apesar de ter-se mostrado eficiente como droga abortiva 12,40,
  • Cabergolina O mais potente agonista da dopamina, cabergolina (5,0 mg/kg, via oral, uma vez ao dia durante 5 a 7 dias), não é suficientemente luteolítica na primeira metade da gestação, mas totalmente luteolítica na segunda, quando induz o abortamento em 3 a 5 dias 6,41,69 ou 5 a 7 dias após o início do tratamento 2, mostrando melhor atuação, período de ação mais longo e melhor tolerância do que a bromocriptina 41,

Os efeitos colaterais, neste esquema de tratamento, estão ausentes 2 ou restringem-se a raros episódios eméticos 41, sendo ainda citadas diarréia e sonolência 6, Quando utilizada via subcutânea (1,65 mg/kg/dia durante 5 dias), é parcialmente luteolítica aos 25 dias após a cobertura e totalmente luteolítica aos 40 dias, levando à interrupção da gestação 6 dias após o início do tratamento.

  1. Os níveis de progesterona 4-5 dias após o início da medicação traduzem a eficiência do tratamento e a necessidade ou não de reaplicação da droga 65,86,
  2. A praticidade do tratamento, boa aceitabilidade, ausência ou pequena incidência de efeitos colaterais, de elevado índice de eficiência, além de um abortamento tranqüilo, tornam a cabergolina melhor opção para interromper a gestação do que a prostaglandina 2,41,65,86,

A associação de cabergolina (1,65 mg/kg/dia) e um análogo da PGF 2a, cloprostenol (1 mg/kg/dia), via subcutânea, em aplicação simultânea, durante 5 dias a partir do 25º dia após pico de LH, mostra-se eficiente, levando ao término da gestação em 7,4 ± 2 dias, com reabsorção fetal e sem efeitos colaterais 66,

Outra alternativa é aplicar, a partir do 25º dia após o pico de LH, o cloprostenol via subcutânea em dias alternados (1 mg/kg), até a constatação da morte fetal por exame ultra-sonográfico, e a cabergolina via oral (5 mg/kg/dia) deve ser mantida por mais dois dias após a comprovação da morte fetal, o que corresponde, em termos práticos, a três aplicações de cloprostenol e aproximadamente de nove dias de administração da cabergolina.

Para evitar sialorréia e emese, aplicar o cloprostenol uma hora antes da cabergolina. A associação 100% eficiente determina o término da gestação em 7 ± 2 dias, com reabsorção fetal, sem efeitos colaterais, sendo utilizada assim que o diagnóstico da gestação é possível 12,67,

Antagonistas da progesterona Mifepristona A mifepristona ou RU 486 tem atividade antiprogestágena 17 e anticorticóide (em elevadas doses) em cães 82 e tem sido aplicada com sucesso e sem efeitos colaterais na interrupção da gestação, em diversas doses, vias de administração e fases da gestação. A interrupção da gestação com mifepristona ocorre na presença de elevados níveis de progesterona, indicando que o efeito abortivo se deve a uma ação antagonista da progesterona direta no útero 20,53,

Vários esquemas de tratamento são propostos: 5 mg/kg ao dia, durante três dias, via intramuscular, administrados entre o 6º e o 23º dia de gestação 48 ; 10-22,7 mg/kg, em aplicação única, por via subcutânea, no 20º dia, entre o 20º-40º dia ou 40º-55º dia e 56º dia de gestação 76 ; 2,5 mg/kg duas vezes ao dia, durante 6,5 e 4,5 dias, via oral, a partir do 22º e 32º dia de gestação 20 ; 8,3 mg/kg, 20 mg/kg e 40 mg/kg, via oral, em dose única ou em duas aplicações, entre o 26º e o 36º dia após a cobertura 53,

  1. A mifepristona interrompe gestação em cadelas, de forma segura e eficaz, entretanto, a disponibilidade desta droga é limitada e eticamente controversa 12,15,16,66,67,
  2. Aglepristona A aplicação do antagonista de receptores de progesterona, aglepristona, na dose de 10 mg/kg/dia, via subcutânea durante 5 dias ou até o abortamento resulta na interrupção da gestação em aproximadamente 97% dos casos 27,29,

Esta droga mostra excelente tolerância, determinando apenas apatia assim como anorexia, vômitos e diarréia em alguns animais em face da ingestão de lóquios 29, Por se tratar de droga desenvolvida em pesquisa veterinária, acredita-se que, em futuro próximo, os veterinários poderão dispor da aglepristona como terapêutica abortiva totalmente satisfatória e aplicável em qualquer período da gestação 12,74,

  1. Inibidor enzimático: epostana A epostana inibe a síntese de esteróides por inibição competitiva do sistema enzimático 3b-hidroxi esteróide deidrogenase/D 4-5 isomerase, resultando em decréscimo da produção de progesterona e acúmulo de seu precursor pregnenolona 8,
  2. Na interrupção da gestação, mostra bons resultados na dose 2,5-5,0 mg/kg ao dia, por via oral, durante 7 dias, a partir do primeiro dia do diestro 46,

Os efeitos indesejáveis resumem-se ao desenvolvimento de um abscesso local, após administração via subcutânea 45, que é contornado pelo uso oral da droga, assim como queda transitória dos níveis séricos de cortisol, que ocorre nas primeiras 4-8 horas após o início do tratamento, mas se normaliza em 24 horas 46,

Apesar dos resultados promissores, ainda são necessários maiores estudos para determinar dose, eficiência e efeitos colaterais desta droga em cães 12,46, Glicocorticóides O mecanismo de ação dos glicocorticóides, utilizados como abortivos, não é conhecido, mas provavelmente envolve o mesmo mecanismo que fisiologicamente é iniciado pela adrenal fetal no trabalho de parto, com aumento da prostaglandina em níveis luteolíticos e uterotônicos 15,16,

A dexametasona mostra-se eficiente na segunda metade da prenhez, quando utilizada, durante 10 dias na dose de 5 mg/kg, duas vezes ao dia, por via intramuscular 5, ou durante 7,5 a 10 dias, na dose de 0,2 mg/kg via oral, duas ou três vezes ao dia, com doses decrescentes nos últimos 5 dias de 0,16 mg/kg até 0,02 mg/kg 90,

  • As repetidas aplicações necessárias, as escassas informações sobre sua aplicação na interrupção da gestação e a necessidade de melhor avaliar os efeitos secundários quando utilizados como abortivos não permitem indicar os corticosteróides para esta finalidade 12,15,16,25,61,64,78,
  • Agentes embriotóxicos não-hormonais O DL 717-IT, o mais potente do grupo dos derivados do triazole tricíclico, pode ser aplicado em dose única de 2,5 mg/kg, via intramuscular, nos primeiros 15 dias de gestação, mostrando uma eficiência de 92% 58 e 100% 31,52,

Aplicada da mesma forma na dose de 3,5 mg/kg, a interrupção da gestação ocorre em 98% dos animais 58, Após o 25º dia de gestação, maiores doses de DL 717-IT são necessárias na interrupção da prenhez, com maiores efeitos tóxicos indesejados 31,52, Os mecanismos biológicos, responsáveis pelos efeitos tóxicos e pela interrupção da gestação, continuam desconhecidos 52,

Os efeitos colaterais não são observados por alguns pesquisadores 31,52, já outros citam raras alterações gastrointestinais (anorexia, perda de peso, vômitos, diarréia e sangue nas fezes), secreção vaginal em 3,5% dos animais, pseudociese em 2% dos casos e infecções uterinas em 1,7% dos animais, além de, nos casos de falha do tratamento, nascimento de filhotes fracos que morrem logo após o parto 58 ; outros referem uma série de graves efeitos colaterais, como apatia, febre, secreção vaginal purulenta, meningite purulenta asséptica e arterites no útero e em outros órgãos, sendo necessário o sacrifício de alguns animais 44,

Os efeitos colaterais como meningite, vasculites, piômetra e alterações hemáticas, assim como os natimortos ou fetos de baixa viabilidade resultantes dos tratamentos malsucedidos tornam estas drogas pouco aceitáveis para o uso clínico 12,25,44,61, Superagonistas e antagonistas de GnRH As duas classes de análogos do GnRH (agonistas e antagonistas) agem de forma inibitória sobre a função reprodutiva.

  • Os agonistas são mais apropriados para supressões de longa duração, enquanto os antagonistas, com sua ação inibitória imediata, são mais indicados para interrupção do estro e interrupção da gestação 55,88,
  • O detirelix na dose de 300 mg/kg/dia, via subcutânea, durante 7 dias, ou em dose única de 2 mg/kg, e o RS-15378, em aplicação única, via subcutânea na dose de 0,4 mg/kg, levam à supressão da função lútea, em gestantes e não-gestantes, a partir do 20º dia de diestro, assim como a associação de cada um destes antagonistas com o análogo da prostaglandina PTPT (20 mg/kg) interrompem a prenhez quando aplicados no 2º, 3º ou 4º dia do diestro 88,

Apesar de o uso de análogos de GnRH na interrupção da gestação em cadelas parecer promissor, as pesquisas e aplicação na clínica de pequenos animais ainda esbarram em limitações de fornecimento e custo destas drogas 12,14,15,60, Controle imunológico: soro anti-LH O controle imunológico da gestação, com o uso de soro anti-LH, é considerado possível, caso sejam utilizadas doses elevadas e repetidas para promover a queda da progesterona a níveis menores que 2 ng/ml 19,

  1. Alguns riscos do uso de anticorpos anti-LH, como a reação cruzada com a tireotrofina ou a glomérulo nefrite por depósito de complexos antígeno anticorpo, devem entretanto ser considerados 59,
  2. CONCLUSÃO A interrupção eletiva da gestação em cadelas, prática comum na clínica veterinária, é importante no controle populacional da espécie e pode ser realizada de forma cirúrgica ou medicamentosa.

Para animais que não se pretenda utilizar para reprodução, a interrupção cirúrgica da gestação é considerada a melhor escolha. Os graves efeitos colaterais restringem a utilização de estrógenos, do citrato de tamoxifena e agentes embriotóxicos não-hormonais.

  • Maiores estudos são necessários para confirmar a eficiência da epostana.
  • Apesar de possível, o uso dos análogos de GnRH esbarra em limitações de fornecimento e custo, assim como o controle imunológico da gestação, na especificidade dos agentes utilizados e possíveis efeitos colaterais, enquanto o uso de glicocorticóides, na duração do tratamento e efeitos secundários inerentes aos corticosteróides.

Apesar de ainda indisponíveis no mercado, a mifepristona e a aglepristona têm sido apontadas como drogas de futuro promissor pela sua eficácia, segurança e utilização em qualquer fase da gestação. As prostaglandinas, apesar dos seus previsíveis efeitos colaterais e da necessidade de hospitalização dos animais tratados, são cada vez mais utilizadas como drogas abortivas.

A cabergolina mostra os melhores resultados dentre os agonistas de dopamina, principalmente quando associada ao análogo da prostaglandina cloprostenol, podendo ser utilizada assim que o diagnóstico de gestação seja possível, com eficiência de 100% e poucos efeitos colaterais. SUMMARY The problem of the choice of a reliable and safe method of elective interruption of pregnancy in bitches was analysed.

The methods are common in the small animal practice in preventing the birth of unwanted litters and are considered an important factor not only for the solution of owners personal problems, but also for this species population control. The favorable aspects and the counter indications of surgical and medicamental interruption of pregnancy were discussed.

See also:  Palatinose Para Que Serve Como Tomar?

The surgical interruption is considered as the best choice for animals not intended to be utilized for reproduction. The serious side effects restricted the use of estrogens, tamoxifen citrate and non- hormonal embryotoxic agents. Epostane needs more studies to confirm its efficiency. Although possible, the utilization of analogues of GnRH still has supplying and cost limitations.

The specificity of the used agents and their possible side effects limit immunological control of pregnancy. The use of glucocorticoids is limited through the length of the treatment and side effects. Mifepristone and aglepristone, commercially unavailable products, have been indicated as promising drugs in the future due to their efficiency, security and utilization during all stages of pregnancy.

Despite the previsible side effects and the necessity of hospitalization for the treated animals, prostaglandins are more and more utilized as abortive drugs. Throughout dopamine agonists, cabergoline presents the best results, especially when associated with the analog of the prostaglandin cloprostenol.

It can be used as soon as the diagnosis of pregnancy is possible, with 100% of efficiency and little side effects. UNITERMS: Pregnancy; Abortion; Bitches.21- CONLEY, A.J.; EVANS, L.E., 1984 apud CONCANNON, P.W.; MEYERS-WALLEN, V.N., 1991.p.1223.27- FIÉNI, F., 1995 apud RONSIN, P.; BERTHOLOT, X., 1996.p.112.30- FURR, B.J.; RICHARDSON, D.N.; WAKELING, A.E., 1979 apud BOWEN, R.A.; OLSON, P.N.; YOUNG, S.; WITHROW, S.J., 1988.p.27.82- SPITZ, I.M.; WADE, C.E.; KREIGER, D.T.; LAHTEENMAKI, P.; BARDIN, C.W., 1985 apud CONCANNON, P.W.; YEAGER, A.; FRANK, D.; IYAMPILLAI, A., 1990.p.102.

1 – ARBEITER, K. Anwendung von Hormonen in der Reproduction von Hund und Katze. In : DÖCKE, F. Veterinärmedizinische endokrinologie 3.Aufl. Stuttgart : Gustav Fischer, 1994.p.823-41. 2 – ARBEITER, K.; FLATSCHER, C. Das Cabergolin (GALASTOP®) als Abortivum bei der Hündin. Kleintierpraxis, v.41, n.10, p.747-51, 1996. 3 – ARBEITER, K.; HOFMANN, E.; RÜSSE, M.; KOCKS, B.; NOLTE, I.; GRÜNAU, B.; FICUS, H.J.; JÖCHLE, W. Metergolin zur Behandlung von Pseudogravidität und Laktationsunterbrechung bei der Hündin. Kleintierpraxis, v.40, n.6, p.421-9, 1995. 4 – ARBEITER, K.; WINDING, W. Zur Behandlung der Lactatio sine graviditate und von Milchstauungen im Anschluss an die Geburt mit dem Antiprolaktin 2-Br-Ergocryptin. Kleintierpraxis, v.22, n.6, p.271-8, 1977. 5 – AUSTAD, R.; LUNDE, A.; SJAASTAD, O.V. Peripheral plasma levels of oestradiol-17b and progesterone in the bitch during the oestrous cycle, in normal pregnancy and after dexamethasone treatment. Journal of Reproduction and Fertility, v.46, n.1, p.129-36, 1976. 6 – BALLABIO, R. La cabergolina: un antiprolattinico per i piccoli animali. Revista di Zootecnia e Veterinaria, v.16, n.2, p.69-78, 1988. 7 – BARNABE, R.C.; MUCCIOLO, A.; MATERA, A.; BARROS, P.S.M.; MUCCIOLO, R.G. The effect of prostaglandin F2 alfa on false pregnancy in bitches. Revista da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, v.16, n.1/2, p.25-6, 1979. 8 – BELL, M.R.; BATZOLD, F.H.; WINNEKER, R.C. Chemical control of fertility. Annual Reports in Medicinal Chemistry, v.21, p.169-77, 1986. 9 – BOWEN, R.A.; OLSON, P.N.; BEHRENDT, M.D.; WHEELER, S.L.; HUSTED, P.W.; NETT, T.M. Efficacy and toxicity of estrogens commonly used to terminate canine pregnancy. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.186, n.8, p.783-8, 1985. 10 – BOWEN, R.A.; OLSON, P.N.; YOUNG, S.; WITHROW, S.J. Efficacy and toxicity of tamoxifen citrate for prevention and termination of pregnancy in bitches. American Journal of Veterinary Research, v.49, n.1, p.27-31, 1988. 11 – BRAAKMAN, A.; OKKENS, A.C.; VAN HAAFTEN, B. Medical methods to terminate pregnancy in the dog. Compendium on Continuing Education for the Practicing Veterinarian, v.15, n.11, p.1505-13, 1993. 12 – BRUNCKHORST, C.S. Interrupção eletiva da gestação em cães ( Canis familiaris, LINNAEUS, 1758) São Paulo, 1998.101p. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Universidade de São Paulo. 13 – CHRISTIANSEN, J. Bitches, queens and prostaglandins. Nordisk Veterinaermedicin, v.34, n.1/2, p.33-8, 1982. 14 – CONCANNON, P.W. Reproduction in the dog and cat. In : CUPPS, P.T. Reproduction in domestic animals 4.ed. San Diego : Academic Press, 1991.p.517-54. 15 – CONCANNON, P.W. Contraception in the dog. The Veterinary Annual, v.35, p.177-87, 1995a. 16 – CONCANNON, P.W. Reproductive endocrinology, contraception, and pregnancy termination in dogs. In : ETTINGER, S.J.; FELDMAN, E.C. Textbook of veterinary internal medicine 4.ed. Philadelphia : W.B. Saunders, 1995b.p.1625-36. 17 – CONCANNON, P.W.; DILLINGHAM, L.; SPITZ, I.M. Effects of the antiprogestagen mifepristone on progesterone-dependent uterine development and bioassay of progestational activity in estrogen-primed immature female dogs. Acta Endocrinologica, Copenhagen, v.118, n.3, p.389-98, 1988. 18 – CONCANNON, P.W.; MEYERS-WALLEN, V.N. Current and proposed methods for contraception and termination of pregnancy in dogs and cats. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.198, n.7, p.1214-25, 1991. 19 – CONCANNON, P.W.; WEINSTEIN, P.; WHALEY, S.; FRANK, D. Suppression of luteal function in dogs by luteinizing hormone antiserum and by bromocriptine. Journal of Reproduction and Fertility, v.81, n.1, p.175-80, 1987. 20 – CONCANNON, P.W.; YEAGER, A.; FRANK, D.; IYAMPILLAI, A. Termination of pregnancy and induction of premature luteolysis by antiprogestagen, mifepristone, in dogs. Journal of Reproduction and Fertility, v.88, n.1, p.99-104, 1990. 22- DÖCKE, F. Veterinärmedizinische endokrinologie 3.Aufl. Stuttgart : Gustav Fischer, 1994. Cap.9.p.204-11: Prolactin. 23- DUMON, C.; LENNOZ, M. La contraception. Pratique Médicale and Chirurgicale de l’Animal de Compagnie, v.27, n.3, p.317-21, 1992. 24- DÜRR, A. Pyometra nach Östrogenbehandlung. Schweizer Archiv für Tierheilkunde, v.117, n.6, p.349-54, 1975. 25- ENGLAND, G.C.W. Hormonal manipulation of breeding in the bitch. The Veterinary Annual, v.34, p.189-200, 1994. 26- FELDMAN, E.C.; DAVIDSON, A.P.; NELSON, R.W.; NYLAND, T.G.; MUNRO, C. Prostaglandin induction of abortion in pregnant bitches after misalliance. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.202, n.11, p.1855-8, 1993. 28- FIÉNI, F.; FUHRER, M.; TAINTURIER, D.; BRUYAS, J.F.; DRIDI, S. Use of cloprostenol for pregnancy termination in dogs. Journal of Reproduction and Fertility, v.39, p.332-3, 1989. Supplement. 29- FIÉNI, F.; TAINTURIER, D.; BRUYAS, J.F.; BADINAND, F.; BERTHELOT, X.; RONSIN, P.; RACHAIL, M.; LEFAY, M.P. Etude clinique d’une anti-hormone pour provoquer l’avortement chez la chienne: l’aglepristone. Recueil de Medecine Veterinaire, v.172, n.7/8, p.359-67, 1996. 31- GALLIANI, G.; CARAMEL, C.; ASSANDRI, A. DL 717-IT: a non hormonal agent for the control of fertility in the bitch. Journal of Small Animal Practice, v.25, n.4, p.211-22, 1984. 32- GRÜNAU, B.; NOLTE, I.; HOPPEN, H.O. Untersuchung zur Behandlung der Scheintrachtigkeit der Hundin mit den Prolaktinhemmern Metergolin und Bromocryptin. Tierarztliche Praxis, v.24, n.2, p.149-55, 1996. 33- HOFFMANN, B.; RIESENBECK, A.; KLEIN, R. Reproductive endocrinology of bitches. Animal Reproduction Science, v.42, n.4, p.275-88, 1996. 34- HUBLER, M.; ARNOLD, S.; CASAL, M.; FLÜCKIGER, M.; HAUSER, B.; CORBOZ, L.; RÜSCH, P. Anwendung von niedrig dosiertem Prostaglandin F2a bei Hündinnen. Schweizer Archiv für Tierheilkunde, v.133, n.7, p.323-9, 1991. 35- HUBLER, M.; ARNOLD, S.; DÖBELI, M. Use of a low dose prostaglandin F2a in the bitch. Journal of Reproduction and Fertility, v.47, p.555, 1993. Supplement. 36- ICHIJO, H.; MORIYOSHI, M.; NAKAO, T.; KAWATA, K. Induction of abortion and whelping by administration of a long-acting PGF2a analogue fenprostalene in beagle bitches. Journal of Veterinary Medicine, Japan, v.48, n.7, p.537-41, 1995. 37- JACKSON, P.S.; FURR, B.J.A.; HUTCHINSON, F.G. A preliminary study of pregnancy termination in the bitch with slow-release formulations of prostaglandin analogues. Journal of Small Animal Practice, v.23, n.5, p.287-94, 1982. 38- JACKSON, W.F.; JOHNSON, S.D. Pregnancy prevention and termination. In : KIRK, R.W. Current veterinary therapy VII Philadelphia : W.B. Saunders, 1980.p.1239-41. 39- JANSSEN, L.A.A. Treatment of pseudopregnancy with bromocriptin, an ergot alkaloid. Veterinary Record, v.119, n.8, p.172-4, 1986. 40- JÖCHLE, W. Pet population control in Europe. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.198, n.7, p.1225-30, 1991. 41- JÖCHLE, W.; ARBEITER, K.; POST, K.; BALLABIO, R.; D’VER, A.S. Effects on pseudopregnancy, pregnancy and interoestrous intervals of pharmacological suppression of prolactin secretion in female dogs and cats. Journal of Reproduction and Fertility, v.39, p.199-207, 1989. Supplement. 42- JOHNSTON, S.D Female reproductive system. In : SLATER, D.H. Textbook of small animal surgery Philadelphia : W.B. Saunders, 1985.p.2545-61. 43- JOHNSTON, S.D. Questions and answers on the effects of surgically neutering dogs and cats. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.198, n.7, p.1206-14, 1991. 44- KÄLIN, S.; ARNOLD, P.; HAGEN, A.; LOTT-STOLZ, G.; NIEDERHAUSER, U.; RÜSCH, P. Sterile, eitrige Meningitis und generalisierte Vaskulitis, verursacht durch ein neues Medikament zur Nidationsverhütung beim Hund. Schweizer Archiv für Tierheilkunde, v.129, n.7, p.335-42, 1987. 45- KEISTER, D.M.; KAISER, L.D.; GENSBURG, L.J.; D’VER, A.S.; EHRHART, W. The use of epostane, a 3 beta-hydrixysteroid dehydrogenase delta 4-5 isomerase enzyme inhibitor, in oil suspension as a mismating agent in the dog. Theriogenology, v.30, n.3, p.497-506, 1988. 46- KEISTER, D.M.; GUTHEIL, R.F.; KAISER, L.D.; D’VER, A.S. Efficacy of oral epostane administration to terminate pregnancy in mated laboratory bitches. Journal of Reproduction and Fertility, v.39, p.241-9, 1989. Supplement. 47- KENNELLY, J.J. The effect of mestranol on canine reproduction. Biology of Reproduction, v.1, n.3, p.282-8, 1969 48- LAVAUD, J. Emploi d’un antagoniste de la progesterone, le RU 38346, abortif chez la chienne. Pratique Médicale and Chirurgicale de l’Animal de Compagnie, v.24, n.3, p.253-8, 1989. 49- LEGENDRE, A.M. Estrogen-induced bone marrow hypoplasia in a dog. Journal of American Animal Hospital Association, v.12, n.5, p.525-7, 1976. 50- LEIN, D.H. Prostaglandin therapy in small animal reproduction. In : KIRK, R.W. Current veterinary therapy IX Philadelphia : W.B. Saunders, 1986.p.1233-6. 51- LEIN, D.H.; CONCANNON, P.W.; HORNBUCKLE, W.E.; GILBERT, R.O.; GLENDENING, J.R.; DUNLAP, H.L. Termination of pregnancy in bitches by administration of prostaglandin F-2a. Journal of Reproduction and Fertility, v.39, p.231-40, 1989. Supplement. 52- LERNER, L.J. Development of novel embryotoxic compounds for interceptive fertility control in the dog. Journal of Reproduction and Fertility, v.39, p.251-65, 1989. Supplement. 53- LINDE-FORSBERG, C.; KINDAHL, H.; MADEJ, A. Termination of mid-term pregnancy in the dog with oral RU 486. Journal of Small Animal Practice, v.33, n.7, p.331-6, 1992. 54- LOWENSTINE, L.J.; LING, G.V.; SCHALM, O.W. Exogenous estrogen toxicity in the dog. The California Veterinarian, v.26, n.8, p.14-9, 1972. 55- McRAE, G.I.; ROBERTS, B.B.; WORDEN, A.C.; BAJKA, A.; VICKERY, B.H. Long-term reversible suppression of oestrus in bitches with nafarelin acetate, a potent LHRH agonist. Journal of Reproduction and Fertility, v.74, n.2, p.389-97, 1985. 56- MIALOT, J.P.; DUMON, CH. Utilisation de la métergoline pour le tarissement de la lactation chez les carnivores domestiques. Pratique Médicale and Chirurgicale de l’Animal de Compagnie, v.21, n.3, p.177-81, 1986. 57- OETTLE, E.E.; BERTSCHINGER, H.J.; BOTHA, A.E.; MARAIS, A. Luteolysis in early diestrous beagle bitches. Theriogenology, v.29, n.3, p.757-63, 1988. 58- OLIVA, O.; COLOMBO, G.; NAVA, G.; CAIROLI, F. Prove cliniche sperimentali di un nuovofarmaco antigestazionale nella cagna. Bollettino Associazione Italiana Veterinaria per Piccoli Animali, v.23, n.2, p.95-102, 1984. 59- OLSON, P.N.; BOWEN, R.A.; HUSTED, P.W.; NETT, T.M. Terminating canine and feline pregnancies. In : KIRK, R.W. Current veterinary therapy IX Philadelphia : W.B. Saunders, 1986.p.1236-40. 60- OLSON, P.N.; JOHNSTON, S.D. New development in small animal population control. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.202, n.6, p.904-9, 1993. 61- OLSON, P.N.; JOHNSTON, S.D.; ROOT, M.V.; HEGSTAD, R.L. Terminating pregnancy in dogs and cats. Animal Reproduction Science, v.28, n.1/4, p.399-406, 1992. 62- OLSON, P.N.; MOULTON, C. Pet (dog and cat) overpopulation in the United States. Journal of Reproduction and Fertility, v.47, p.433-8, 1993. Supplement. 63- OLSON, P.N.; MOULTON, C.; NETT, T.M.; SALMAN, M.D. Pet overpopulation: a challenge for companion animal veterinarians in the 1990s. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.198, n.7, p.1251-2, 1991. 64- OLSON, P.N.; NETT, T.M.; BOWEN, R.A.; SAWYER, H.R.; NISWENDER, G.D. Endocrine regulation of the corpus luteum of the bitch as a potential target for altering fertility. Journal of Reproduction and Fertility, v.39, p.27-40, 1989. Supplement. 65- ONCLIN, K.; SILVA, L.D.M.; DONNAY, I.; VERSTEGEN, J.P. Luteotropic action of prolactin in dogs and the effects of a dopamine agonist, cabergoline. Journal of Reproduction and Fertility, v.47, p.403-9, 1993. Supplement. 66- ONCLIN, K.; SILVA, L.D.M.; VERSTEGEN, J.P. Termination of unwanted pregnancy in dogs with the dopamine agonist, cabergoline, in combination with a synthetic analog of PGF2a, either cloprostanol or alphaprostol. Theriogenology, v.43, n.4, p.813-22, 1995. 67- ONCLIN, K.; VERSTEGEN, J.P. Practical use of combination of a dopamine agonist and a synthetic prostaglandin analogue to terminate unwanted pregnancy in dogs Journal of Small Animal Practice, v.37, n.5, p.211-6, 1996. 68- PARADIS, M.; POST, K.; MAPLETOFT, R.J. Effects of prostagladin F2a on corpora lutea formation and function in mated bitches. Canadian Veterinary Journal, v.24, n.8, p.239-42, 1983. 69- POST, K.; EVANS, L.E.; JÖCHLE, W. Effects of prolactin suppression with cabergoline on the pregnancy of the bitch. Theriogenology, v.29, n.6, p.1233-43, 1988. 70- RICHEZ, P.; JONES, M.H.; ASCHER, F. Pharmacologie clinique de la metergoline (Contralac, N.D.): lactation de pseudogestation et de parturition chez la chienne. Pratique Médicale and Chirurgicale de l’Animal de Compagnie, v.22, n.1, p.75-7, 1987. 71- ROMAGNOLI, S.E.; CAMILLO, F.; CELA, M.; JOHNSTON, S.D.; GRASSI, F.; FERDEGHINI, M.; ARIA, G. Clinical use of prostaglandin F2a to induce early abortion in the bitches: serum progesterone, treatment outcome and interval to subsequent oestrus. Journal of Reproduction and Fertility, v.47, p.425-31, 1993. Supplement. 72- ROMAGNOLI, S.E.; CAMILLO, F.; NOVELLINI, S.; JOHNSTON, S.D.; CELA, M. Luteolytic effects of prostaglandin F2a on day 8 to 19 corpora lutea in the bitch. Theriogenology, v.45, n.2, p.397-403, 1996. 73- ROMAGNOLI, S.E.; CELA, M.; CAMILLO, F. Use of prostaglandin F2a for early pregnancy termination in the mismated bitch. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v.21, n.3, p.487-99, 1991. 74- RONSIN, P.; BERTHELOT, X. Avortement provoqué chez la chienne. Le Point Veterinaire, v.28, n.176, p.107-13, 1996. 75- RÜSSE, M.; KOCKS, B. Anwendung der Hormone bei Kleintieren. Der Praktische Tierarzt, v.60, n.7, p.592-601, 1979. 76- SANKAI, T.; ENDO, T.; KANAYAMA, K.; SAKUMA, Y.; UMEZU, M.; MASAKI, J. Antiprogesterone compound, RU486 administration to terminate pregnancy in dogs and cats. Journal of Veterinary Medical Science, v.53, n.6, p.1069-70, 1991. 77- SCHÜTT-MAST, I. Zur Beeinflussung des Sexualzyklus und der Trächtigkeit der Hündin durch exogene Hormone. Kleintierpraxis, v.35, n.12, p.625-32, 1990. 78- SHILLE, V.M. Mismating and termination of pregnancy. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v.12, n.1, p.99-106, 1982. 79- SHILLE, V.M.; DORSEY, D.; THATCHER, M.J. Induction of abortion in the bitch with a synthetic prostaglandin analog. American Journal of Veterinary Research, v.45, n.7, p.1295-8, 1984. 80- SODERBERG, S.F.; OLSON, P.N. Abortifacients. In : KIRK, R.W. Current veterinary therapy VIII Philadelphia : W.B. Saunders, 1983.p.945-6. 81- SOKOLOWSKI, J.H.; GENG, S. Effect of prostaglandin F2a-THAM in the bitch. Journal of the American Veterinary Medical Association, v.170, n.5, p.536-7, 1977. 83- STABENFELD, G.H.; SHILLE, V.M. Reproduction in dog and cat. In : COLE, H.H.; CUPPS, P.T. Reproduction in domestic animals 3.ed. New York : Academic Press, 1977.p.499-527. 84- TAINTURIER, D.; FIÉNI, F.; LESOBRE, C.; ESCOUFLAIRE, P. Le tarissement de la sécrétion lactée de la chienne par la métergoline. Pratique Médicale and Chirurgicale de l’Animal de Compagnie, v.24, n.1, p.27-30, 1989. 85- TSUTSUI, T.; KAWAKAMI, E.; ORIMA, H.; YAMAUCHI, M.; OKUBO, T.; STABENFELD, G.H. Effects of prostaglandin F2a analogue administration on luteal function, implantation of embryos and maintence of pregnancy in bitches. Japanese Journal of Veterinary Science, v.51, n.3, p.496-504, 1989. 86- VERSTEGEN, J.P.; ONCLIN, K.; SILVA, L.D.M.; WOUTERS-BALLMANN, P.; DONNAY, I.; DELAHAUT, P.; ECTORS, F. Induction de l’avortement chez la chienne et chez la chatte par la Cabergoline, agoniste dopaminergique anti-prolactinique spécifique. Annales de Medicine Veterinaire, v.137, n.4, p.251-8, 1993. 87- VICKERY, B.H.; McRAE, G. Effects of a synthetic prostaglandin analogue on pregnancy in beagle bitches. Biology of Reproduction, v.22, n.3, p.438-2, 1980. 88- VICKERY, B.H.; MC RAE, G.I.; GOODPASTURE, J.C.; SANDERS, L.M. Use of potent LHRH analogues for cronic contraception and pregnancy termination in dogs. Journal of Reproduction and Fertility, v.39, p.175-87, 1989. Supplement. 89- WICHTEL, J.J.; WHITACRE, M.D.; YATES, D.J.; VAN CAMP, S.D. Comparison of the effects of PGF2a and bromocriptine in pregnant beagle bitches. Theriogenology, v.33, n.4, p.829-36, 1990. 90- ZONE, M.; WANKE, M.; REBUELTO, M.; LOZA, M.; MESTRE, J.; DUCHENE, A.; CONCANNON, P.W. Termination of pregnancy in dogs by oral administration of dexamethasone. Theriogenology, v.43, n.2, p.487-94, 1995.

* Dissertação aprovada de Mestrado.1 Médica Veterinária Autônoma 2 Departamento de Reprodução Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP – SP

Publicação nesta coleção 07 Fev 2001 Data do Fascículo 2000

Recebido 26 Jan 1999 Aceito 19 Out 1999

SciELO – Scientific Electronic Library Online Rua Dr. Diogo de Faria, 1087 – 9º andar – Vila Clementino 04037-003 São Paulo/SP – Brasil E-mail: [email protected]

Pode aplicar Anticion durante o cio?

POSOLOGIA E MODO DE USAR: – POSOLOGIA E FORMA DE APLICAÇÃO: AGITAR ANTES DE USAR. Aplicar Anticion pela via subcutânea, na dose de 1 mL por animal (que corresponde a 50 mg de acetato de medroxiprogesterona). A reaplicação do produto somente pode ser realizada após 6 meses da última aplicação para cadela e 4 meses para gatas.

  1. O uso repetido e constante do produto não deve ser recomendado.
  2. A aplicação deste fármaco pode promover alterações cutâneas locais permanentes (adelgaçamento da pele, perda de pelo, alteração da pigmentação) e, por isso, o produto deve ser, preferencialmente, aplicado em regiões pouco visíveis, como na parte interior da coxa ou na dobra interna do flanco.

Após a aplicação do produto, o retorno ao cio normal ocorre em média após 10 meses (podendo variar entre 5 e 22 meses). Entretanto, recomenda-se acasalar as fêmeas apenas depois do segundo cio normal após a aplicação do produto. APRESENTAÇÕES:

Caixa com 36 ampolas contendo 1 mL.Cartela contendo 1 ampola de 1 mL acompanhada de 1 seringa.

Conservar a temperatura ambiente (15°C a 30°C) ao abrigo da luz solar direta, fora do alcance de crianças e animais domésticos. Licenciado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento: 6.762/1999. Responsável Técnica Médica Veterinária: Dra. Thaís Marino Silva Girio CRMV/SP 17.469 CUIDADOS NA APLICAÇÃO/MANUSEIO: 1 – Este produto deve ser manipulado com cuidado por mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez.2 – Evite contato com os olhos, pele e roupa.3 – Evite a inalação do produto. MEDIDAS DE PRIMEIROS SOCORROS: 1-Exposição acidental 1.1 Contato com a pele: lavar abundantemente com água 1.2 Autoinoculação: procurar orientação de um médico.1.3 Contato com os olhos: enxague os olhos com água pro pelo menos 15 minutos.

Pode aplicar injeção no cio?

Pais e mães de pets estão sempre atentos à saúde e à prevenção de doenças de seus filhos de quatro patas, principalmente em relação à vacinação. No entanto, há situações em que os tutores podem ter dúvidas se pode vacinar cachorro no cio, por exemplo. Pode acontecer de a data de reforço do esquema vacinal coincidir com o ciclo de cio da cadela. Tanto a vacina quanto o período de cio exigem um pouco mais do organismo do animal, por isso, não pode dar vacina em cachorra no cio, Vamos entender o porquê nesta leitura.